Ligue-se a nós

Economia

El día que la izquierda le cerró las puertas al progreso de América Latina: a 16 años del rechazo al ALCA

Publicado

no

Este 5 de noviembre se cumplieron 16 años de la IV Cumbre de las Américas, marcada por un lamentable rechazo al que podría haber sido el mayor acuerdo de libre comercio de la historia del continente. El Foro de Sao Paulo le cerró las puertas al progreso económico y social de la región.

Un 5 de noviembre de 2005 era rechazado el famoso proyecto ALCA, formalmente el Área de Libre Comercio de las Américas, que proponía un pacto multilateral que buscaba incluir a todos los países americanos (con la sola excepción de la dictadura cubana) y suponía la apertura comercial más grande de la historia del continente.

Los primeros acuerdos preliminares fueron establecidos en 1994, cuando la región latinoamericana se mostraba entusiasta por el Consenso de Washington, las privatizaciones, la desregulación y la apertura comercial. Esta tendencia era practicada en la mayor parte de los países del mundo.

En 2005, el presidente republicano George W. Bush se encontraba completamente comprometido con el avance en la liberalización comercial de América, una condición necesaria para el desarrollo económico y la generación de competitividad. Esta visión fue llevada adelante en la IV Cumbre de las Américas bajo la iniciativa del Presidente estadounidense.

Bush se propuso concretar un acuerdo de libre comercio a nivel continental como una de sus principales metas para su segunda administración. Esto suponía, además, seguir profundizando las “reformas estructurales de segunda generación” plasmadas en el Consenso de Washington para que los países adherentes al acuerdo pudieran adaptarse exitosamente.

Entre otros objetivos, el ALCA prometía ser una herramienta efectiva para lograr competitividad frente a China, India, y otros mercados emergentes. Este proyecto hubiera sido particularmente efectivo frente a las políticas comerciales desleales que practica China.

Pero a contramano de lo que ocurría en el mundo, el Foro de Sao Paulo buscó dar un giro de 180° con respecto a las políticas de la década de 1990 para volver a aislar a la región del comercio internacional. Este movimiento conformó el llamado “socialismo del siglo XXI”, que propone extender el modelo cubano hacia la región latinoamericana.

El presidente George W. Bush tratando de mostrar las ventajas del libre comercio en respuesta a los caprichos del Foro de Sao Paulo.

La izquierda latinoamericana, representada en aquel entonces por los Gobiernos de Néstor Kirchner, Hugo Chávez, Evo Morales y Lula da Silva, formó un bloque de rechazo al ALCA y logró boicotear el proyecto, condenando a la región al inexorable atraso comercial y económico.

La agenda ultra-proteccionista socavó cualquier posibilidad de integración comercial y financiera en aquellos países que más lo necesitaban, principalmente los miembros del Mercosur, entre otros.

Venezuela y Argentina impulsaron las mayores medidas de aislamiento dentro de la región. El arancel MFN promedio de Argentina trepó del 11,2% en 2005 al 13,64% en 2015, junto un arsenal de restricciones cuantitativas para importaciones. Venezuela aplicó el mismo esquema, el arancel MFN promedio de ese país pasó del 12,4% en 2005 al 14% en la actualidad, nuevamente junto violentas restricciones cuantitativas para importar.

Brasil y Bolivia aplicaron medidas arancelarias igualmente restrictivas, aunque evitaron incursionar en mayores limitaciones cuantitativas o la instalación de licencias de importación como las que establece Argentina.

Las medidas proteccionistas retrasaron el progreso económico y social, pero la agenda aperturista cobró nuevamente relevancia a partir de los acercamientos preliminares para un eventual acuerdo Mercosur-Unión Europea, y la actual convicción de Jair Bolsonaro para impulsar a la región hacia el camino de la apertura comercial.

Colômbia

Colômbia e Reino Unido assinam acordo de livre comércio que beneficia ambos os países

Publicado

no

O primeiro-ministro Boris Johnson e o presidente Iván Duque formalizaram um novo acordo de livre comércio. Tendo deixado a União Europeia, o Reino Unido busca se abrir ainda mais ao comércio internacional.

O Reino Unido continua a aprofundar os seus laços com o comércio internacional, pelo que a sua saída da União Europeia não implica um cunho protecionista. O presidente Iván Duque e o primeiro-ministro Boris Johnson concordaram em formalizar um acordo de livre comércio.

Esse tratado já havia sido assinado em 15 de maio de 2019, mas não tinha validade legal e precisava ser formalizado. A Ministra do Comércio da Colômbia, María Ximena Lombana, assegurou que o TCL entrará em vigor dentro de algumas semanas para sustentar os últimos detalhes de natureza meramente técnica.

