Ligue-se a nós

Colômbia

Colombia capturó a “Otoniel”, jefe del Clan del Golfo y el líder narco más buscado desde Pablo Escobar

Publicado

no

Fue arrestado en medio de la selva del Urabá Antioqueño por un operativo militar sin precedentes. “Este golpe solamente es comparable con la caída de Pablo Escobar”, aseguró el presidente Iván Duque sobre la captura.

Buenas noticias llegan desde Colombia. El Ministerio de Defensa confirmó esta tarde la captura del máximo cabecilla del Clan del Golfo, Dairo Antonio Úsuga David, alias “Otoniel”. Según las primeras informaciones, la detención del líder narco se logró durante un operativo conjunto de Policía, Ejército y Fuerza Aérea.

Efectivos de dichas instituciones habrían llegado a la vereda San Pablo, de Necoclí, en el Urabá Antioqueño hace tres días en el marco de la operación Agamenón, con el objetivo de dar captura al que era hasta hoy el criinal más buscado del país, con por lo menos 120 procesos judiciales abiertos, una orden de extradición hacia los Estados Unidos y una circular roja de la Interpol.

Los militares finalmente dieron con su captura esta tarde en el Cerro del Yoki, zona rural perteneciente al corregimiento de El Totumo, también en Necoclí. En Colombia solamente tiene cargos por homicidio múltiple agravado, secuestro múltiple agravado, narcotráfico y concierto para delinquir.

El presidente Iván Duque comparó su captura a la del líder narco más paradigmático de la historia colombiana, Pablo Escobar. “Este es el golpe más duro que se le ha propiciado al narcotráfico en este siglo en nuestro país y este golpe solamente es comparable con la caída de Pablo Escobar en los años 90. Alias Otoniel era el narcotraficante más temido en todo el mundo, asesino de policías, de soldados y de líderes sociales”, dijo Duque.

Le prometimos a Colombia que capturaríamos a este bandido y lo cumplimos”, dijo el primer mandatario, recordando que las autoridades colombianas llevan por lo menos una década buscando darle captura a alias Otoniel, y que también había sido una promesa de su campaña. 

“Que sea también esta una ocasión para recordar al intendente Edwin Guillermo Blanco, quien falleció en esta operación. Lo recordaremos siempre como un héroe que llevó también con su trabajo a este gran golpe”, agregó.

Según lo declarado por el jefe de Estado, la operación contó con “la más importante inserción en selva que se haya visto en la historia militar de nuestro país”. La misma contó con un frente de inteligencia articulado en el que las distintas instituciones compartieron piezas clave de información para permitir la captura de Otoniel.

“Logramos que nuestro equipo de fuerzas especiales, con el comando conjunto de operaciones especiales, con esta inteligencia compartida, llegara hacia un territorio tan difícil y tan complejo”, concluyó el mandatario.

Alias Otoniel es trasladado hacia Medellín por miembros de las Fuerzas Militares. / Ejército NacionalAlias Otoniel es trasladado hacia Medellín por miembros de las Fuerzas Militares, luego de ser capturado.

El operativo

Bien lo explicaba el mes pasado el comandante de la Policía Nacional, Jorge Luis Vargas, cuando advertía que: “Otoniel se mantiene en zona selvática de difícil acceso y tenemos operaciones de inteligencia militar para dar con su paradero y posterior captura. Este delincuente no va a casas y permanece en selva virgen y esto representa el reto de la ubicación de él, no está utilizando celulares y evita cualquier comunicación y todo lo realiza con mensajeros personales y de forma física”.

El comandante Vargas también había señalado en su momento que “por él se ofrecen hasta 5 millones de dólares de parte del gobierno de los Estados Unidos, que colabora de la mano de las autoridades colombianas en la captura de este delincuente para llevarlo ante las autoridades internacionales ante el Distrito Sur de la Florida, o la captura en Colombia. El gobierno de Colombia ofrece hasta 3.000 millones de pesos por su captura”.

