Ligue-se a nós

Economia

Disciplina fiscal no Brasil: Paulo Guedes visa déficit zero até 2022, após queda de 10 pontos neste ano

Publicado

no

O ministro da Economia reiterou o rumo da disciplina fiscal e buscará eliminar por completo o déficit primário do governo federal. Guedes afirma que o crescimento para o próximo ano será superior ao esperado.

O Governo do Brasil continua a aprofundar o ajuste fiscal para estabilizar as contas do setor público. O ministro da Economia, Paulo Guedes, reiterou que não há mudança de rumo na política econômica e que o governo continua apostando na disciplina fiscal após o desastre de 2020.

As declarações constituem uma resposta às críticas sobre a modificação do teto do gasto público, que permite maior manobrabilidade fiscal até 2022. Esta modificação foi promovida a partir do Congresso e não do Ministério da Economia, e Guedes confirmou que não vai utilizar aquele novo tecto.

Em conferência no Fórum do Banco Bradesco (BBD), Guedes explicou que até 2022 o déficit primário se estabilizará entre 0% e 0,4% do PIB, reduzindo todo o déficit federal para pagar os juros da dívida pública.

O déficit fiscal primário havia explodido para 10% do PIB em dezembro de 2020, mas Guedes conseguiu reduzi-lo para 1,4% em outubro deste ano, último dado oficial disponível. As metas para 2022 parecem viáveis ​​considerando a abertura da economia após a pandemia.

Por sua vez, o vermelho financeiro total do governo federal (considerando os juros) caiu de 13,8% do PIB ao final de 2020 para 5,8% em outubro de 2021. No mesmo período, as despesas primárias caíram mais de 6 pontos percentuais.

Estamos comprometidos com a responsabilidade fiscal. Lutamos até o fim para preservar o telhado”, garantiu Paulo Guedes.

Entre outras medidas, Guedes destacou os esforços do governo Bolsonaro para conter os gastos públicos, incluindo o congelamento de salários na administração pública por um ano e meio e a racionalização do quadro de funcionários.

Além disso, o ministro rejeitou projeções que apontavam para baixo crescimento para o Brasil até 2022. Entre outras organizações, o Fundo Monetário Internacional esperava que o Brasil crescesse entre 1% e 1,5% em 2022, mas o governo Bolsonaro estava cético em relação às expectativas do Fundo, principalmente depois de terem subestimado o crescimento do país em 2020 e 2021.

Bolsonaro expulsou o FMI do país após reunião com Guedes em que concordaram que as estimativas do Fundo estavam carregadas de profundo caráter político. Não se entende por quê, mas a comunidade internacional prefere uma vitória de Lula no ano que vem.

O ministro referiu-se às expectativas do Fundo e outras projeções, e afirmou que as suas próprias expectativas de uma “recuperação V” também foram rejeitadas em 2020, mas a realidade acabou por dar razão a Guedes.

Guedes afirmou que as novas privatizações vão gerar um efeito positivo sobre o investimento, não só pelo volume dos setores privatizados, mas também porque favorece a confiança do Governo, e logicamente reduz o risco de desapropriações, ataques aos direitos de propriedade no Brasil.

Colômbia

Colômbia e Reino Unido assinam acordo de livre comércio que beneficia ambos os países

Publicado

no

O primeiro-ministro Boris Johnson e o presidente Iván Duque formalizaram um novo acordo de livre comércio. Tendo deixado a União Europeia, o Reino Unido busca se abrir ainda mais ao comércio internacional.

O Reino Unido continua a aprofundar os seus laços com o comércio internacional, pelo que a sua saída da União Europeia não implica um cunho protecionista. O presidente Iván Duque e o primeiro-ministro Boris Johnson concordaram em formalizar um acordo de livre comércio.

Esse tratado já havia sido assinado em 15 de maio de 2019, mas não tinha validade legal e precisava ser formalizado. A Ministra do Comércio da Colômbia, María Ximena Lombana, assegurou que o TCL entrará em vigor dentro de algumas semanas para sustentar os últimos detalhes de natureza meramente técnica.

Com esta nova incorporação, a Colômbia manterá o livre comércio com os países da Aliança do Pacífico, União Européia, Canadá, Chile, Coréia, Costa Rica, Estados Unidos, Israel, os países membros do Mercosul, México, El Salvador, Honduras, Guatemala, e agora o Reino Unido.

