Ligue-se a nós

Economia

Díaz Ayuso impulsa la baja de impuestos más grande de la historia de la Comunidad de Madrid

Publicado

no

Serán eliminados todos los impuestos propios a partir de 2022, y se resolvió una rebaja de medio punto en todos los tramos del impuesto sobre la renta sin excepción. El alivio fiscal alcanzará a un total de 3,3 millones de madrileños, buscando compensar las medidas tributarias socialistas de Pedro Sánchez.

En el día de hoy, la presidenta de la Comunidad de Madrid Isabel Díaz Ayuso logró la aprobación la rebaja de impuestos más grande en la historia de Madrid. Se trata de la quinta vez que esta jurisdicción rebaja los impuestos sobre la renta, y tras 67 reformas para disminuir impuestos desde 1995.

Los cambios estipulados regirán a partir de 2022 ya que fueron aprobados en la figura de anteproyectos. Para su consolidación definitiva en el año próximo, la Asamblea de Madrid deberá resolver nuevamente su aprobación.

Para este propósito, será requerido no solamente el voto del Partido Popular sino también de Vox, o al menos la abstención de cuatro de sus diputados. Las negociaciones permanecen en curso, pero ambos partidos en conjunto conservan una amplia mayoría en la Asamblea legislativa. La portavoz de Vox, Isabel Monasterio, se mostró entusiasta por lograr acuerdos para las rebajas fiscales.

De cumplirse en tiempo y forma los requisitos parlamentarios para 2022, serán completamente eliminados todos los impuestos propios dentro de la Comunidad y se establecerá una rebaja de medio punto porcentual para todos los tramos del IRPF, de modo que todos los contribuyentes se verán afectados por el alivio fiscal.

La Comunidad de Madrid se convertirá a partir del año próximo en la primera Autonomía sin impuestos propios. Quedarán eliminadas cargas fiscales irrisorias que afectaban los servicios de hotelería (un sector clave para Madrid), se eliminará el Impuesto sobre el Depósito de Residuos y se pondrá fin al Impuesto para Actividades Económicas (IAE), entre otros.

Se calcula que la reforma implicará un alivio por 300 millones de euros, algo que fomentará la libre iniciativa privada e incentivará la creación de puestos de trabajo. A su vez, las medidas fiscales generarán beneficios para 3,3 millones de madrileños.

El tipo marginal más bajo del IRPF quedará en el 8,5% del ingreso imponible, siendo esta alícuota la más baja de España. Un madrileño promedio pagará casi 467 euros menos al año que un catalán, 449 euros menos al año que un ciudadano balear, 315 euros menos al año que un residente de Valencia y casi 329 euros menos al año que un ciudadano de Asturias. El tipo marginal máximo caerá del 21% al 20,5%.

Se estima que el mayor peso de la rebaja fiscal afectará, de hecho, a los ingresos medios y bajos. El 77% de los beneficiados por las rebajas del IRPF son ciudadanos con salaros por debajo de la media. En conjunto, estas medidas supondrán una suerte de respuesta compensatoria con respecto a los nuevos gravámenes introducidos por el Gobierno socialista de Pedro Sánchez a nivel nacional.

Economia

Espanha registrou a maior inflação em 38 anos: os preços subiram 10,8% nos últimos 12 meses

Publicado

no

Os preços no varejo registraram leve deflação de 0,3% no mês de julho, mas a inflação acumulada dos últimos 12 meses voltou a aumentar. O Banco Central Europeu promoveu uma ligeira atualização da taxa de política monetária.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) confirmou que o Índice de Preços ao Consumidor Espanhol registou uma variação negativa de 0,3% no mês de julho , face ao mês anterior. É a terceira vez que Espanha regista deflação até agora em 2022, depois dos dados de janeiro (-0,4%) e abril (-0,2%).

No entanto, e devido aos fortes aumentos correspondentes ao mês de junho, a inflação homóloga atingiu 10,8% face ao mês homólogo de 2021 . Apesar da ligeira deflação de julho, a inflação acumulada de 12 meses teve um aumento porque o período considerado é constituído entre agosto de 2021 e julho de 2022. Desta forma, deixa-se de lado a deflação de quase 1% registada em julho de 2021.

O nível homólogo da inflação é o mais elevado registado desde Setembro de 1984 , quando Espanha ainda tinha a Peseta como moeda legal oficial. Por sua vez, a inflação acumulada em 12 meses subiu seis décimos em relação ao mesmo período homólogo, mas em relação ao mês anterior.