Otoniel fue capturado en el marco de una operación especial bautizada con el nombre “Osiris”. El comandante de las Fuerzas Armadas, el general Luis Fernando Navarro, dio algunos detalles del operativo,

“Nos fuimos colocando de manera estratégica en el terreno. Esta era una operación que teníamos en diferentes fases y fuimos entendiendo de mejor manera los cambios de ritmo. Cada vez el bandido iba perdiendo más su esquema de seguridad y además lo estábamos induciendo con las maniobras a cometer errores”.

Foto: Ejército NacionalFoto: Ejército Nacional

Igualmente, explicó que la Operación Osiris se planeó definitivamente el pasado 15 de octubre, durante una reunión nocturna en una guarnición de Bogotá, en la que participaron oficiales de inteligencia de la Policía y los oficiales de planeación de Operaciones Especiales de las Fuerzas Militares.

“Ya teníamos cómo desarrollar y romper el último anillo de seguridad de este bandido. Se toma la decisión y este viernes acopiamos todos los recursos y se lanza la operación en la madrugada. Una cantidad de tropas importantes, más de 500 hombres de fuerzas especiales del Ejército Nacional, infantería de marina bloqueando los corredores fluviales, la Fuerza Aérea dándonos toda la cobertura con sus plataformas de inteligencia y moviendo tropas desde diferentes zonas del país; 22 helicópteros de la fuerza pública de transporte y de apoyo aéreo cercano”, agregó el general Navarro.

El éxito, continuó, consistió en mantener la operación en secreto para dar un golpe sorpresa, en el que el Ejército mantuviera el ritmo y la iniciativa para cortarle a Otoniel la oportunidad para contactarse con sus redes de apoyo. Gracias a esto, la captura se dio finalmente hacia las 3 de la tarde.

El jefe del Clan del Golfo contaba con ocho anillos de seguridad distanciados entre uno y dos kilómetros entre sí. Tras esto, se comenzó un trabajo de rastreo satelital para el que se contó con apoyo de agencias de Estados Unidos y Reino Unido y 50 expertos en inteligencia de señales que permitieron identificar maneras de obligarlo a salir de su escondite.

“En múltiples ocasiones le informamos a los colombianos que se encontraba en la zona del Nudo de Paramillo. Con esto empezamos a recibir información de inmediato de fuentes humanas que permitieron entender cómo estaba moviéndose, no llegaba a ninguna casa; viendo las condiciones en que fue la captura, estábamos en lo correcto sobre la forma de operación: durmiendo en condiciones de lluvia, sin acercarse a residencias, tenía un plato favorito que es un animal propio de las selvas del Urabá antioqueño y de la frontera con Córdoba”.

“Inteligencia de nuestras fuerzas, con una ubicación exacta de tres asaltos sobre el anillo en donde estaba y desde esta mañana teníamos la claridad del sitio en donde iba a salir, y así ocurrió. Tenemos unas fuerzas absolutamente profesionales con un sistema de inteligencias con alta tecnología, y hoy podemos decir, orden cumplida”.

De esta manera, Duque declaró el final del Clan del Golfo, insistiendo en que se trata del golpe más importante que se le ha dado al narcotráfico en lo que va del Siglo XXI.” Tendría que ser el fin de esta organización que tanto daño le ha causado a los colombianos“.

Colômbia

Colômbia cai nas garras do comunismo: ex-terrorista Petro vence as eleições e será o novo presidente

Publicado

no

O ex-líder do M-19, Gustavo Petro, derrotou o empresário do centro Rodolfo Hernández, que não conseguiu diminuir a diferença na votação.

Às 17h deste domingo, 19 de junho, a diferença de votos tornou-se irrecuperável e, pela primeira vez na história da Colômbia, um candidato à presidência abertamente de esquerda venceu as eleições.

Com mais de 11,2 milhões de votos (50,5%), o ex-guerrilheiro Gustavo Petro, candidato do Pacto Histórico, derrotou o empresário Rodolfo Hernández, que não conseguiu convencer nem o eleitorado de direita nem o mais moderado, e foi derrotado com 10,5 milhões de votos (47,3%).

Houve um recorde de quase 800 mil votos em branco/nulos, que superou a diferença entre os dois candidatos, o que marcou a vitória do comunista, que na reta final da campanha convocou o centro para votar em branco, estratégia que acabou beneficiando ele.

