Ligue-se a nós

Argentina

Alberto Fernández sugirió que no le pagarán al FMI en el homenaje a Néstor Kirchner

Publicado

no

El presidente encabezó un actoen homenaje a Kirchner y aprovechó la presencia de La Cámpora para pegarle al Fondo y sugerir que no les pagarán.

El presidente Alberto Fernández aprovechó el acto de homenaje a Néstor Kirchner a 11 años de su muerte para pegarle al FMI y sugerir que no les van a pagar las deudas, después de dos semanas de intensas negociaciones con el Fondo.

El presidente habló en el estadio de Deportivo Morón, atestado de gente y sin ningún protocolo sanitario ni aforo como el que impuso el mismo Alberto para los partidos de fútbol.

“Si todavía no firmamos un acuerdo con el Fondo es porque no nos vamos a arrodillar“, dijo el presidente. “Vamos a negociar hasta que nuestro pueblo no vea en riesgo su futuro para pagar una deuda“, dijo.

Alberto, que en su única negociación exitosa con los acreedores internacionales cerró tasas de interés impagables con la condición de que sean a largo plazo, se vendió ante el público peronista como un gran defensor del no pago de la deuda.

¿Cómo piensan que son las negociaciones con los acreedores? Se piensan que no hay presiones“, dijo Alberto. “Quisiera que los diarios, en vez de exigirme acuerdos a cualquier precio, le digan al FMI que se haga cargo de esta deuda impagable“, dijo. “Eso no lo veo en ningún diario“, agregó.

Lo que no explicó es por qué el FMI, que no es más que un prestamista, debería hacerse cargo de una deuda que Argentina tomó en plena democracia, con un gobierno legítimo y con apoyo del Congreso.

También cabe aclarar que si Argentina defaultea al Fondo, perderá todo el acceso al crédito internacional, y habrá una fuerte presión sobre el dólar, para la cual el Banco Central no tendrá reservas para contener. Además, habrá una fuerte desinversión y profundización de la crisis económica.

Guzmán debió cambiar su posición respecto al FMI por la presión de Cristina.

Tanto Alberto Fernández como el ministro Martín Guzmán han cambiado fuertemente su discurso sobre el FMI desde la derrota del 12 de septiembre, por las presiones del kirchnerismo más duro. Guzmán dijo este martes que pagar la deuda “es una posición antisoberanía, antiargentina, y en contra de los intereses de la Patria”, y que él “no pagaría la deuda con el hambre del pueblo”.

El presidente estuvo acompañado por el diputado Máximo Kirchner, quien desde el cambio de gabinete quedó como una suerte de intermediario entre Cristina y Alberto, y está dictándole los temas para hablar, por ejemplo, en cuanto a la postura frente al FMI.

“Voy a pelear, voy a confrontar todo lo que sea necesario y voy a cerrar con el Fondo el día que sepa que eso no condiciona el futuro de todos los argentinos. Esto esto lo digo con la convicción que lo digo porque tuve un maestro extraordinario”, dijo Alberto en referencia a Néstor Kirchner.

Para finalizar, volvió a rechazar la naturaleza monetaria de la inflación, uno de los principales indicios de que su gobierno seguirá fallando en lograr controlar los precios, ya que desconoce de dónde viene el problema. “La inflación me preocupa más que a ustedes, pero no tiene otra explicación que la especulación de unos pícaros“, dijo.

Argentina

O jornal estatal russo de Putin acusou Alberto Fernández de “traição sem limite” e de se vender a Joe Biden

Publicado

no

O Sputnik News publicou um editorial onde asseguram que o presidente argentino se vendeu à Casa Branca “por algumas moedas”, em referência ao acordo com o FMI.

A principal mídia estatal russa, que responde diretamente a Vladimir Putin, lançou neste fim de semana um editorial em sua versão em espanhol, acusando Alberto Fernández de ter traído a Rússia, após suas declarações durante sua recente visita à Alemanha. 

O editorial do Sputnik intitula-se “A hipocrisia e a traição do presidente argentino Alberto Fernández a Putin não têm limites” e o autor interpreta que o presidente argentino começou seu governo muito próximo de Putin, mas que fez uma mudança de posicionamento desde o final do ano passado.

Primeiro, eles destacam a traição de Alberto Fernández ao optar pelas vacinas da Pfizer depois de ter assinado contratos com a Rússia para o Sputnik V, quando, segundo a mídia, a Argentina não tinha dinheiro para acessar as vacinas mais caras do Ocidente.