Com esta nova incorporação, a Colômbia manterá o livre comércio com os países da Aliança do Pacífico, União Européia, Canadá, Chile, Coréia, Costa Rica, Estados Unidos, Israel, os países membros do Mercosul, México, El Salvador, Honduras, Guatemala, e agora o Reino Unido.

Por seu lado, o Reino Unido manterá o comércio livre com os países da Aliança do Pacífico, a União Europeia (o Brexit não significou nenhuma mudança), Canadá, Suíça, Ucrânia, Camarões, África Oriental e Austral, Gana, Quénia, Marrocos, Tunísia, Israel, Japão, Vietnã, Coréia, México, América Central, Equador, Peru, Chile, Guiana e agora Colômbia, entre outros países. Cada um dos 38 acordos do Reino Unido foi assinado entre 2019 e 2022, então o Brexit não representou uma agenda protecionista.

O TCL entre a Colômbia e o Reino Unido supõe a eliminação da maioria das barreiras quantitativas às importações, exceto aquelas vinculadas às normas sanitárias e higiênicas. Por sua vez, as tarifas MFN recebidas por ambos os países são reduzidas à sua expressão mínima.

A rigidez regulatória para a mobilidade de capitais entre os dois países também é flexibilizada, favorecendo o movimento de investimento estrangeiro direto. Isso é de vital importância para amortecer a instabilidade da conta capital e financeira em cada país.

Entre outros grandes benefícios, as barreiras comerciais são erradicadas ou minimizadas para o agronegócioindústria automobilística, indústria de softwareserviços financeiros e créditosetor de energia e infraestrutura, entre muitos outros que foram classificados como “setores estratégicos” pelo tratado.

O acordo de livre comércio também favorecerá um notável aumento de produtividade em ambos os países, baseado no desenvolvimento de economias de escala. Cada país terá um mercado maior para produzir o que é relativamente mais produtivo e, assim, obter uma maior variedade de bens e serviços a preços mais baixos do que antes do livre comércio. 

Continuar Lendo

Economia

Políticas ecológicas geram um colapso da economia do Sri Lanka: escassez, crise energética e default

Publicado

no

O país vive a pior crise desde sua independência em 1948. O governo socialista levou ao desastre econômico depois de forçar a agricultura orgânica, que deixou o país sem alimentos e sem importações.

O presidente socialista Gotabaya Rajapaksa levou o Sri Lanka a um desastre econômico e social sem precedentes, e o país está em sua pior crise desde a independência do Reino Unido em 1948.

Após a sua vitória nas urnas em 2019, o atual Governo prometeu realizar uma transição “ecológica” pouco convencional a uma “agricultura orgânica” dentro de 10 anos, contudo, nos primeiros 3 anos destas medidas, toda a economia já colapsou.

A economia do Sri Lanka é especializada na produção de matérias-primas, bem como na fabricação de produtos têxteis e vestuário, com forte dependência de seus próprios recursos primários. A transição para a agricultura orgânica com critérios pseudocientíficos e métodos pré-industriais causou uma violenta crise econômica, que desencadeou uma crise energética e forçou o governo a dar calote na dívida pública por esgotar as reservas.

Uma política “verde” que desmoronou o país em tempo recorde

Por volta do mês de maio de 2021, o governo socialista decretou a proibição total da importação e uso de fertilizantes sintéticos, além de pesticidas naturais. O fundamentalismo ecológico chegou ao extremo e tentou forçar a transição por meio de uma proibição estatal, em vez de incentivos, como a remoção de impostos sobre pesticidas naturais.

Essa mudança marcou uma ruptura extrema com o modelo que, até 2021, era aplicado no Sri Lanka. Os governos antecessores aderiram a um vasto programa de subsídios econômicos para fertilizantes, que chegou a representar mais de 50% de todos os gastos governamentais com agricultura durante o ano de 2020. Em apenas alguns meses e de forma abrupta, foi revertido de uma política de subsídios econômicos para incentivar o uso de um produto a uma proibição total desse bem.

Além disso, e seguindo a retórica socialista, o Governo promoveu ativamente a abertura de hortas orgânicas em pequenas casas, como uma suposta medida para aliviar a fome e a pobreza alimentar no país.

O impacto na agricultura foi catastrófico, afetando cerca de 25% da população do Sri Lanka que se dedica inteiramente a este setor. A produtividade caiu a níveis ridículos, a produção agrícola praticamente caiu a zero e gerou-se uma profunda depressão econômica que se espalhou por todo o sistema.

