Ligue-se a nós

Austrália

Escândalo político na Austrália: vice-primeiro-ministro renuncia após criticar Morrison em mensagens vazadas

Publicado

no

Em meio ao caos político na Austrália devido ao tratamento ditatorial da pandemia, o deputado Barnaby Joyce ofereceu sua renúncia após o vazamento de mensagens de texto descrevendo o presidente Scott Morrison como “hipócrita e mentiroso”.

Uma mensagem de texto privada na qual o vice-primeiro-ministro australiano Barnaby Joyce chamou o primeiro-ministro Scott Morrison de “hipócrita” e ” mentiroso” em março de 2021 vazou para a imprensa na semana passada.

Quando escreveu a mensagem, Joyce ainda não havia assumido o cargo de vice, que assumiu em junho, ao mesmo tempo em que foi nomeado presidente do conservador e ruralista Partido Nacional Australiano, que governa em coalizão com o Partido Liberal de Morrison.

Depois que essas mensagens vazaram, o vice-primeiro-ministro ofereceu sua renúncia. Mas Joyce foi à mídia no sábado para revelar que Morrison havia rejeitado sua oferta de renúncia, o que era esperado já que os nacionalistas não iriam remover Joyce da liderança, um movimento que poderia ter desencadeado uma eleição antecipada.

Morrison está experimentando um número recorde de reprovações e, embora o Partido Liberal tenha amplo apoio na sociedade, não pode vencer o Trabalhista hoje. A eleição regular é em setembro, e Morrison está fazendo todo o possível para reconstruir sua imagem até lá. Joyce comemorou esta decisão, dizendo que a rejeição de sua demissão foi “uma declaração de uma pessoa de grande caráter”.

O Sr. Joyce explicou que seus comentários foram baseados em 'suposições e comentários' enquanto estava no backbench
A mensagem de texto do vice-primeiro-ministro, em março de 2021

A mensagem foi enviada a Brittany Higgins, uma ex-funcionária liberal do Centro de Reclamações de Estupro, enquanto ele era um parlamentar.

Higgins pediu a Joyce seu apoio para melhorar a legislação para vítimas de agressão sexual, e o parlamentar nacionalista garantiu a ela que a apoiava, mas que não via como Morrison faria isso, já que ele era “um hipócrita e um mentiroso“.

Eu nunca confiei nele e não gosto de como ele reorganiza a verdade em mentira, sempre”, concluiu Joyce em sua mensagem. Na época, o governo estava sendo criticado por lidar com o suposto estupro que Higgins alegou contra um funcionário do Parlamento.

Joyce se desculpou por seus comentários, dizendo que eles eram baseados em “suposições e comentários, sem qualquer fundamento direto“. Lidar com alguém cara a cara no trabalho mais difícil do país é algo completamente diferente.”

“Estar realmente em uma sala com uma pessoa quando você está lidando com coisas como AUKUS, a pandemia, como tornamos nossa nação um lugar mais forte, traz uma perspectiva muito maior sobre uma pessoa do que eu podia saber de Morrison estando na Câmara”, justificou-se.

A mensagem privada veio à tona como parte de uma clara operação de imprensa antigovernamental e veio poucos dias depois de outro escândalo de mensagem de texto vazada envolvendo a ex-governadora liberal de Nova Gales do Sul, Gladys Berejiklian, que falhou em não informar sobre uma relação amorosa com o deputado Daryl Maguire.

Berejiklian acabou se demitindo em outubro de 2021, quando começou uma investigação por supostos favores políticos da então governadora ao deputado com quem namorava secretamente.

Mas só agora foram divulgadas as mensagens privadas que Berejiklian enviou falando sobre Morrison, a quem ela acusou de não tê-la apoiado durante o conflito. Nos textos, ele chamava o primeiro-ministro de “pessoa horrível, muito horrível” e “completo psicopata”.

Austrália: o primeiro-ministro de Nova Gales do Sul renuncia por suspeita de corrupção MUNDO The Intransigent
A ex-primeira-ministra de NSW Gladys Berejiklian, que renunciou após um escândalo de corrupção.

Por Nicolas Promanzio, para Jornal Direita

Austrália

Eleições na Austrália: Scott Morrison, arquiteto da ditadura sanitária, é derrotado pelo Partido Trabalhista

Publicado

no

O primeiro-ministro conservador admitiu a derrota eleitoral no sábado. Os eleitores históricos de seu partido não foram votar, revoltados com as restrições sanitárias.

