Ligue-se a nós

Argentina

En plena renegociación de la deuda, Alberto Fernández le pagó US$ 391 millones al FMI

Publicado

no

Con dinero girado del Fondo a mediados de año como concepto de asistencia por la pandemia, Argentina cumplió con el pago de este 1ro de noviembre y se prepara para afrontar el pago de diciembre.

Este lunes por la tarde, sin previo aviso, el Tesoro Nacional le giró al Fondo Monetario Internacional (FMI) US$ 391 millones, en concepto de intereses que Argentina le debía al organismo.

La transferencia se realizó mientras el ministro de Economía Martín Guzmán se reunía con el staff técnico del Fondo, liderado por Julie Kozack, en Roma.

El giro de dólares realizado por el gobienro argentino a Washington forma parte de los pagos trimestrales que el Estado nacional tiene comprometidos hacia el Fondo Monetario como parte de los cargos de interés del programa financiero vigente.

Se trata de un dinero que Alberto Fernández había dicho hace pocos días que no preveía pagar, cuando dijo en una conferencia de prensa que “Argentina no se va a arrodillar ante FMI” y condicionó los pagos de intereses a una renegociación de la deuda con el organismo multilateral.

Si bien el monto transferido este 1ro de noviembre no es tan grande, bajo este mismo esquema de pagos que ahora Alberto parece que va a cumplir, Argentina debería pagar el 22 de diciembre unos US$ 1.900 millones más.

Con el pago realizado este lunes al Fondo Monetario, el Gobierno de Alberto Fernández acumula unos US$ 2.470 millones abonados en lo que va del año. El giro más oneroso realizado hasta el momento es el que tuvo lugar el 22 de septiembre pasado, cuando la Casa Rosada tuvo que pagar casi US$ 1.900 millones como parte del primer pago de capital del préstamo Stand By firmado en 2018 durante el gobierno de Mauricio Macri.

Ese pago fue realizado con las divisas que habían ingresado al país desde el FMI a mediados de año con el reparto de Derechos Especiales de Giro (DEG) que el Fondo decidió realizar hacia todos sus países miembro como parte de un plan para asistir financieramente a sus socios para encarar la recuperación económica tras el impacto de la pandemia.

En el caso argentino, ese giro de dólares del FMI implicó para el Ministerio de Economía recibir cerca de US$ 4.300 millones, con los cuales Cristina Kirchner había presionado para que se expanda el asistencialismo pos pandemia y se ganen las elecciones de este año, pero que Guzmán dijo que si no se usaba para re-pagarle al Fondo, el país quebraría.

Todo indicaba que luego de la histórica derrota del kirchnerismo en las PASO, esta vez sí se dejarían de pagar los intereses y el Gobierno usaría el dinero de los DEGs para gasto público, pero con el pago de hoy queda prácticamente confirmado que se usará para afrontar la segunda cuota de capital en diciembre, la de US$ 1.900 millones.

Todavía no se sabe cómo va a hacer Argentina para afrontar los pagos del 2022, que son significativamente más exigentes. El Estado argentino debería, de no lograr una renegociación, repagar cerca de US$ 20.000 millones en varios pagos a lo largo del año, una suma imposible de afrontar con un nivel de reservas como el que tiene el Banco Central en la actualidad.

Argentina

O jornal estatal russo de Putin acusou Alberto Fernández de “traição sem limite” e de se vender a Joe Biden

Publicado

no

O Sputnik News publicou um editorial onde asseguram que o presidente argentino se vendeu à Casa Branca “por algumas moedas”, em referência ao acordo com o FMI.

A principal mídia estatal russa, que responde diretamente a Vladimir Putin, lançou neste fim de semana um editorial em sua versão em espanhol, acusando Alberto Fernández de ter traído a Rússia, após suas declarações durante sua recente visita à Alemanha. 

O editorial do Sputnik intitula-se “A hipocrisia e a traição do presidente argentino Alberto Fernández a Putin não têm limites” e o autor interpreta que o presidente argentino começou seu governo muito próximo de Putin, mas que fez uma mudança de posicionamento desde o final do ano passado.

Primeiro, eles destacam a traição de Alberto Fernández ao optar pelas vacinas da Pfizer depois de ter assinado contratos com a Rússia para o Sputnik V, quando, segundo a mídia, a Argentina não tinha dinheiro para acessar as vacinas mais caras do Ocidente.

