Ligue-se a nós

Rússia

Com Kiev cercada, Zelensky concorda em se encontrar com Putin: Que condições a Rússia estabelecerá?

Publicado

no

O encontro acontecerá na fronteira com a Bielorrússia, aliada do Kremlin, mas que já foi o centro de uma mesa de diálogo entre os dois países. Os requisitos de Putin para aceitar a rendição da Ucrânia.

O presidente da Ucrânia, Volodimir Zelensky, anunciou neste sábado em seu canal Telegram e depois repetiu à imprensa que concordou em se encontrar com o presidente russo, Vladimir Putin, na fronteira com a Bielorrússia. 

Embora os ucranianos estejam montando uma defesa extraordinária que surpreendeu o Kremlin, o Exército russo já cercou a capital, e não há escapatória caso Putin decida lançar uma invasão que acabe de vez com Kiev.

O encontro de Zelensky com Putin aconteceria em Gomel, Bielorrússia, perto da fronteira com a Ucrânia. Segundo a mídia oficial de Moscou, a informação foi confirmada pelo representante da delegação russa, Vladimir Medinski.

Um tanto cinicamente, Medinski afirmou que o território escolhido para iniciar as rodadas de negociações “é o mais adequado para sua neutralidade” e onde “será garantida a máxima segurança para o lado ucraniano”. 

A Bielorrússia é um estado fantoche do Kremlin e suas forças armadas aderiram à invasão. Zelénski havia rejeitado ofertas anteriores para se encontrar naquele país governado com mão de ferro pelo ditador comunista Aleksandr Lukashenko, o último líder soviético que ficou de pé após a queda da URSS, mas a situação chegou a um ponto de ruptura.

Os dois últimos conflitos entre a Rússia e a Ucrânia foram resolvidos em Minsk, capital da Bielorrússia, mas em ambas as ocasiões os acordos não duraram muito e os confrontos foram retomados. “Desta vez, dizemos: Minsk não. Outras cidades podem ser uma plataforma de encontro, claro, queremos a paz, queremos nos encontrar, queremos o fim da guerra. Varsóvia, Bratislava, Budapeste, Istambul, Baku – tudo isso propusemos ao lado russo“, disse o presidente ucraniano.

O porta-voz presidencial russo, Dmitri Peskov, disse que imediatamente após as Forças Armadas russas cercarem Kiev na manhã de domingo, Lukashenko teve uma conversa telefônica com Zelensky.

“Depois disso, o presidente Lukashenko dirigiu-se ao lado russo, o presidente Putin, com o pedido de não retirar a delegação russa porque foram recebidos sinais do lado ucraniano, expressando sua disponibilidade para negociar na cidade. Gomel”, observou Peskov, acrescentando que o lado russo “está totalmente pronto para as negociações“. Tudo isso foi dito em declarações à mídia oficial russa RIA Novosti.

Pouco depois, o gabinete do presidente da Ucrânia confirmou a versão russa e informou que eles concordaram que a delegação ucraniana se reuniria com o lado russo “sem pré-condições” perto do rio Pripyat. Embora o comunicado não esclareça que Zelénski participará da delegação, é altamente provável que, após estabelecer uma mesa de negociação preliminar, tanto Putin quanto o presidente ucraniano se encontrem pessoalmente naquele local.

“Alexander Lukashenko assumiu a responsabilidade de que, durante a transferência, negociações e retorno da delegação ucraniana, todos os aviões, helicópteros e mísseis, implantados em território bielorrusso, permaneçam no solo, além de garantir a segurança tanto da delegação ucraniana quanto como russo”, lê-se no comunicado.

O que Vladimir Putin pedirá?

Na Ucrânia especulam que a Rússia vai pedir para anexar várias províncias, além de Donetsk e Lugansk que já controlam, poderiam manter KharkivSumyKherson e Zaporizhia.

No entanto, fontes próximas ao Kremlin dizem que Putin não quer continuar na fronteira com uma Ucrânia que poderia se juntar à OTAN a qualquer momento. Portanto, a mídia russa disse que Putin vai pedir para dividir o território da Ucrânia em dois, “numa espécie de Alemanha Oriental e Alemanha Ocidental”.