Rodolfo Hernández , apelidado erroneamente de “Trump colombiano”, fez campanha como um outsider populista antes do primeiro turno, com propostas muito interessantes, que lhe renderam um lugar nas urnas.

No entanto, em uma notória contratação de um consultor de marketing político para enfrentar a campanha pelo segundo turno, Hernández moderou seu discurso e começou a falar sobre questões que geravam rejeição nos eleitores conservadores, principalmente em vídeos que começou a postar no Tik Tok e Twitter.

Por exemplo, ele ratificou seu apoio à legalização das drogas , uma proposta que caiu muito mal em um país como a Colômbia, dominado pelo narcotráfico até Uribe chegar ao poder.

Além disso, expressou sua intenção de fazer um acordo de paz com o grupo guerrilheiro comunista ELN, que está em guerra com o Estado colombiano desde a década de 1960 e é responsável pela morte de dezenas de milhares de colombianos, incluindo a filha do Hernandez.

Uma parte do eleitorado conservador de Uribe, que no primeiro turno deu mais de 5 milhões de votos ao candidato de centro-direita Fico Gutiérrez, não acompanhou Hernández na votação, materializando um claro desinteresse neste segundo turno eleitoral.

O agora presidente eleito, Gustavo Petro, tem um passado infeliz na guerrilha M-19. Este grupo realizou vários ataques terroristas, matando civis e soldados durante seus anos de operação, entre 1977 e 1991, quando assinou a paz com o Estado colombiano.

Nessa assinatura de paz, Petro, cujo pseudônimo de guerrilheiro era “Aurelian“, do Coronel Aureliano Buendía, personagem do romance “Cem Anos de Solidão“, do colombiano Gabriel García Márquez, e que havia sido preso por suas atividades terroristas, ele recuperou seus direitos políticos e foi autorizado a concorrer à eleição.

Gustavo Petro: a passagem pela guerrilha M-19 do candidato à Presidência da Colômbia
Gustavo Petro ainda jovem, na década de 1980, como um dos líderes do M-19.

Nesse mesmo ano entrou como deputado por Cundimarca e depois renovou em 1998, mas desta vez por Bogotá. A mudança de jurisdição não foi acidental, pois em 2006 foi eleito senador pela capital e depois em 2012 apresentou e venceu as eleições como prefeito.

Seu mandato foi marcado por denúncias de corrupção, chegando a ser demitido do cargo em 2014 por um mês, até ser reintroduzido pela Justiça. Em 2015 completou seu mandato com baixos índices de aprovação, e ficou alguns anos afastado da política, até que em 2018 se apresentou como candidato à presidência.

Apesar do fracasso eleitoral, perdendo uma votação para o atual presidente Iván Duque, entrou como senador e começou a tecer a montagem do Pacto Histórico, onde seu partido, Colombia Humana, uniu forças social-democratas, ambientalistas e indígenas, agrupando toda a esquerda colombiana sob sua candidatura.

O futuro da Colômbia pelos próximos 4 anos estará nas mãos de um verdadeiro comunista, um velho amigo de Hugo Chávez e um admirador de Fidel Castro. Será a primeira vez na história que a Colômbia terá um presidente de esquerda, principalmente depois dos últimos 20 anos de uribeísmo.

Ironicamente, sua candidatura teve o apoio da Embaixada dos Estados Unidos, que preferiu um ex-guerrilheiro comunista a um “anti-político” como Rodolfo Hernández.

Entre suas propostas, destaca-se que o Petro é fiel aderente à Agenda 2030, e propõe uma transição energética da matriz dependente de petróleo e carvão para energias renováveis. “Vamos acabar com o extrativismo, vamos proibir a exploração e exploração de jazidas não convencionais, vamos parar os projetos de fracking e o desenvolvimento de jazidas offshore”, disse em campanha.

Também promove o aborto, ideologia de gênero, cotas para movimentos indígenasnacionalização de recursos naturais e outras medidas que a Casa Branca democrata começou a ver positivamente desde que Biden chegou ao poder em 2021.