Por seu lado, o Reino Unido manterá o comércio livre com os países da Aliança do Pacífico, a União Europeia (o Brexit não significou nenhuma mudança), Canadá, Suíça, Ucrânia, Camarões, África Oriental e Austral, Gana, Quénia, Marrocos, Tunísia, Israel, Japão, Vietnã, Coréia, México, América Central, Equador, Peru, Chile, Guiana e agora Colômbia, entre outros países. Cada um dos 38 acordos do Reino Unido foi assinado entre 2019 e 2022, então o Brexit não representou uma agenda protecionista.

O TCL entre a Colômbia e o Reino Unido supõe a eliminação da maioria das barreiras quantitativas às importações, exceto aquelas vinculadas às normas sanitárias e higiênicas. Por sua vez, as tarifas MFN recebidas por ambos os países são reduzidas à sua expressão mínima.

A rigidez regulatória para a mobilidade de capitais entre os dois países também é flexibilizada, favorecendo o movimento de investimento estrangeiro direto. Isso é de vital importância para amortecer a instabilidade da conta capital e financeira em cada país.

Entre outros grandes benefícios, as barreiras comerciais são erradicadas ou minimizadas para o agronegócioindústria automobilística, indústria de softwareserviços financeiros e créditosetor de energia e infraestrutura, entre muitos outros que foram classificados como “setores estratégicos” pelo tratado.

O acordo de livre comércio também favorecerá um notável aumento de produtividade em ambos os países, baseado no desenvolvimento de economias de escala. Cada país terá um mercado maior para produzir o que é relativamente mais produtivo e, assim, obter uma maior variedade de bens e serviços a preços mais baixos do que antes do livre comércio. 

Continuar Lendo

Economia

Políticas ecológicas geram um colapso da economia do Sri Lanka: escassez, crise energética e default

Publicado

no

O país vive a pior crise desde sua independência em 1948. O governo socialista levou ao desastre econômico depois de forçar a agricultura orgânica, que deixou o país sem alimentos e sem importações.

O presidente socialista Gotabaya Rajapaksa levou o Sri Lanka a um desastre econômico e social sem precedentes, e o país está em sua pior crise desde a independência do Reino Unido em 1948.

Após a sua vitória nas urnas em 2019, o atual Governo prometeu realizar uma transição “ecológica” pouco convencional a uma “agricultura orgânica” dentro de 10 anos, contudo, nos primeiros 3 anos destas medidas, toda a economia já colapsou.

A economia do Sri Lanka é especializada na produção de matérias-primas, bem como na fabricação de produtos têxteis e vestuário, com forte dependência de seus próprios recursos primários. A transição para a agricultura orgânica com critérios pseudocientíficos e métodos pré-industriais causou uma violenta crise econômica, que desencadeou uma crise energética e forçou o governo a dar calote na dívida pública por esgotar as reservas.

Uma política “verde” que desmoronou o país em tempo recorde

Por volta do mês de maio de 2021, o governo socialista decretou a proibição total da importação e uso de fertilizantes sintéticos, além de pesticidas naturais. O fundamentalismo ecológico chegou ao extremo e tentou forçar a transição por meio de uma proibição estatal, em vez de incentivos, como a remoção de impostos sobre pesticidas naturais.

Essa mudança marcou uma ruptura extrema com o modelo que, até 2021, era aplicado no Sri Lanka. Os governos antecessores aderiram a um vasto programa de subsídios econômicos para fertilizantes, que chegou a representar mais de 50% de todos os gastos governamentais com agricultura durante o ano de 2020. Em apenas alguns meses e de forma abrupta, foi revertido de uma política de subsídios econômicos para incentivar o uso de um produto a uma proibição total desse bem.

Além disso, e seguindo a retórica socialista, o Governo promoveu ativamente a abertura de hortas orgânicas em pequenas casas, como uma suposta medida para aliviar a fome e a pobreza alimentar no país.

O impacto na agricultura foi catastrófico, afetando cerca de 25% da população do Sri Lanka que se dedica inteiramente a este setor. A produtividade caiu a níveis ridículos, a produção agrícola praticamente caiu a zero e gerou-se uma profunda depressão econômica que se espalhou por todo o sistema.

A recessão econômica destruiu o saldo exportável do país, de modo que as importações não podiam mais ser pagas com a entrada de divisas das exportações.