Na “Ucrânia Oriental“, que faria fronteira com a Rússia, ficaria Kiev, onde Putin planejaria instalar um governo fantoche que apoia a desmilitarização e rejeita qualquer aliança com a OTAN.

Por sua vez, na “Ucrânia Ocidental”, que teria sua capital em Lviv, importante cidade fronteiriça com a Polônia, permaneceria o governo de Volodimir Zelenski, que continuaria o mandato da atual Ucrânia unida e continuaria com a mesma estrutura de governo que teve até agora.

A diferença com a divisão da Alemanha é que, nesta ocasião, muitos dos que permaneceriam no país fantoche da Rússia são, na verdade, descendentes de russos. Na Alemanha do pós-guerra, todos eram alemães.

Qualquer que seja o pedido de Putin, é claro que está ligado ao levantamento das sanções que o Ocidente decretou esta semana contra a Rússia, um ponto que autoridades do Kremlin dizem ser excludente.

Divisão que há rumores de que Putin vai pedir. Em verde os territórios que se tornarão oficialmente parte da Rússia.

Rússia

Putin e Erdogan concordam em assinar contratos em rublos para pagamentos de fornecimento de petróleo e gás

Publicado

no

A partir do próximo mês, todos os pagamentos dos 26 bilhões de metros cúbicos de gás por ano e cerca de 58 milhões de barris de petróleo bruto por ano serão pagos em rublos.

Após uma cúpula na cidade russa de Sochi na sexta-feira (5), o presidente Vladimir Putin e seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, concordaram a partir de agora em estabelecer pagamentos para o fornecimento de petróleo e gás russo em rublos, de acordo com o comunicado pelo ministro russo Alexander Novak.

Estamos gradualmente passando para o pagamento em moeda nacional, e alguns fornecimentos já serão pagos em rublos russos”, destacou o vice-primeiro-ministro russo, Alexander Novak, após a reunião. “Esta é uma nova etapa que abre novas oportunidades, inclusive para o desenvolvimento de nossas relações monetárias”.

A estatal russa Gazprom fornece à Turquia um total de 26 bilhões de metros cúbicos de gás por ano e cerca de 58 milhões de barris de petróleo bruto por ano. Nesse sentido, salientou que a cooperação energética é a principal área de cooperação entre as duas nações.

A Turquia depende da Rússia para 45% de sua demanda de gás natural, 17% de seu petróleo e 40% de sua gasolina, disse recentemente o vice-ministro de Energia da Turquia, Alparslan Bayraktar.

O fato de que esses grandes contratos devem ser pagos em rublos gera uma demanda adicional pela moeda nacional russa, que, dada uma oferta estável, faz com que a moeda se valorize.

A taxa de câmbio entre o rublo e o dólar já voltou aos níveis que tinha antes da bateria de sanções impostas pelo Ocidente. A valorização do rublo e sua estabilidade ao longo do tempo são condições necessárias para a nova aposta da Rússia: criar uma esfera comercial alternativa ao dólar.

A valorização do rublo responde a um grande número de medidas que o governo russo decidiu implantar em tempo recorde. Em primeiro lugar, o Banco Central da Rússia prometeu comprar ouro a um preço fixado em 5.000 rublos por grama. Isso não significou um retorno ao tradicional “padrão-ouro”, pois a autoridade monetária não está disposta a vender, mas apenas a comprar, mas a medida teve grande sucesso em estabilizar o valor da moeda.

Por outro lado, a exigência de aceitar apenas rublos para exportações de petróleo e gás para os parceiros comerciais da Rússia também teve um impacto positivo na demanda por rublos e seu poder de compra.

Além disso, Putin e Erdogan assinaram os contratos restantes para concluir a aprovação da construção da usina nuclear de Akkuyu, na Turquia, que está sendo realizada pela empresa russa Atomstroyexport. Conforme acordado esta tarde, o reator nuclear russo-turco deve entrar em operação em 2023.

