Ligue-se a nós

Bolívia

Anuncian una masiva protesta contra el régimen socialista y Evo Morales moviliza al Ejército

Publicado

no

Por orden del presidente y delfín político de Evo Morales, Luis Arce, las Fuerzas Armadas han empezado a movilizarse para “desfilar” en la misma región donde la sociedad anunció masivas huelgas y manfiestaciones contra el MAS.

Multiples organizaciones, incluido gremios, comités cívicos y grupos políticos han convocado al paro indefinido con bloqueos de carreteras para este lunes 8 de noviembre, en busca de la abrogación de la Ley 1386.

Esta “Ley de Estrategia Nacional de Lucha Contra la Legitimación de Ganancias Ilícitas” termina de manera definitiva con la presunción de inocencia, el secreto bancario, entre varios otros puntos; lo que en resumen, liquida el derecho a la propiedad privada y las libertades individuales de la ciudadanía en el país.

De manera paradójica, Eva Copa, quien lideró al Movimiento al Socialismo (MAS) desde el Parlamento mientras Evo Morales se encontraba bajo refugio argentino y gobernaba Jeanine Áñez, pero ahora se ha convertido en líder opositora, criticó duramente la ley en cuestión.

Nosotros no queremos que se malinterprete algún tipo de declaración en temas de movilización, porque el gobierno toma todo como acto de desestabilización, y no es así. Pero esta ley la vamos a rechazar“, aseguró la actual aclalde de El Alto.

Esta no es la única ley socialista que está promoviendo la dictadura de Evo Morales, que gobierna a través del presidente Luis Arce.

Otro ejemplo es la Ley 342 del Plan de Desarrollo Económico y Social, que fue sancionada en la madrugada del martes 2 de noviembre y termina con las autonomías tanto departamentales como municipales, poniendo serias restricciones a las importaciones.

Casi como un soborno, el régimen de Arce anunció que el objetivo de este plan, entre otras cosas, es establecer un programa de gasto público de 33.000 millones de dólares hasta 2025, cuando debería terminar su mandato.

“Que a nadie le quepa duda que el MAS está llevando a Bolivia hacia una ‘venezolanización’ de la economía, hacia una cubanización de nuestro país”, aseguró el diputado derechista Erwin Bazán (Creemos).

Igualmente, el Comité Nacional de Defensa de la Democracia (Conade), advirtió que esta ley “pulveriza las autonomías”, y se sumará al paro de este lunes convocado por los gremiales.

Asimismo, el presidente del Comité Pro Santa Cruz, Rómulo Calvo afirmó: “Bolivia entra en un paro indefinido el 8 de noviembre. Santa Cruz y todas sus instituciones lo van a respaldar por completo. Queremos libertad, queremos democracia. Queremos demostrarle al gobierno que queremos una Bolivia diferente. Por una Bolivia libre, que cree en Dios. Este puede ser el último round de los bolivianos”.

El presidente y delfín político del dictador Evo Morales, Luis Arce.

Arce moviliza al Ejército y opositores denuncian estrategias chavistas para enfrentar a las manifestaciones

Frente a todo este movimiento nacional de huelgas y protestas, se han observado desplazamientos inusuales de las Fuerzas Armadas desde occidente hacia oriente del país; concretamente hacia Santa Cruz, bastión de la derecha y antimasismo en Bolivia.

La justificación del régimen, es que estos desplazamientos están destinados a realizar “homenajes con una Parada Militar al vicepresidente David Choquehuanca y algunos parlamentarios“, algo sumamente inusual en Bolivia.

Se cree sin lugar a dudas que se trata de un acto de intimidación del régimen de Arce contra los movimientos cívico ciudadanos que se expresarán en contra de la dictadura de Evo este lunes.

Bolivia empieza a vivir nuevamente un clima político altamente desafiante que evoca a los 21 días de huelga pacífica que los movimientos cívicos ciudadanos llevaron adelante a nivel nacional entre octubre y noviembre de 2019, y  que decantaron en la renuncia y abandono del cargo de Morales cuando se descubrió que había cometido fraude electoral.