Esse fato foi a gênese da crise energética que o país atravessa hoje. Em pouco mais de 2 anos, o Sri Lanka ficou sem alimentos, sem produção de grãos, sem produtos importados e consequentemente, sem energia.

O próprio Governo reconhece que o país já não tem divisas suficientes para lidar com a importação de combustíveis, e as forças de segurança começaram a abrir fogo contra manifestantes que estão nas ruas há semanas exigindo uma mudança de rumo.

Somente na semana passada, até 300 mortes já foram registradas devido à repressão aos protestos contra o governo. Infelizmente, o povo do Sri Lanka teve que aprender da maneira mais difícil sobre a perversidade do socialismo.

Continuar Lendo

China

A passos de uma recessão global : a indústria na China caiu 7% em abril e as vendas no varejo caíram 0,7%

Publicado

no

As medidas sanitárias extremistas do regime comunista, juntamente com uma crise imobiliária e energética, ameaçam derrubar a economia do gigante asiático e gerar uma nova recessão mundial.

Os principais indicadores técnicos da economia chinesa mostram resultados cada vez mais decepcionantes, e antecipam uma possível recessão como não se via desde 2020. O Índice de Produção Industrial caiu violentamente para 7,08% no mês de abril, em relação ao mês anterior.

Esta é a segunda maior queda na China nas últimas duas décadas, atrás apenas da queda em janeiro de 2020 devido ao início da pandemia. Somente com a queda em abril a indústria voltou ao patamar agregado que tinha em outubro de 2020, segundo a série sem sazonalidade.

Perto de 37,5% do PIB chinês é explicado pela atividade industrial, e também tem a proporção mais importante da oferta da demanda mundial. O efeito recessivo sobre a atividade manufatureira é um choque na oferta para o mundo.

A queda de 0,69% foi registrada no Índice de Vendas no Varejo em abril, o segundo dado recessivo após ter registrado outra queda mensal de 2% em março. Os serviços representam quase 60% da economia chinesa e, neste caso, o efeito recessivo tem um impacto mais direto na economia local do que a nível internacional.

Ajustando pelo efeito da inflação, o gasto agregado do consumidor permaneceu praticamente estagnado desde janeiro de 2021 em termos reais. Este número é extremamente pessimista tendo em conta que, até 2019, o consumo privado crescia a uma taxa de 5% ao ano.

A previsão de crescimento para a China é de 4,4% segundo o Fundo Monetário Internacional, embora as previsões privadas projetem apenas 4% ao ano. Mas esses números mostram apenas um arrasto estatístico em relação a 2021, e praticamente o crescimento efetivo para 2022 seria o mais modesto desde a década de 1980. Todas as projeções de crescimento estão longe da meta proposta pelo Partido Comunista, em torno de 5,5% ao ano até 2022.

Há três razões fundamentais para explicar a recessão incipiente na China: as políticas de “Covid zero” promovidas pelo ditador Xi Jinping, a crise imobiliária e, finalmente, a crise energética. Juntos, esses elementos formam uma espécie de tempestade perfeita.

As novas medidas sanitárias da ditadura comunista incluem o regresso dos confinamentos massivos e rigorosos, embora com um âmbito geográfico substancialmente inferior ao realizado em 2020.

Por outro lado, a crise no setor imobiliário (que representa 29% do PIB chinês) continua fora do controle das autoridades. Após o colapso da gigante empresa Evergrande, o “efeito contágio” no sistema financeiro arrastou pelo menos 10 incorporadoras chinesas do mercado imobiliário.

O caso mais recente de inadimplência foi ajuizado pela Sunac, uma incorporadora imobiliária que não podia arcar com pagamentos de 742 milhões de dólares com credores internacionais.

Em terceiro lugar, a crise energética responde ao sistema de preços deficiente que prevalece nas tarifas dos serviços públicos. Ao contrário de outros países, a China regula fortemente o preço das tarifas de energia e o choque internacional causado pela guerra na Ucrânia não poderia ser totalmente compensado por um “efeito preço” percebido pelos consumidores, e em vez disso a correção é feita nas quantidades (escassez).

A economia chinesa também é substancialmente mais sensível diante das mudanças na oferta mundial de energia, não apenas devido à rigidez no sistema de preços, mas também por ser o principal país consumidor de energia do mundo.  

Continuar Lendo

Trending