Como balanço da rodada de negociações, Novak destacou que Putin e Erdogan conseguiram levar a cooperação econômica a um novo patamar. “Decisões muito importantes foram tomadas hoje durante as negociações, que, de fato, levam nossas relações no comércio, na economia, em quase todos os setores, a um novo patamar”, resumiu Novak, ressaltando que Moscou e Ancara aspiram alcançar 100.000 milhões de dólares em trocas comerciais.

No comunicado conjunto divulgado após a reunião, destaca-se que ambos os países concordaram em aumentar o volume do comércio bilateral “de forma equilibrada”. Em particular, a Rússia e a Turquia se comprometem a tomar medidas concretas para aumentar a colaboração em transporte, agricultura, indústria, finanças, turismo e construção.

Continuar Lendo

Rússia

Putin declara que a liderança mundial dos Estados Unidos acabou: “Chegou o fim do mundo unipolar”

Publicado

no

O presidente russo insiste que a Rússia “sem falhas” cumprirá seus objetivos na Ucrânia e que a hegemonia dos EUA no mundo chegará ao fim após o conflito.

O presidente russo, Vladimir Putin, proclamou esta semana o “fim do mundo unipolar” até então liderado pelos Estados Unidos. Em sua opinião, a era da hegemonia norte-americana “acabou, apesar de todas as tentativas de mantê-la e preservá-la por todos os meios. A mudança é um processo natural da história”, disse Putin durante o Fórum Econômico Internacional em São Petersburgo.

Putin também acusou os Estados Unidos de acreditarem ser “mensageiro de Deus” depois de reivindicar a vitória após a queda da União Soviética em 1991. “Reivindicando vitória na Guerra Fria, proclamando-se mensageiro de Deus na terra, os EUA não têm obrigação apenas interesses e, aliás, esses interesses são sagrados”, sublinhou.

Em seu discurso ele também abordou outras questões como a invasão da Ucrânia, que ele continua chamando de “operação militar especial” e seus efeitos na economia mundial, garantindo que a Rússia não se importa com sanções e que coloca seus interesses nacionais acima do bem-estar econômico.

Em suas declarações, Putin rejeitou o que chama de “modelo anglo-saxão de economia” e declarou que “suas receitas não funcionam aqui”. Por sua vez, ele acusou os líderes ocidentais de ignorar as “mudanças revolucionárias e tectônicas”, que considera “irreversíveis” no mundo.

“Eles, os Estados Unidos, parecem não perceber que nas últimas décadas no planeta se formaram novos centros de poder e estão cada vez mais se fazendo ouvir, cada um dos quais desenvolve suas próprias instituições políticas e públicas, e implementam suas próprias modelos de crescimento econômico”, destacou, embora até agora nenhum tenha alcançado níveis de crescimento, bem-estar social e poder militar como os alcançados pelo capitalismo de livre mercado nos Estados Unidos no passado.

Esses países têm o direito de defender e garantir seus interesses nacionais”, assegurou Putin. “Eles acreditam que a hegemonia do Ocidente na política e economia mundial é uma constante, é eterna. Não há nada que seja eterno. Os nossos colegas não só negam a realidade, como tentam travar a marcha da história, pensam como no século passado, são reféns das suas próprias mentiras”, sublinhou.

“A União Europeia perderá 400 bilhões de dólares”

Para explicar o declínio do Ocidente, Putin lembrou que os Estados Unidos deixaram de ser um país exportador para uma economia importadora, o que, em sua opinião, causou uma crise econômica global com sua política financeira irresponsável em 2008.

Quanto à União Europeia, o presidente russo não poupou críticas e considerou que o bloco perdeu “soberania política” ao abrir mão de sua autonomia e independência em favor de Washington.

As sanções contra o Kremlin pelo conflito na Ucrânia farão com que a União Europeia perca mais de 400 mil dólares em 2023“, disse. “Esse é o preço de decisões longe da realidade e tomadas sem bom senso”, sublinhou, negando posteriormente que a guerra na Europa tenha alguma relação com os atuais cataclismos econômicos.