Os maiores aumentos por ordem de incidência foram observados nos preços das casas, com alta de 23% em relação a julho de 2021. Os preços de roupas e calçados subiram 5% em termos homólogos, enquanto os alimentos e bebidas não alcoólicas marcaram um aumento de 13,5% no mesmo período.

Excluindo os preços voláteis da média geral, incluindo energia e alimentos, a inflação “core” ou núcleo foi de 6,1% em relação ao ano anterior. É o maior valor registrado para este segmento do IPC desde 1993.

Banco Central Europeu (BCE) respondeu à inflação de forma extremamente tardia em comparação com outras economias desenvolvidas. A taxa de política monetária de curto prazo subiu para 0,5% ao ano, após ter permanecido em 0% desde 2016.

O saldo total da autoridade monetária europeia continua crescendo, embora com alguma moderação face a 2021. Este saldo inclui os passivos e ativos do Banco Central. O ativo inclui empréstimos concedidos a entidades financeiras ou aos próprios Estados europeus, enquanto o passivo inclui dinheiro em circulação.

O fato do balanço do BCE continuar crescendo mostra que a frouxa política monetária não se deteve, apesar das promessas da presidente Christine Lagarde de corrigir o desequilíbrio. 

Continuar Lendo

Economia

Inflação nos Estados Unidos: preços de julho subiram 8,5% em relação ao mesmo mês do ano passado

Publicado

no

O índice de preços registou um aumento mensal de 0,2% no mês de julho, e registou uma variação homóloga semelhante a 1981. No mesmo período, a Reserva Federal promoveu uma subida drástica da taxa de juro de referência.

O Bureau of Labor Statistics dos Estados Unidos informou que o Índice de Preços no Varejo (CPI) registrou um aumento de 0,2% no mês de julho em relação ao mês anterior. Os preços tiveram alta de até 8,5% em relação a julho de 2021, valor semelhante ao registrado em dezembro de 1981.

A variação mensal foi bastante atenuada pela queda nos preços dos combustíveis. Os preços das commodities energéticas caíram 7,6%, o óleo diesel 7,7% e o óleo combustível despencou 11% em julho. Essas foram as reduções mais importantes do mês, e conseguiram compensar os aumentos em todos os demais itens consolidando uma variação de 0,2% para a média geral. Isso se deve a uma grande expansão na liberação de Reservas Estratégicas.

Biden tentou mentir sobre esses números e, em entrevista coletiva nesta quarta-feira, disse que a inflação nos Estados Unidos chegou a 0%. Isso é mentira, pois na realidade o que aconteceu é que o aumento médio dos preços entre junho e julho foi quase zero (0,2% para ser exato), mas a inflação homóloga, entre julho de 2021 e julho deste ano, a forma mais correta de medir a alta dos preços para descartar a sazonalidade, foi de 8,5%, uma das maiores da história.

Os preços dos alimentos aumentaram 1,1% em julho, com especial incidência nos alimentos destinados ao consumo domiciliar (por oposição a restaurantes ou lojas), que registraram alta de até 1,3% no mês.

A alta dos alimentos foi a maior no mês de julho entre todos os setores pesquisados ​​e, apesar de registrar uma variação quase 10 vezes menor que a dos preços da energia, seu impacto no índice geral foi bem mais importante por ordem de incidência.

Sem considerar os preços classificados como “voláteis”, energia e alimentos, os preços no varejo de julho fecharam com variação de 0,3% em relação a junho. O chamado “núcleo de inflação” ou núcleo de inflação atingiu 5,9% ano-a-ano em relação ao mesmo mês de 2021.

Para este segmento do IPC registou-se uma variação quase idêntica à do mês de Junho (6% interanual), estando ainda a ser registados novos valores semelhantes aos de Agosto de 1982 com a mesma metodologia.

A Reserva Federal liderada por Jerome Powell marcou o mês de julho com uma forte subida da taxa de juro dos títulos federais de curto prazo. A taxa efetiva anual aumentou de 1,21% para 1,68% de acordo com estatísticas do St. Louis Federal Reserve.

A massa monetária ampla da economia (determinada pelo agregado M2) parou de crescer a partir de março, enquanto o aumento da taxa de juros busca estimular a remonetização da economia para combater a inflação.

