Ligue-se a nós

Brasil

Economia cresce 4,6% em 2021 e supera queda durante a pandemia

Publicado

no

O crescimento econômico foi impulsionado principalmente pelo dinamismo do setor industrial, desencadeado pelas políticas pró-mercado de Bolsonaro, e pela forte recuperação dos serviços.

A maior economia da América do Sul registrou crescimento anual de 4,6% em 2021, superando ligeiramente a expectativa dos analistas da Bloomberg que esperavam 4,4% para o final do ano.

Com base nos dados coletados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil obteve um crescimento trimestral de 0,5% no último trimestre do ano passado. Por sua vez, esse número foi impulsionado pela forte recuperação do nível de atividade mensal entre novembro e dezembro de 2021, medido pelo índice IBC-Br, que também é medido pelo IBGE.

Os dados de crescimento revelaram-se extremamente positivos, pois foi possível superar com sucesso uma recessão muito incipiente que se aproximava do segundo trimestre de 2021 e que se prolongou até ao mês de outubro. Entende-se por “recessão técnica” a queda consecutiva de dois trimestres, situação que acabou por ficar para trás no último trimestre do ano passado.

A atividade mensal medida no final do mês de dezembro de 2021 cresceu 0,3% em relação a fevereiro de 2020, último mês antes da pandemia de Covid-19. O efeito recessivo da pandemia já foi completamente superado pela economia brasileira.

O crescimento de 2021 foi impulsionado principalmente por dois setores-chave: o setor industrial e o setor de serviços, o primeiro crescendo a uma taxa de 4,5% ao ano em relação a 2020 e o segundo crescendo até 4,7% ao ano. Conforme informado pelo IBGE, o único setor que registrou queda foi a agropecuária, que contraiu 0,2% em 202.

Ao mesmo tempo em que houve uma leve recuperação no nível de atividade, o governo Bolsonaro promoveu um ajuste fiscal drástico para equilibrar as contas do setor público. O governo federal conseguiu equilibrar seu déficit operacional, enquanto o setor público consolidado já apresenta superávit primário pela primeira vez desde 2014.

A par de uma extrema disciplina fiscal, o presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto, promove uma política monetária fortemente contracionista baseada em aumentos da taxa de juro de referência. Esse tipo de política é semelhante à realizada por Paul Volcker à frente do Federal Reserve desde 1979.

A política antiinflacionária busca ancorar expectativas e recriar a confiança dos agentes, independentemente de outras questões que não digam respeito ao problema inflacionário. A principal responsabilidade do Banco Central do Brasil é atacar a inflação.

Campos Neto já estabeleceu uma taxa de política monetária em torno de 10,75% ao ano, apesar do impacto no crescimento econômico. Isso demonstra a convicção da autoridade monetária em baixar a inflação a todo custo. 

Brasil

João Doria anunciou que irá abandonar a disputa pelas eleições presidenciais

Publicado

no

Com a forte queda de sua imagem, o ex-governador joga as toalhas.

Depois de muitas idas e vindas, parece que a “alta popularidade” que o então governador de São Paulo, João Doria (PSDB), dizia ter não foi o suficiente e fez com que desistisse de sua pré-candidatura às eleições presidenciais deste ano

“Me retiro da disputa com o coração ferido, mas com a alma leve. Com a sensação inequívoca do dever cumprido e missão bem realizada”, disse hoje (23) em pronunciamento transmitido pelas redes sociais.  

Doria informou que, apesar de ter sido escolhido nas prévias do PSDB como pré-candidato à presidência da República pelo partido, ele entendeu que não era “a escolha da cúpula do PSDB”

“Aceito esta realidade com a cabeça erguida. Sou um homem que respeita o bom senso, o diálogo e o equilíbrio. Sempre busquei e seguirei buscando o consenso, mesmo que ele seja contrário à minha vontade pessoal. O PSDB saberá tomar a melhor decisão no seu posicionamento para as eleições deste ano”, completou. 

Doria encerrou seu discurso agradecendo a seus apoiadores e colaboradores e destacou que é preciso uma alternativa para o que chamou de extremos. No entanto, ele não deixou claro se pretende disputar as eleições deste ano em outros cargos.

O ex-governador ganhou as eleições para o cargo em 2018 logo que utilizou o nome de Bolsonaro em sua campanha. Porém os ataques ao presidente, a quarentena eterna com suas fortes restrições, e sua viagem a Miami e a Copacabana durante o lockdown decretado por ele, teriam feito com que Doria perdesse a pouca credibilidade que ainda lhe restava.