Os objetivos na Ucrânia e a resistência que surpreendeu Putin

Quanto à guerra que eclodiu há 116 dias, Putin garantiu que o país que lidera “sem falhas” cumprirá seus objetivos na Ucrânia. O presidente russo indicou que a garantia disso é a “coragem e heroísmo dos soldados”, “a consolidação da sociedade russa”, bem como o entendimento da natureza “justa” da causa, mas se recusou a dar detalhes de como está indo a operação militar.

A realidade é que a Rússia não pretende aplicar sua tática mais convencional de terra arrasada em um país que, em última análise, deseja anexar à sua nação. Isso levou a ataques de menor impacto que falharam em um país que recebeu bilhões de dólares do Ocidente e continua totalmente subsidiado desde o início da guerra.

O presidente russo também assegurou que Moscou foi “obrigada” a iniciar a campanha militar diante de “riscos e ameaças” à Rússia, porque o país tem o direito de “defender sua segurança”.

A decisão visa proteger nossos cidadãos, os habitantes das repúblicas de Donbas, que durante oito anos foram submetidos ao genocídio pelo regime de Kiev e neonazistas protegidos pelo Ocidente“, afirmou, em relação às alegações de ataques do Batalhão Azov.

Finalmente, Putin disse que o Ocidente “não estava apenas tentando criar uma anti-Rússia” na Ucrânia, mas estava enchendo o país de armas e especialistas militares. “Absolutamente ninguém pensou nas pessoas que vivem nesses territórios”, disse.


Por Karin Silvina Hiebaum, para La Derecha Diario.

Continuar Lendo

Rússia

Rússia apreende a usina nuclear de Zaporiji: o ministro Marat Jusnulin se ofereceu para vender energia para a Ucrânia

Publicado

no

A fábrica está localizada em território ucraniano, mas está sob domínio russo. Autoridades de Kiev denunciaram que Moscou está preparando um referendo na região.

O vice-primeiro-ministro russo, Marat Khusnulin, disse na quarta-feira (18) que a usina nuclear de Zaporizhia – em território ucraniano, mas sob domínio russo – está pronta para fornecer energia à Ucrânia, desde que Kiev esteja disposta a recebê-la e pagar por ela.

“A usina nuclear começará a funcionar. Temos uma vasta experiência trabalhando com usinas nucleares. Se a Ucrânia estiver pronta para receber e pagar, a fábrica funcionará para eles. Se eles não aceitarem, vou trabalhar para a Rússia”, disse.

Sobre a  produção de energia em Zaporizhia, Jusnulin disse que a energia nuclear é uma das mais baratas ao mesmo tempo em que destacou que “não há dúvida” onde pode ser vendida, segundo a agência de notícias russa TASS .

O vice-primeiro-ministro russo deslocou-se esta quarta-feira à cidade de Melitopol, perto da central nuclear de Zaporizhia, de onde comentou que esta zona está destinada a trabalhar “em família” com a Rússia.

“É por isso que vim aqui, para dar o máximo de assistência e uma oportunidade de reintegração“, disse o vice-primeiro-ministro, que já visitou alguns pontos da região de Kherson na terça-feira  para discutir a recuperação econômica após confrontos entre tropas ucranianas e russas.

Na semana passada, o conselheiro do Ministério do Interior ucraniano,  Vadym Deniseko, denunciou que os ocupantes russos receberam ordens do Kremlin para preparar um referendo nas regiões de Kherson e Zaporizhia nos próximos meses.

Por sua vez, o presidente da administração militar regional de Kherson,  Gennady Laguta, informou que os ocupantes estão coletando dados pessoais dos moradores para as eleições e expressou sua crença de que os habitantes de Kherson apoiam a Ucrânia e não irão ao referendo.

A agência Unian lembrou que os russos planejam realizar um “censo” da população na região de Kherson, assim como fizeram na península ucraniana da Crimeia, anexada pela Rússia em 2014.

Continuar Lendo

Trending