Mas a gota d’água teria sido a visita do argentino à Alemanha, onde se encontrou com o chanceler Olaf Scholz. Após a reunião, Alberto Fernández publicou um tweet que teria gerado a ira de Putin.

“Foi bom conhecer Olaf Scholz, chanceler federal da Alemanha. Vemos com preocupação as consequências da agressão contra a Ucrânia e cooperaremos para encontrar formas de pôr fim a ela. Depois do sofrimento que estamos vivendo, é imoral que algo assim aconteça”, tuitou.

No encontro com Scholz, o presidente argentino falou em “pôr fim” à “agressão contra a Ucrânia”, que qualificou de “imoral“.

A visão russa do conflito, por outro lado, é a de uma missão para desmilitarizar e desnazificar a Ucrânia após oito longos anos de genocídio contra o povo de Donbas, período em que cerca de 14.000 pessoas, incluindo idosos, mulheres e crianças , foram mortos pelo regime de Kiev e pelos batalhões nazistas, como o de Azov”, escreveu o jornal Sputnik.

Além disso, eles jogam na cara de Alberto Fernández que durante sua recente visita à Rússia disse que “a Argentina tem uma dívida com a Rússia porque foi a primeira a se preocupar com as vacinas dos argentinos”.

Por algumas se vendeu?“, perguntam-se no Sputnik, e apontam que em um esforço para chegar a um acordo com o FMI, Alberto Fernández “entregou” seu governo a Joe Biden.

Alberto, além de acusar a Rússia de ser imoral, disse que para seu governo a Europa é mais importante que China e Rússia, e se declarou um “europeuista”. Durante sua visita à Espanha, Alemanha e França, ele propôs a Argentina como fornecedora de alimentos e gás para a Europa em substituição à Rússia. “Somos grandes produtores de alimentos e somos grandes produtores de energia”, disse após seu encontro com Scholz.

Sputnik é uma agência de informação russa que se reporta diretamente a Putin e marca as posições oficiais do governo. “O nível de traição do presidente argentino em relação ao seu homólogo russo é inquestionável e incontestável“, concluem. A virulência do texto contra um presidente estrangeiro é impossível que tenha sido publicado sem a aprovação -ou solicitação- do Kremlin.

De acordo com esta nota, a virada da política internacional foi ideia do chanceler argentino Santiago Cafiero, e ocorreu após uma reunião com o secretário de Estado de Biden, Antony Blinken, em troca do apoio que desbloqueou o acordo da Argentina com o FMI.

Por isso, Putin acusa Alberto Fernández de “se vender” e coloca em xeque a relação que Cristina Kirchner levou mais de uma década para alcançar. Isso também faz com que a nova versão do Foro de São Paulo retorne com uma posição próxima aos Estados Unidos e distante do eixo Rússia-China.

Já se notou quando Lula nomeou Gerardo Alckmin como seu candidato à vice-presidência, figura que responde diretamente à Embaixada dos EUA, e quando os presidentes Gabriel Boric e Xiomara Castro manifestaram seu bom relacionamento com a vice-presidente Kamala Harris.

Continuar Lendo

Argentina

Kirchnerismo aprovou um Fundo Nacional de “fuga de dólares” para “cancelar a dívida com o FMI”

Publicado

no

O Senado deu sinal verde para a criação de um fundo nacional para captar “dólares fugitivos”, que em tese serão usados ​​para pagar dívidas com o Fundo Monetário Internacional.

Com 37 votos favoráveis ​​da Frente de Todos e 31 votos negativos da oposição, o kirchnerismo aprovou uma nova lei que cria um Fundo Nacional “para cancelar a dívida com o FMI“. A iniciativa prevê a criação de uma caixa a cargo do Ministério da Economia e apurada em dólares, que será utilizada para apoiar o pagamento dos serviços da dívida pública.

Também foi criada a “Comissão Bicameral Permanente de Acompanhamento e Controle da Gestão da Contratação e Pagamento da Dívida Externa do Congresso”, pesada rede burocrática destinada a controlar e fiscalizar os recursos captados pelo fundo em questão.

Para capturar os dólares “fugitivos” referidos no projeto, a lei pretende tributar a valorização de bens localizados no exterior sem declarar. Pretende-se tributar os bens que foram acumulados no exterior, sonegando algum tipo de imposto. O sigilo bancário foi levantado para facilitar as operações e uma série de incentivos fiscais foram concedidos para a lavagem de ativos estrangeiros.