Desde el exilio, Evo Morales había manifestado que se arrepentía de no haber organizado “milicias armadas para defender el proceso de cambio como en Venezuela”, como aún se observa en Guarayos, y que parece que el régimen socialista ahora quiere llevar a todo el país.

Bolívia

Ditadura na Bolívia: ex-presidente constitucional Jeanine Añez foi condenada a 10 anos de prisão

Publicado

no

O Tribunal de Primeira Instância de La Paz, que responde a Evo Morales, anunciou sua decisão e Jeanine Añez torna-se a primeira prisioneira política da ditadura socialista boliviana.

A ex-presidente da Bolívia, Jeanine Añez, que chegou ao poder por sucessão constitucional, foi condenada a 10 anos de prisão pelo Tribunal de Primeira Instância de La Paz, órgão judicial dominado por militantes de Evo Morales.

Com esta decisão, o governo de Luis Arce, que segue os mandamentos do ex-presidente, consolidou-se como uma ditadura que persegue politicamente a oposição, como é o caso de países como Venezuela, Nicarágua e Cuba.

A decisão emitiu uma sentença por descumprimento de deveres e resoluções contrárias à Constituição, um argumento claramente falso, já que Añez era a 2º vice-presidente do Senado, e chegou ao poder após a renúncia do presidente Evo Morales, da vice-presidente Álvaro García Linera, do presidente da Câmara dos Deputados Víctor Borda, e a da presidente do Senado Adriana Salvatierra.

Em nenhum momento foi designada ou nomeada pelas Forças Armadas, e assumiu seu cargo por sucessão política exatamente como caracteriza a Constituição. Até o próprio Evo Morales havia dito que não estava se demitindo por pressão do Exército quando foi descoberto que ele havia cometido fraude nas eleições de 2019, mas porque os cocaleiros e as comunidades indígenas soltaram sua mão.

O Tribunal de Primeira Instância determinou que ela deve cumprir uma pena de 10 anos em uma prisão feminina em La Paz, três meses após o início do julgamento e 15 meses após a prisão arbitrária do ex-presidente.

Em sua alegação final, Añez se declarou inocente e ressaltou que o Tribunal “excluiu provas que descartaram a derrubada” de Morales em 2019.  “Nunca busquei o poder“, disse a ex-presidente, que não hesitou em dizer que é uma “preso político” de Evo Morales.

Áñez teve que enfrentar o julgamento na prisão onde está detida há mais de um ano. A princípio, o governo não deu nenhuma explicação para sua prisão, mas depois as autoridades garantiram que havia um “risco de fuga” e que sua prisão era “preventiva“.

Nesta sexta-feira em sua última declaração , Áñez questionou que lhe foi negado o “devido processo”, eles a acusaram de crimes “que ela não cometeu”, não permitiram que ela se defendesse em liberdade e que este tribunal não tinha a competência para julgá-la porque na sua qualidade de ex-presidente, tinha direito a um julgamento de responsabilidades, que também lhe negaram.

Na Bolívia, por uma lei aprovada pelo próprio Evo Morales, funcionários e ex-funcionários devem ser julgados por uma comissão do Congresso, no chamado julgamento de responsabilidades. No entanto, Añez teria sido exonerada no Congresso, já que o MAS não tem maioria absoluta, pelo que foi julgada ilegalmente em um tribunal comum.

A ex-presidente apresentou vários problemas de saúde ao longo do julgamento para solicitar a prisão domiciliar, já que na prisão não lhe foi permitido tomar remédios para hipertensão e hipotireoidismo e, segundo a OEA, violações de direitos humanos.

A ex-presidente é a primeira condenada pelos eventos que levaram à renúncia de Evo Morales da Presidência da Bolívia em 2019, em um processo que ocorreu por via ordinária e sem violar a Constituição.