Mas a gota d’água teria sido a visita do argentino à Alemanha, onde se encontrou com o chanceler Olaf Scholz. Após a reunião, Alberto Fernández publicou um tweet que teria gerado a ira de Putin.

“Foi bom conhecer Olaf Scholz, chanceler federal da Alemanha. Vemos com preocupação as consequências da agressão contra a Ucrânia e cooperaremos para encontrar formas de pôr fim a ela. Depois do sofrimento que estamos vivendo, é imoral que algo assim aconteça”, tuitou.

No encontro com Scholz, o presidente argentino falou em “pôr fim” à “agressão contra a Ucrânia”, que qualificou de “imoral“.

A visão russa do conflito, por outro lado, é a de uma missão para desmilitarizar e desnazificar a Ucrânia após oito longos anos de genocídio contra o povo de Donbas, período em que cerca de 14.000 pessoas, incluindo idosos, mulheres e crianças , foram mortos pelo regime de Kiev e pelos batalhões nazistas, como o de Azov”, escreveu o jornal Sputnik.

Além disso, eles jogam na cara de Alberto Fernández que durante sua recente visita à Rússia disse que “a Argentina tem uma dívida com a Rússia porque foi a primeira a se preocupar com as vacinas dos argentinos”.

Por algumas se vendeu?“, perguntam-se no Sputnik, e apontam que em um esforço para chegar a um acordo com o FMI, Alberto Fernández “entregou” seu governo a Joe Biden.

Alberto, além de acusar a Rússia de ser imoral, disse que para seu governo a Europa é mais importante que China e Rússia, e se declarou um “europeuista”. Durante sua visita à Espanha, Alemanha e França, ele propôs a Argentina como fornecedora de alimentos e gás para a Europa em substituição à Rússia. “Somos grandes produtores de alimentos e somos grandes produtores de energia”, disse após seu encontro com Scholz.

Sputnik é uma agência de informação russa que se reporta diretamente a Putin e marca as posições oficiais do governo. “O nível de traição do presidente argentino em relação ao seu homólogo russo é inquestionável e incontestável“, concluem. A virulência do texto contra um presidente estrangeiro é impossível que tenha sido publicado sem a aprovação -ou solicitação- do Kremlin.

De acordo com esta nota, a virada da política internacional foi ideia do chanceler argentino Santiago Cafiero, e ocorreu após uma reunião com o secretário de Estado de Biden, Antony Blinken, em troca do apoio que desbloqueou o acordo da Argentina com o FMI.

Por isso, Putin acusa Alberto Fernández de “se vender” e coloca em xeque a relação que Cristina Kirchner levou mais de uma década para alcançar. Isso também faz com que a nova versão do Foro de São Paulo retorne com uma posição próxima aos Estados Unidos e distante do eixo Rússia-China.

Já se notou quando Lula nomeou Gerardo Alckmin como seu candidato à vice-presidência, figura que responde diretamente à Embaixada dos EUA, e quando os presidentes Gabriel Boric e Xiomara Castro manifestaram seu bom relacionamento com a vice-presidente Kamala Harris.

Continuar Lendo

Argentina

Kirchnerismo aprovou um Fundo Nacional de “fuga de dólares” para “cancelar a dívida com o FMI”

Publicado

no

O Senado deu sinal verde para a criação de um fundo nacional para captar “dólares fugitivos”, que em tese serão usados ​​para pagar dívidas com o Fundo Monetário Internacional.

Com 37 votos favoráveis ​​da Frente de Todos e 31 votos negativos da oposição, o kirchnerismo aprovou uma nova lei que cria um Fundo Nacional “para cancelar a dívida com o FMI“. A iniciativa prevê a criação de uma caixa a cargo do Ministério da Economia e apurada em dólares, que será utilizada para apoiar o pagamento dos serviços da dívida pública.

Também foi criada a “Comissão Bicameral Permanente de Acompanhamento e Controle da Gestão da Contratação e Pagamento da Dívida Externa do Congresso”, pesada rede burocrática destinada a controlar e fiscalizar os recursos captados pelo fundo em questão.

Para capturar os dólares “fugitivos” referidos no projeto, a lei pretende tributar a valorização de bens localizados no exterior sem declarar. Pretende-se tributar os bens que foram acumulados no exterior, sonegando algum tipo de imposto. O sigilo bancário foi levantado para facilitar as operações e uma série de incentivos fiscais foram concedidos para a lavagem de ativos estrangeiros.