O estoque de oferta de moeda subiu sistematicamente abaixo dos preços entre janeiro e julho de 2022, juntamente com uma queda na demanda por dólares no mesmo período. 

Continuar Lendo

Economia

Perigoso: em meio à recessão, Biden aprova lei para aumentar impostos

Publicado

no

É a primeira vez desde 1990 que um governo dos EUA decide aumentar os impostos em meio a uma recessão. Os democratas deram meia sanção ao novo pacote fiscal, e o projeto seguirá para a Câmara dos Deputados para seu tratamento definitivo.

O governo de Joe Biden enviou a chamada “Lei de Redução da Inflação” (IRA), que na prática é uma versão simplificada e moderada do programa original Build Back Better. Essas mudanças ocorreram porque o primeiro esquema era zelosamente extremista e corria o risco de não passar nas câmaras legislativas.

A lei propõe 3 pilares principais: a ampliação dos gastos públicos, a inclusão de novas regulamentações climáticas e um forte aumento de impostos.

Este último é particularmente paradigmático, pois Biden pretende se tornar o primeiro presidente dos Estados Unidos a aumentar impostos em meio a uma recessão desde 1990. George HW Bush decidiu fazê-lo com uma reforma que entrou em vigor a partir do ano fiscal de 1991.

Mesmo assim, a recessão é sistematicamente negada pela Casa Branca, que insiste em comunicar um processo de “crescimento sustentado” que não se reflete em nenhuma estatística oficial.

Impostos comerciais

A nova legislação presente no IRA propõe a criação de um novo imposto mínimo obrigatório de 15% para empresas que faturam mais de US$ 1 milhão por ano.

reforma tributária aprovada por Donald Trump em 2017 eliminou o sistema de alíquotas marginais progressivas para os lucros das empresas e unificou todos eles em uma única alíquota de 21% no que é conhecido como “Flat tax” para diminuir a carga tributária e maximizar a eficiência.

Com as mudanças promovidas por Biden, elimina-se uma série de deduções e isenções às quais as empresas poderiam ter acesso para evitar a tributação de 21% sobre seus lucros, de modo que a carga tributária mínima não pode ser inferior a 15% em nenhum caso para empresas com lucros superiores a 1 milhão de dólares por ano.

Além de uma carga tributária maior, as mudanças apresentadas pelos democratas apresentam distorções na correta alocação do investimento privado, pois afeta cada setor tributado de forma diametralmente diferente.

Tax Foundation estima que a pressão tributária poderia ser artificialmente menor em serviços digitais e telecomunicações, mas drasticamente maior no mercado imobiliário, indústria de mineração, transporte e construção.

Impostos sobre pessoas físicas e consumo

Para as pessoas que decidem fazer investimentos em ativos financeiros, depositar seu dinheiro em bancos e receber juros ou outros tipos de aplicações de capital, o prazo mínimo necessário para que seus rendimentos financeiros sejam considerados “longo prazo” aumenta de 3 para 5 anos.

Isso implica em um aumento da pressão tributária, uma vez que os ganhos de capital de longo prazo são tributados a alíquotas marginais inferiores ao de curto prazo, que recebe as mesmas alíquotas do imposto de renda corrente.

Por outro lado, o projeto dos democratas aumenta o imposto sobre o petróleo bruto, tanto nacional quanto importado. O imposto de montante fixo subirá para 16,4 centavos por barril negociado, e o valor será indexado pela inflação a partir de agora.

Essa medida é uma das mais polêmicas porque os Estados Unidos passam por um aumento histórico nos preços da energia: o presidente Biden prometeu baixar os preços, e não aumentá-los com um novo imposto direto sobre o consumo, como pretende seu próprio projeto.

Os efeitos para a economia

A Fundação Tributária utiliza um modelo teórico de equilíbrio geral para estimar que as medidas apresentadas terão uma arrecadação líquida de US$ 304.000 milhões, e em contrapartida significará uma queda de 0,1% no PIB de longo prazo, a queda de 0,1% em salários reais e a perda de 30.000 empregos privados.

Estes resultados correspondem ao efeito líquido esperado inteiramente devido ao impacto das medidas fiscais da lei, mas não tentam explicar a evolução futura das variáveis ​​macroeconómicas a longo prazo, uma vez que estas respondem a muitos outros fatores não tidos em conta.

Continuar Lendo

Trending