No entanto, depois que o MAS voltou ao poder, uma caça às bruxas foi lançada para prender todos os líderes da oposição. Funcionários do governo Añez, como seu chefe de gabinete ou seu ministro da Defesa, perceberam o que estava acontecendo e se exilaram nos Estados Unidos. Mas o ex-presidente decidiu ficar e até tentou ser candidato a governador de Beni, mas ficou em segundo lugar.

Finalmente, outros líderes da oposição que o MAS queria prender são os direitistas Fernando CamachoMarco Pumari e Manfred Reyes Villa, mas eles conquistaram cargos públicos nas eleições subnacionais do ano passado e obtiveram privilégios políticos.

Continuar Lendo

Bolívia

Endividamento insustentável: dívida pública da Bolívia chegará a 80% do PIB este ano

Publicado

no

O endividamento do Estado boliviano começa a dar sinais de insustentabilidade. O déficit fiscal cresceu quase continuamente desde 2014 e, em 2020, atingiu o nível mais alto desde 1985.

O desequilíbrio das finanças públicas da Bolívia continua se aprofundando, e a forma de fechar a lacuna entre receitas e despesas foi o endividamento interno e externo. Um relatório recente do Banco Mundial estima que a dívida pública consolidada da Bolívia chegará a 80% do PIB em 2022. O número inclui todos os níveis do Estado, incluindo o Banco Central e as empresas estatais.

Embora o endividamento entre 2020 e 2021 responda a um programa de assistência financeira semelhante ao que ocorreu em todas as partes do mundo devido à pandemia, a Bolívia arrasta um legado de fortes desequilíbrios fiscais desde 2014.

déficit financeiro do setor público consolidado marcou um vermelho de 2,54% do PIB em 2014, aumentou para 6% em 2015, 6,7% em 2016, 7,4% em 2017, 8,3% em 2018, 7,2% em 2019 e atingiu 9,7% do PIB em 2020Este último valor foi o mais alto desde 1985, quando o país passava por uma profunda reforma estrutural na economia.

O tamanho do gasto público da Bolívia está nos níveis mais altos desde as reformas dos anos 1980, como herança do governo socialista de Evo Morales. O tamanho do Estado ultrapassou 44% do PIB em 2015 (número semelhante à Alemanha e Noruega), e fechou o ano de 2020 em 38% do PIB. Apesar do ajuste fiscal, o tamanho do Estado continua impossível de financiar.

A economia boliviana mantém uma alta dependência dos movimentos dos preços dos bens comercializáveis ​​exportáveis. Com o fim do boom de matérias-primas, o sistema tributário não pôde continuar a sustentar os grandes superávits que havia retido entre 2005 e 2012. Mas, diferentemente da instabilidade na arrecadação de impostos, o gasto público foi muito mais inflexível para baixo.

Em vez do uso da política monetária (que permaneceu em grande parte independente), o Governo da Bolívia fez uso do endividamento. O Banco Central da Bolívia estima que a dívida pública total atingiu 36,1% do PIB em 2013, e subiu para 56,5% em 2019 (antes da pandemia), para depois subir novamente brutalmente para 67,3% do produto em 2020 e quase 80 % na projeção para 2022.

Dada a falta de um mercado de capitais capaz de fornecer crédito suficiente, o Estado boliviano teve que fazer um maior uso da poupança externa para fechar suas lacunas fiscais. A dívida pública externa passou de US$ 2.505 milhões em 2008 para US$ 12.589 milhões em julho de 2021.

A dívida interna manteve-se em níveis relativamente constantes até 2017, mas começou a aumentar exponencialmente a partir de 2018 devido ao agravamento do rating de crédito externo. Este fato limitou a quantidade de títulos que poderiam ser colocados no exterior.

A dívida interna aumentou de US$ 4.474 milhões em 2017 para US$ 13.685 milhões em 2021. Desta vez, acrescenta-se um efeito recessivo em função da falta de crédito para o desenvolvimento do setor privado. Assim como na Argentina, o Estado boliviano absorve uma parcela cada vez maior do crédito local. 