Continuar Lendo

Brasil

Eduardo Bolsonaro responde a Lacalle Pou: “É incrível que alguém cite o Lula como um exemplo positivo de algo”

Publicado

no

O presidente uruguaio citou o ex-presidiário como um exemplo a seguir e garantiu que copiou sua ideia de “fome zero” para seu programa habitacional em assentamentos.

Na semana passada, o presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, e a ministra da Habitação, Irene Moreira, apresentaram o programa “Avançar” que trabalhará com assentamentos irregulares. Lacalle comparou o seu “megaplano” com o do “Fome Zero” de Lula Da Silva e o deputado Eduardo Bolsonaro lhe respondeu em uma publicação do nosso jornal na versão em espanhol, La Derecha Diario.

“Avançar” foi o nome que o governo deu ao novo programa que busca fornecer uma solução habitacional a milhares de pessoas que vivem em casas extremamente precárias construídas em assentamentos irregulares. O nome relembra o primeiro slogan eleitoral usado por Lacalle Pou no início da campanha para as eleições de 2019, “Evoluir”.

“É um trabalho necessário e justo”, disse o presidente sobre o Avanzar, programa que vai gastar US$ 240 milhões para trabalhar em 15.845 casas em 120 assentamentos.

A ministra Irene Moreira, afirmou na apresentação do plano executivo do projeto que este é “o maior trabalho social voltado para assentamentos irregulares da história do Uruguai”.

No entanto, o presidente uruguaio surpreendeu a todos quando, durante a apresentação do programa, admitiu que a sua ideia de “assentamento zero“, remitia às palavras do ex-presidiário, Lula da Silva, de “fome zero“.

Há muitos anos, imitando aquela frase do ‘fome zero’ do presidente Lula, hambre cero, pensamos em falar em ‘assentamento zero’. Obviamente é uma aspiração, como muitas coisas na vida. Dissemos, de acordo com os estudos, que não era para um período de governo. Basta ver os números e o valor que deve ser investido, para ver que é uma política nacional”, disse Lacalle.

Ao citar positivamente a Lula e seu antigo programa, o presidente uruguaio recebeu uma enxurrada de críticas tendo em conta que o “fome zero” – substituto do Programa Comunidade Solidária, instaurado no governo FHC – foi um fracasso transformando-se em uma imensa máquina populista de compra de votos e desperdiçando bilhões do dinheiro público.

O deputado Eduardo Bolsonaro também não deixou passar em branco o insólito discurso do presidente uruguaio e comentou em uma publicação do nosso jornal, La Derecha Diario.

Fome zero? Ninguém viu os benefícios deste programa, mas “mensalão”,”petrolão”, corrupção nos fundos de pensão dos carteiros, petroleiros e empregados bancários da Caixa Econômica Federal, entre muitos outros, o brasileiro sofre os efeitos até o dia de hoje. É incrível que alguém cite o Lula como um exemplo positivo de algo, só faltava complementar a Mujica e acabar com as FARC, assim teria falado de um dos principais agentes do Foro de São Paulo/Grupo de Puebla”, expressou no Instagram do jornal.

Em um outro comentário, que responde ao do parlamentar, uma pessoa escreveu, “o que você espera de alguém que admira o Chávez (ex-presidente de Venezuela)? Ele não tem cérebro“.

As atitudes de Lacalle assustam a muitos uruguaios que ao apoia-lo buscam fugir das garras do Foro de São Paulo. Estaria Lacalle admitindo ter um forte vínculo com os membros da esquerda latino-americana e querendo implementar as suas bandeiras?

Continuar Lendo

Brasil

TSE e Telegram assinam acordo para “combater desinformação nas eleições”

Publicado

no

Outra plataforma nas mãos do TSE.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) fechou um acordo, nesta terça-feira (17), com o aplicativo Telegram para “combater a propagação de notícias falsas por meio da plataforma“. Com a nova medida, que estará em vigor até o dia 31 de dezembro, um canal será aberto para receber denúncias e para a divulgar informações oficiais sobre as eleições.

De acordo com o previsto, será adotada uma ferramenta para marcar conteúdos considerados desinformativos. Pelas cláusulas, o Telegram também fará uma investigação interna para apurar a violação das políticas da plataforma.

Segundo o tribunal, o TSE é o primeiro órgão eleitoral no mundo a assinar um acordo com a plataforma e estabelecer medidas concretas para o suposto “combate às noticias falsas”.

Em março, o Telegram também aderiu ao Programa Permanente de Enfrentamento à Desinformação da Justiça Eleitoral.

O acordo ocorreu após a plataforma ter nomeado seu representante no Brasil, o advogado Alan Campos Elias Thomaz. A medida foi tomada após o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), ter bloqueado o funcionamento do aplicativo no país, sob a justificativa de que a plataforma não teria cumprido ordens judiciais.

Continuar Lendo

Trending