Após o primeiro dia de eleições na Austrália desde o início da pandemia, o primeiro-ministro Scott Morrison, que buscava a reeleição após impor uma verdadeira ditadura sanitária ao país, admitiu ter sido derrotado pelo esquerdista Anthony Albanese.

Morrison, apesar de pertencer à Coalizão Liberal Nacional, formada por conservadores pró-mercado e de direita, enlouqueceu durante a pandemia impondo as restrições sanitárias mais extremas e insanas do mundo.

Apesar de manter um discurso liberal durante a campanha, durante os 2 anos que administrou a pandemia, Morrison foi um verdadeiro liberticídio. Permitiu aos estados impor quarentenas brutais e completamente inconstitucionais. Ele chegou a enviar as Forças Armadas para colaborar com os governos locais para que fizessem cumprir o confinamento total.

Enquanto cidades como Sydney praticamente não viram restrições, Melbourne e Canberra permaneceram em mais de 200 dias de quarentena total. Embora os governadores desses territórios pertençam ao Partido Trabalhista, o governo federal tem arcado com a promoção dessas políticas.

De fato, Morris financiou a construção de vários campos de quarentena, onde as pessoas que chegavam do exterior, que deram positivo ou que eram contatos próximos, eram obrigadas a permanecer isoladas em unidades de contenção.

O mais conhecido desses campos foi construído em Howard Springs, onde houve vários casos de pessoas que tentaram fugir e foram pegas pelas Forças de Segurança e impedidas de sair até que não tivessem dois testes negativos consecutivos.

Em seu discurso de derrota, Morrison chamou de dia “difícil” e “humilhante” para sua coalizão. Logo anunciou sua renúncia como líder do Partido Liberal e sua possível aposentadoria da política.

Coalizão Liberal Nacional, de centro-direita, obteve 35,4% dos votos, mas manteve apenas 55 assentos. Na Austrália, os parlamentares são eleitos por distritos uninominais, o que significa que não importa quem obtém mais votos, mas sim quem ganha mais distritos.

Para o total de votos da coalizão, o Partido Liberal de Scott Morrison contribuiu apenas com 23,2% dos votos, enquanto o Partido Liberal Nacional de Queensland, de centro-direita, obteve 7,9% dos votos e o Partido Nacional, de direita, ganhou 4,9 %.

Partido Trabalhista, de esquerda, obteve 32,5% dos votos, mas conquistou os mais importantes círculos eleitorais do país, com 72 cadeiras. O próximo primeiro-ministro será o líder trabalhista Anthony Albanese, um esquerdista que terá que formar um governo com os Verdes e vários deputados independentes.

Partido Verde, ambientalista, obteve 12,2% (praticamente o mesmo que vem conquistando todas as eleições há anos), e terá 2 assentos.

Finalmente, o partido de direita Katter ganhou o distrito Kennedy de Queensland e manteve seu assento no Parlamento. O mesmo vale para a Center Alliance, um partido político de centro liberal, que manteve seu assento no sul da Austrália.

Por sua vez, os candidatos independentes obtiveram 5,6% dos votos e 9 assentos, o que será essencial para Albanese chegar ao governo, já que precisa de 76 votos positivos no Parlamento para a maioria, e só tem 72 votos próprios mais os 2 verdes.

Continuar Lendo

Austrália

Com a queda de sua imagem, Scott Morrison antecipa as eleições na Austrália

Publicado

no

O primeiro-ministro australiano convocou eleições para 21 de maio, a data mais próxima permitida por lei, em busca de um quarto mandato de três anos.

A campanha eleitoral começa na Austrália com ligeira vantagem da oposição - Hola News

Este domingo o primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrisonadiantou as eleições para a data mais próxima permitida por lei , e recomendou ao governador-geral David Hurley que, como representante da rainha Isabel II, marcasse a data das eleições gerais para 21 de maio.

Nas eleições de 2019, Morrison e seu governo obtiveram uma vitória apertada depois de perder todas as pesquisas de opinião, que liderou o Partido Trabalhista Australiano de esquerda.

Nesta ocasião, a coalizão conservadora liderada pelo Partido Liberal volta a perder na maioria das pesquisas, e soma-se a isso a retumbante queda da imagem de Morrison por ter submetido o povo australiano à brutal quarentena e restrições sanitárias que continuam até hoje em dia.