No entanto, também possui as medidas mais clássicas do comunismo. A proposta central de seu programa é uma “reforma agrária e aquariana” para avançar em termos de “igualdade na posse e uso da terra”, garantindo o “direito à terra para as famílias rurais”.

Para conseguir essa reforma agrária, serão desencorajados os “multifúndios improdutivos em terras férteis” por meio de impostos de até 80%.

“Vamos propor ao proprietário do latifúndio improdutivo que ative a produção de sua terra, pague os impostos correspondentes ou, em última instância, a venda ao Estado para que este a entregue às comunidades rurais ”, diz  o programa.

Petro propõe um grande número de expropriações, mas tem insistido em declarações recentes que prefere usar a palavra “democratização”. “Nunca pronunciei a palavra expropriação”, disse durante o debate com ‘Fico’ Gutiérrez, embora não tenha se recusado a “democratizar” empresas, terras ou recursos naturais.

Em abril, Petro assinou um documento em frente a um cartório no qual promete não desapropriar os ativos colombianos, mas, novamente, seu plano de governo usa a palavra “democratizar” para o que é na prática, pura e simplesmente, expropriações.

O Petro também propõe a substituição de importações , por meio de uma “política tarifária inteligente que estimule a vida, a geração de valor agregado, a competitividade e a indústria nacional”. Isso gerará um aumento nos preços internos e uma escassez de bens que não são produzidos localmente, como a Argentina experimentou nos últimos 20 anos.

Assim, o Petro propõe rever os Acordos de Livre Comércio, a política de direitos de propriedade intelectual e as condições existentes para o investimento estrangeiro, e antecipa que irá revogar todos os acordos que não estejam de acordo com a sua visão “humanista” do país.

Também propõe subsídios ao desemprego, aumento do salário mínimo e uma expansão brutal do emprego público. “O Estado atuará como empregador de último recurso, oferecendo emprego a quem pode e quer trabalhar, mas não consegue emprego no setor privado, beneficiando principalmente os desempregados, jovens, mulheres, trabalhadores informais, economias populares e territórios”, afirmou no texto do governo.

No cerne das políticas económicas propostas pelo Petro está a promessa de avançar para a “justiça fiscal com impostos progressivos e equitativos ”, com destaque para “ir atrás dos sonegadores ” e “eliminar todos os benefícios fiscais”.

Petro diz que espera  aumentar a arrecadação em 5,5% do PIB, uma estimativa terrível que não leva em conta o efeito Laffer, que indica que quanto maior a carga tributária, um percentual da população sairá do mercado formal e deixará de pagar impostos.

Por último, o Petro propõe subsidiar um sistema de saúde “público e universal”, em que o acesso e a qualidade da prestação não dependam da capacidade de pagamento dos clientes, segundo o programa. Analistas econômicos asseguram que se este ponto do programa for implementado, o Estado colombiano entrará em falência antes do final do mandato.

Continuar Lendo

Colômbia

Eleições na Colômbia: O comunista Petro e o populista Rodolfo Hernández vão para o segundo turno

Publicado

no

Pela primeira vez desde que chegou ao poder, há 20 anos, o candidato de Uribe não chega ao segundo turno na Colômbia. A votação será no dia 19 de junho.

Como todas as pesquisas previam e com a direita dividida, o comunista e ex-guerrilheiro Gustavo Petro saiu em primeiro lugar nas eleições gerais colombianas deste domingo (29), com 40,3% dos votos, mas não foi suficiente para vencer no primeiro turno e terá que disputar novamente com Rodolfo Hernández pela cadeira do Executivo.

Apesar de muitas pesquisas anteciparem um segundo turno contra o candidato da conservadora Seleção pela Colômbia, que contou com o apoio do histórico ex-presidente e senador Álvaro UribeFico Gutiérrez obteve o pior resultado da história do Uribismo.

Fico obteve apenas 23,9% dos votos, e ficou em terceiro lugar, perdendo o lugar no segundo turno para Rodolfo Hernández, empresário multimilionário com discurso contra a casta política e amplamente considerado o outsider desta eleição, que obteve 28,2% dos votos.