Se o titular dos bens não declarados em causa decidir comparecer voluntariamente à entidade arrecadadora e no prazo de 6 meses, o Estado estabelecerá uma alíquota de 20% sobre o valor dos bens. Caso contrário, será imposta uma alíquota de 35%. Por sua vez, caso o usuário não compareça e a AFIP inicie um processo de fiscalização, o usuário tem a possibilidade de retratar e efetuar o pagamento em até 15 dias , caso em que pagará uma taxa de 50%.

Por essa medida, o projeto era comumente comparado a uma genuína lavagem de dinheiro encoberta, ainda que mais selvagem e improvisada em relação ao que havia sido feito em 2016. 

A AFIP permitirá que os recursos sejam pagos em uma única parcela, ou caso isso não seja possível, será estabelecido um cronograma de até 12 parcelas mensais para apresentação dos recursos correspondentes.

Do ponto de vista do Governo, o maior incentivo à lavagem de dinheiro é a captação de recursos fiscais. Somente por meio de recursos de lavagem de dinheiro, o governo Macri conseguiu captar até 1% do PIB adicional na arrecadação de impostos. O projeto do kirchnerismo visa atingir um objetivo igualmente ambicioso, embora com ferramentas menos sofisticadas para alcançá-lo.

No entanto, dada a obrigatoriedade da regulamentação, o partido no poder assegura que não se trata de branqueamento de capitais, embora os incentivos fiscais para efetuar pagamentos existam e sigam a mesma lógica de qualquer branqueamento de capitais. 

Continuar Lendo

Argentina

A inflação interanual atingiu 58% em abril, e a inflação “núcleo” já ultrapassa os 60%

Publicado

no

 A inflação argentina manteve-se elevada em abril, apesar da ligeira desaceleração para 6% no mês. Só neste ano os preços acumulam alta de 23%.

Conforme antecipado pela média das consultoras privadas, o Instituto Nacional de Estatística e Censos (INDEC) anunciou que o Índice de Preços ao Consumidor aumentou 6% em abril em relação a março. Os aumentos mensais mostraram uma desaceleração muito pequena em relação a março, quando os preços subiram até 6,7% e foi registrada a maior inflação mensal desde 1991.

A inflação interanual atingiu 58% no último mês de abril, 2,9 pontos percentuais acima da variação registrada em março passado, sendo o valor mais elevado desde janeiro de 1992. Sob o governo de Alberto Fernández, a inflação anual superou o pico de 57,2% registrado em maio de 2019 durante o governo de Mauricio Macri. Até agora, durante o governo Kirchner, a inflação subiu de 52,1% em novembro de 2019 para os atuais 58%.

De acordo com as estatísticas do INDEC, apenas nos primeiros 4 meses de 2022 os preços acumularam um aumento de 23,1%. A meta de inflação para o final do ano foi completamente obliterada pela realidade.

Vestuário e calçados aumentaram quase 10% somente em abril, os preços em hotéis e restaurantes aumentaram 7,3%, a saúde aumentou 6,4% e os alimentos e bebidas não alcoólicas aumentaram 5,9%. Esses itens registraram os maiores aumentos em abril.

A inflação interanual dividia nestes setores nos permite ver o verdadeiro impacto no poder de compra do cidadão comum fora do valor geral. Alimentos subiram 62% em relação a abril de 2021saúde 58%, hotéis e restaurantes mais de 73%, e vestuário e calçados acumularam alta de 73,4%.

O FMI projetava um limite superior de 48% interanual para dezembro de 2022, mas o Governo admite que este valor não será alcançado e que a inflação poderá fechar o ano acima dos 60%.

O chamado “núcleo de inflação”, que desconsidera a variação de preços voláteis como energia e alimentos, atingiu 6,7% em abril. Houve aumento mesmo em relação à variação de março, quando havia sido registrada alta de 6,4%. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o núcleo da inflação atingiu 60,5%.

Esses últimos números foram especialmente relevantes porque permitem negar a história apresentada por Alberto Fernández, culpando a guerra na Ucrânia e o aumento dos preços da energia pela inflação abrupta. Os dados do INDEC confirmam que, sem energia e alimentos, a aceleração inflacionária é ainda pior, contrariando assim as afirmações do partido no poder. 

Continuar Lendo

Trending