Se o titular dos bens não declarados em causa decidir comparecer voluntariamente à entidade arrecadadora e no prazo de 6 meses, o Estado estabelecerá uma alíquota de 20% sobre o valor dos bens. Caso contrário, será imposta uma alíquota de 35%. Por sua vez, caso o usuário não compareça e a AFIP inicie um processo de fiscalização, o usuário tem a possibilidade de retratar e efetuar o pagamento em até 15 dias , caso em que pagará uma taxa de 50%.

Por essa medida, o projeto era comumente comparado a uma genuína lavagem de dinheiro encoberta, ainda que mais selvagem e improvisada em relação ao que havia sido feito em 2016. 

A AFIP permitirá que os recursos sejam pagos em uma única parcela, ou caso isso não seja possível, será estabelecido um cronograma de até 12 parcelas mensais para apresentação dos recursos correspondentes.

Do ponto de vista do Governo, o maior incentivo à lavagem de dinheiro é a captação de recursos fiscais. Somente por meio de recursos de lavagem de dinheiro, o governo Macri conseguiu captar até 1% do PIB adicional na arrecadação de impostos. O projeto do kirchnerismo visa atingir um objetivo igualmente ambicioso, embora com ferramentas menos sofisticadas para alcançá-lo.

No entanto, dada a obrigatoriedade da regulamentação, o partido no poder assegura que não se trata de branqueamento de capitais, embora os incentivos fiscais para efetuar pagamentos existam e sigam a mesma lógica de qualquer branqueamento de capitais. 

Continuar Lendo

Argentina

A inflação interanual atingiu 58% em abril, e a inflação “núcleo” já ultrapassa os 60%

Publicado

no

 A inflação argentina manteve-se elevada em abril, apesar da ligeira desaceleração para 6% no mês. Só neste ano os preços acumulam alta de 23%.

Conforme antecipado pela média das consultoras privadas, o Instituto Nacional de Estatística e Censos (INDEC) anunciou que o Índice de Preços ao Consumidor aumentou 6% em abril em relação a março. Os aumentos mensais mostraram uma desaceleração muito pequena em relação a março, quando os preços subiram até 6,7% e foi registrada a maior inflação mensal desde 1991.

A inflação interanual atingiu 58% no último mês de abril, 2,9 pontos percentuais acima da variação registrada em março passado, sendo o valor mais elevado desde janeiro de 1992. Sob o governo de Alberto Fernández, a inflação anual superou o pico de 57,2% registrado em maio de 2019 durante o governo de Mauricio Macri. Até agora, durante o governo Kirchner, a inflação subiu de 52,1% em novembro de 2019 para os atuais 58%.

De acordo com as estatísticas do INDEC, apenas nos primeiros 4 meses de 2022 os preços acumularam um aumento de 23,1%. A meta de inflação para o final do ano foi completamente obliterada pela realidade.

Vestuário e calçados aumentaram quase 10% somente em abril, os preços em hotéis e restaurantes aumentaram 7,3%, a saúde aumentou 6,4% e os alimentos e bebidas não alcoólicas aumentaram 5,9%. Esses itens registraram os maiores aumentos em abril.

A inflação interanual dividia nestes setores nos permite ver o verdadeiro impacto no poder de compra do cidadão comum fora do valor geral. Alimentos subiram 62% em relação a abril de 2021saúde 58%, hotéis e restaurantes mais de 73%, e vestuário e calçados acumularam alta de 73,4%.

O FMI projetava um limite superior de 48% interanual para dezembro de 2022, mas o Governo admite que este valor não será alcançado e que a inflação poderá fechar o ano acima dos 60%.

O chamado “núcleo de inflação”, que desconsidera a variação de preços voláteis como energia e alimentos, atingiu 6,7% em abril. Houve aumento mesmo em relação à variação de março, quando havia sido registrada alta de 6,4%. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o núcleo da inflação atingiu 60,5%.

Esses últimos números foram especialmente relevantes porque permitem negar a história apresentada por Alberto Fernández, culpando a guerra na Ucrânia e o aumento dos preços da energia pela inflação abrupta. Os dados do INDEC confirmam que, sem energia e alimentos, a aceleração inflacionária é ainda pior, contrariando assim as afirmações do partido no poder. 

Continuar Lendo

Trending