A votação acontecerá em 19 de junho e terá um confronto sem precedentes na política colombiana. Nenhum dos candidatos é apoiado pelo histórico Partido Conservador, Partido Liberal ou Centro Democrático.

A esquerda alcançou seu melhor resultado eleitoral da história da Colômbia, o único país da América Latina que nunca foi governado por um partido filiado ao Foro de São Paulo.

No entanto, a traição do ex-presidente Juan Manuel Santos ao Uribismo deu poder à esquerda com o acordo de paz de 2016 que teoricamente desarmou os guerrilheiros das FARC.

Desde que Uribe chegou ao poder em 2002, a Colômbia sempre foi governada por pessoas de seu círculo íntimo. Uribe colocou o Santos em 2010, e também foi Uribe quem apoiou Iván Duque em 2018. Mas esses últimos 4 anos foram tão desastrosos para o Uribismo, que pela primeira vez na história, o apoio de Uribe nem ao seu candidato não foi o suficiente para levá-lo ao segundo turno.

Rodolfo Hernández: O Trump colombiano?

Muitos meios de comunicação foram rápidos em apelidar Hernández de “Trump colombiano”, e certamente existem algumas semelhanças, embora suas agendas sejam completamente diferentes.

Ambos se tornaram milionários no setor privado com carreiras de sucesso na construção. Hernández é proprietário da Constructora HG, empresa do ramo que lhe rendeu uma fortuna avaliada em 100 milhões de dólares.

Por sua vez, Hernández tem um discurso muito forte contra a corrupção e o crime, e falou em várias ocasiões de “drenar o pântano” de Bogotá. Ele nem mesmo participou dos debates presidenciais, pois disse que não queria ficar ao lado de “duas castas políticas corruptas”, referindo-se a Petro e Fico Gutiérrez.

Hernández não usa a linguagem típica da política que cansa os colombianos. Durante a campanha ele acusou seus detratores de “canalhas“, “ladrões” e até “drogados“. Questionado sobre isso, ele assegurou sem hesitar: “Uso palavrões porque é espontâneo, porque sou natural, porque aqui nas reuniões de amigos falamos assim“, disse ele à mídia local Minuto 30.

Aos 77 anos, sua única incursão política anterior foi em 2016, quando concorreu e venceu a eleição para prefeito de Bucuramanga, uma cidade extremamente próspera do norte da Colômbia com uma das bases eleitorais mais de direita do país.

Lá, porém, fez um governo com uma economia muito voltada para a assistência social. Do gabinete do prefeito ordenou a construção de milhares de casas, escolas, parques, áreas esportivas, iluminação pública, infraestrutura para mobilidade e centros culturais.

Agora, na sua agenda, propõe baixar o  Imposto sobre o Valor Agregado  (IVA) de 19% para 10%, reduzir a folha de pagamento do Estado e eliminar alguns impostos impopulares como o 4×1.000. Mas ele também diz que vai promover subsídios aos menos favorecidos e vai criar um subsídio para baixar as tarifas de pedágio.

Hernández confirmou recentemente que rejeita completamente o fracking na Colômbia. Em um recente debate presidencial sobre a economia, ele disse que continuaria com o desenvolvimento de projetos-piloto para a exploração do fracking “se cumprirem as condições ambientais”.

O empresário se opõe ao aborto, mas apoia a legalização da maconha, embora diga que vai criar centros de atendimento para viciados em drogas, chegando a dizer que a Colômbia produz a “melhor” do mundo.

Sem dúvida, Hernandez não pode ser comparado com Trump, que tem uma agenda mais forte em direção ao direito de livre mercado. Para o contexto latino-americano, talvez seja melhor compará-lo a figuras como Nayib Bukele em El Salvador, Franco Parisi no Chile ou Rodrigo Chaves na Costa Rica.

Uma das questões que talvez mais preocupasse o eleitorado de direita é sua posição sobre as FARC. Hernández é uma vítima reconhecida da guerrilha comunista. As FARC sequestraram e torturaram seu pai e o ELN sequestrou e assassinou sua filha em 2004, chegando a fazer campanha pública em 2016 contra o acordo de paz. No entanto, agora disse estar de acordo com o cumprimento dos pactos assinados entre o Governo e as FARC, e acrescentou que quer prorrogá-lo com o ELN.