Continuar Lendo

Bolívia

Governo da Bolívia estagna a economia e proíbe o uso de criptomoedas no país

Publicado

no

Em novo comunicado emitido pelo Banco Central da Bolívia, a nova proibição foi decretada, com base no fato de que visa proteger a população de fraudes e golpes. A medida surge após inúmeras tentativas de regular e eliminar a venda e negociação de criptoativos que ocorreram no país nos últimos 5 anos.

O anúncio foi feito pelo Banco Central da Bolívia em conjunto com a Autoridade Supervisora ​​do Sistema Financeiro. A partir desta semana, todas as negociações, transações e o uso de criptomoedas estão proibidos no país.

Por meio de comunicado administrativo, ambas as instituições, responsáveis ​​pela condução da política econômica e monetária do país, eliminaram do mercado as transações com esse tipo de ativo, argumentando que não são dotadas de segurança e suporte, podendo levar a fraudes. Resumindo, eles tornaram seu curso ilegal no país.

A mesma declaração recorda ainda que as operações reconhecidas e garantidas pelo sistema financeiro são as que o próprio banco central autoriza ou, na sua falta, as que provêm e têm a garantia de um Estado, zona económica ou grupo de países, prévia autorização do banco central.

O uso de meios alternativos para transações, e suas formas regulatórias, tem sido dificultado desde a chegada de Evo Morales e sua mudança de Constituição em 2009. Neste texto legal, o Estado recebeu poderes especiais para regular o sistema econômico do país. Entre as disposições está a possibilidade de congelamento de impostos cambiais, emissão de moeda com o consentimento do Banco Central e a criação de monopólios estatais sobre itens produtivos e em torno do uso de uma moeda específica.

Artigo 328. I. São atribuições do Banco Central da Bolívia, em coordenação

com a política econômica determinada pelo Poder Executivo, além das indicadas

pela lei:

1. Determinar e executar a política monetária.

2. Executar a política de troca.

3. Regular o sistema de pagamentos.

4. Autorizar a emissão de moeda.

5. Gerenciar reservas internacionais.

Paradoxalmente, a proibição das criptomoedas viola um dos objetivos traçados pelo Estado boliviano em sua Constituição, como promover o desenvolvimento de micro, pequenas e médias empresas, já que existem algumas startups cujo capital se baseia justamente nesses ativos, que será difícil mudar e se adaptar ao novo arranjo.

O governo Arce parece estar tentando criminalizar a posse ou negociação de criptomoedas e está disposto a fechar a porta para todas as empresas e corretores que alegam fornecer serviços relacionados.

Analistas econômicos observam que o fim do governo gira em torno dos interesses fiscais que o reajuste dos empreendimentos com ativos digitais pode representar. Pois bem, transferir seus capitais para moedas reconhecidas e regulamentadas pelo banco central implica em submissão à carga tributária do sistema financeiro boliviano, que ainda é um dos mais pesados ​​da região.

“A economia precisa entrar nesse novo sistema de avanço digital. (…) A percepção deve ser mudada e levar em conta que o atual sistema financeiro está se tornando obsoleto. O problema é uma questão de regulação onde o Estado, que se preocupa com a parte fiscal, deve propor regulações diferentes que não tenham uma posição fechada”, destaca César Salamanca, economista boliviano.

No entanto, espera-se que o efeito dessa nova regra seja o oposto do que o governo boliviano busca. Muitas empresas, principalmente pagamentos de serviços online, usam e planejam usar criptomoedas para facilitar as transações com seus usuários. Aquelas que implicam na falta de formalização dos investimentos no país, inutilizando as encomendas que vêm do governo.

Em vez de se abrir para novas formas ou métodos de geração de riqueza e se adaptar às mudanças na economia global, o governo comunista de Arce pretende fechar ainda mais a frágil e informal economia de seu país. Isso, longe de dar segurança aos trabalhadores, um dos objetivos de seu governo, incentiva o crescimento dos investimentos no mercado ilegal. Enquanto outros países adaptam as criptomoedas aos seus sistemas econômicos, a Bolívia os distancia e se isola do mundo novamente.

Continuar Lendo

Trending