A recessão econômica destruiu o saldo exportável do país, de modo que as importações não podiam mais ser pagas com a entrada de divisas das exportações.

Esse fato foi a gênese da crise energética que o país atravessa hoje. Em pouco mais de 2 anos, o Sri Lanka ficou sem alimentos, sem produção de grãos, sem produtos importados e consequentemente, sem energia.

O próprio Governo reconhece que o país já não tem divisas suficientes para lidar com a importação de combustíveis, e as forças de segurança começaram a abrir fogo contra manifestantes que estão nas ruas há semanas exigindo uma mudança de rumo.

Somente na semana passada, até 300 mortes já foram registradas devido à repressão aos protestos contra o governo. Infelizmente, o povo do Sri Lanka teve que aprender da maneira mais difícil sobre a perversidade do socialismo.

Continuar Lendo

China

A passos de uma recessão global : a indústria na China caiu 7% em abril e as vendas no varejo caíram 0,7%

Publicado

no

As medidas sanitárias extremistas do regime comunista, juntamente com uma crise imobiliária e energética, ameaçam derrubar a economia do gigante asiático e gerar uma nova recessão mundial.

Os principais indicadores técnicos da economia chinesa mostram resultados cada vez mais decepcionantes, e antecipam uma possível recessão como não se via desde 2020. O Índice de Produção Industrial caiu violentamente para 7,08% no mês de abril, em relação ao mês anterior.

Esta é a segunda maior queda na China nas últimas duas décadas, atrás apenas da queda em janeiro de 2020 devido ao início da pandemia. Somente com a queda em abril a indústria voltou ao patamar agregado que tinha em outubro de 2020, segundo a série sem sazonalidade.

Perto de 37,5% do PIB chinês é explicado pela atividade industrial, e também tem a proporção mais importante da oferta da demanda mundial. O efeito recessivo sobre a atividade manufatureira é um choque na oferta para o mundo.

A queda de 0,69% foi registrada no Índice de Vendas no Varejo em abril, o segundo dado recessivo após ter registrado outra queda mensal de 2% em março. Os serviços representam quase 60% da economia chinesa e, neste caso, o efeito recessivo tem um impacto mais direto na economia local do que a nível internacional.

Ajustando pelo efeito da inflação, o gasto agregado do consumidor permaneceu praticamente estagnado desde janeiro de 2021 em termos reais. Este número é extremamente pessimista tendo em conta que, até 2019, o consumo privado crescia a uma taxa de 5% ao ano.

A previsão de crescimento para a China é de 4,4% segundo o Fundo Monetário Internacional, embora as previsões privadas projetem apenas 4% ao ano. Mas esses números mostram apenas um arrasto estatístico em relação a 2021, e praticamente o crescimento efetivo para 2022 seria o mais modesto desde a década de 1980. Todas as projeções de crescimento estão longe da meta proposta pelo Partido Comunista, em torno de 5,5% ao ano até 2022.

Há três razões fundamentais para explicar a recessão incipiente na China: as políticas de “Covid zero” promovidas pelo ditador Xi Jinping, a crise imobiliária e, finalmente, a crise energética. Juntos, esses elementos formam uma espécie de tempestade perfeita.

As novas medidas sanitárias da ditadura comunista incluem o regresso dos confinamentos massivos e rigorosos, embora com um âmbito geográfico substancialmente inferior ao realizado em 2020.

Por outro lado, a crise no setor imobiliário (que representa 29% do PIB chinês) continua fora do controle das autoridades. Após o colapso da gigante empresa Evergrande, o “efeito contágio” no sistema financeiro arrastou pelo menos 10 incorporadoras chinesas do mercado imobiliário.

O caso mais recente de inadimplência foi ajuizado pela Sunac, uma incorporadora imobiliária que não podia arcar com pagamentos de 742 milhões de dólares com credores internacionais.

Em terceiro lugar, a crise energética responde ao sistema de preços deficiente que prevalece nas tarifas dos serviços públicos. Ao contrário de outros países, a China regula fortemente o preço das tarifas de energia e o choque internacional causado pela guerra na Ucrânia não poderia ser totalmente compensado por um “efeito preço” percebido pelos consumidores, e em vez disso a correção é feita nas quantidades (escassez).

A economia chinesa também é substancialmente mais sensível diante das mudanças na oferta mundial de energia, não apenas devido à rigidez no sistema de preços, mas também por ser o principal país consumidor de energia do mundo.  

Continuar Lendo

Trending