“Disse e prometo que esta guerrilha vai aderir ao compromisso assumido com as FARC, o que acontece é que não o cumpriram e o Governo não o cumpriu integralmente. Vou acrescentar um adendo ao ELN para que aceite essas condições e sinais, porque não posso transferir minha tragédia para o povo colombiano. A Colômbia precisa de tranquilidade para poder trabalhar”, disse o candidato.

Em seu plano de governo, ele explica essa “outra coisa” como um mero procedimento administrativo, que não exigirá armas “novas mesas de negociação que envolvam conversas intermináveis” ou um plebiscito. Isso gerou rejeição em boa parte da direita colombiana, e boa parte de quase 24% da Fico pode ser explicada por isso.

Olhando para o segundo turno, espera-se que as forças de centro-direita e o Uribismo apoiem Hernández, talvez exigindo uma postura mais firme contra o ELN em troca de apoio eleitoral.

Continuar Lendo

Colômbia

Colômbia e Reino Unido assinam acordo de livre comércio que beneficia ambos os países

Publicado

no

O primeiro-ministro Boris Johnson e o presidente Iván Duque formalizaram um novo acordo de livre comércio. Tendo deixado a União Europeia, o Reino Unido busca se abrir ainda mais ao comércio internacional.

O Reino Unido continua a aprofundar os seus laços com o comércio internacional, pelo que a sua saída da União Europeia não implica um cunho protecionista. O presidente Iván Duque e o primeiro-ministro Boris Johnson concordaram em formalizar um acordo de livre comércio.

Esse tratado já havia sido assinado em 15 de maio de 2019, mas não tinha validade legal e precisava ser formalizado. A Ministra do Comércio da Colômbia, María Ximena Lombana, assegurou que o TCL entrará em vigor dentro de algumas semanas para sustentar os últimos detalhes de natureza meramente técnica.

Com esta nova incorporação, a Colômbia manterá o livre comércio com os países da Aliança do Pacífico, União Européia, Canadá, Chile, Coréia, Costa Rica, Estados Unidos, Israel, os países membros do Mercosul, México, El Salvador, Honduras, Guatemala, e agora o Reino Unido.

Por seu lado, o Reino Unido manterá o comércio livre com os países da Aliança do Pacífico, a União Europeia (o Brexit não significou nenhuma mudança), Canadá, Suíça, Ucrânia, Camarões, África Oriental e Austral, Gana, Quénia, Marrocos, Tunísia, Israel, Japão, Vietnã, Coréia, México, América Central, Equador, Peru, Chile, Guiana e agora Colômbia, entre outros países. Cada um dos 38 acordos do Reino Unido foi assinado entre 2019 e 2022, então o Brexit não representou uma agenda protecionista.

O TCL entre a Colômbia e o Reino Unido supõe a eliminação da maioria das barreiras quantitativas às importações, exceto aquelas vinculadas às normas sanitárias e higiênicas. Por sua vez, as tarifas MFN recebidas por ambos os países são reduzidas à sua expressão mínima.

A rigidez regulatória para a mobilidade de capitais entre os dois países também é flexibilizada, favorecendo o movimento de investimento estrangeiro direto. Isso é de vital importância para amortecer a instabilidade da conta capital e financeira em cada país.

Entre outros grandes benefícios, as barreiras comerciais são erradicadas ou minimizadas para o agronegócioindústria automobilística, indústria de softwareserviços financeiros e créditosetor de energia e infraestrutura, entre muitos outros que foram classificados como “setores estratégicos” pelo tratado.

O acordo de livre comércio também favorecerá um notável aumento de produtividade em ambos os países, baseado no desenvolvimento de economias de escala. Cada país terá um mercado maior para produzir o que é relativamente mais produtivo e, assim, obter uma maior variedade de bens e serviços a preços mais baixos do que antes do livre comércio. 

Continuar Lendo

Trending