É costume as eleições na Austrália serem no final do ano, entre setembro e novembro, mas o governo marcou a data o quanto antes, pois sabe que a cada mês que passa a imagem de Morrison cai ainda mais e ele perde eleitores para o partido trabalhista.

A Austrália era um dos países mais restritos do mundo, com campos de concentração para quem testou positivo para COVID, testes obrigatórios, passes sanitários, controle das ruas, uso obrigatório de máscara, entre outros, embora dependesse muito da região.

Isso derrubou a imagem do governo nacional, apesar de a grande maioria das restrições terem sido impostas pelos governadores locais. Mas Morrison teve a “má ideia” de colocar sua assinatura nas decisões mais polêmicas, como o passe sanitário forçado, que resultou em um escândalo global quando o número um do mundo Novak Djokovic foi negado a chance de jogar o Aberto da Austrália por não ser vacinado.

Morrison repete que graças às medidas extremas tomadas pelo governo, a Austrália registrou um dos menores números de mortes por coronavírus do mundo. O que o partido no poder nunca entendeu é que essa posição política é mais parecida com a da China do que com a de uma democracia ocidental, razão pela qual houve manifestações massivas contra o passe sanitário.

Esta eleição é uma escolha entre um governo que você conhece e vem cumprindo e uma oposição trabalhista que você não conhece”, disse Morrison, que busca um quarto mandato de três anos.

Quanto às relações exteriores, um assunto que encheu a opinião pública nos últimos anos devido ao crescimento da China na região, Morrison argumenta que Pequim quer que os trabalhistas ganhem porque podem facilmente manipulá-los a seu favor.

Os trabalhistas alegam ter frustrado o plano do governo em 2014 de assinar um tratado de extradição com a China. Desde então, as relações bilaterais se deterioraram e o governo agora alertou os australianos de que correm o risco de serem presos arbitrários se visitarem a China.

Quanto à política ambiental interna, há um consenso sobre a redução das emissões até 2050, estabelecendo metas de cinco anos e décadas, onde os trabalhistas têm uma posição mais radical e menos realista.

Fazendo um balanço das relações assimétricas da Austrália com a China |  Instituto de Relações Internacionais Praga - Expertise para impactar
Tensão nas relações entre ministros australianos e chineses.

Analistas conservadores estão confiantes de que Morrison voltará a ganhar destaque. No entanto, pesquisas de opinião recentes mostram que as quatro questões que mais importam para os australianos são de natureza local e não têm nada a ver com as mudanças climáticas.

O tema mais votado foi “expandir o sistema público de saúde”, que vem crescendo a passos largos desde a pandemia. Atualmente, a Austrália tem um sistema misto, com hospitais estaduais e instalações de atendimento administrados por governos regionais (não há sistema público nacional) combinados com clínicas privadas de alta qualidade.

Neste ponto, os trabalhistas são os que mais ganham, pois querem instalar um sistema público garantido pelo governo federal, como o Reino Unido tem o NHS. De acordo com a pesquisa, os australianos também querem um sistema público ou subsidiado para prestar assistência médica aos aposentados e mais apoio aos pacientes com problemas de saúde mental.

Além disso, os australianos estão interessados ​​em “expandir a Indústria Local”, algo que se enquadra diretamente no conflito com a China. Este ponto pode beneficiar mais os conservadores, mas Morrison teve um discurso muito ruim sobre essa questão.


Por Nicolás Promanzio, para Jornal Direita/La Derecha Diario.

Continuar Lendo

Austrália

Manifestação massiva na Austrália pelo fim do passe sanitário e dos campos de isolamento

Publicado

no

Centenas de milhares de manifestantes se reuniram em Canberra na maior mobilização até hoje, contra as restrições sanitárias e o passe sanitário. Morrison surpreendeu ao apoiar o protesto.

Inspirados pelos protestos no Canadá, centenas de milhares de australianos se mobilizaram no sábado para protestar contra o passe sanitário e pedir pelo fim das restrições sanitárias.

Os manifestantes foram acompanhados por caminhoneiros e produtores rurais em tratores, imitando o Comboio da Liberdade Canadense. O protesto foi um dos maiores até hoje, enchendo completamente a praça em frente ao prédio do parlamento.

Entre as reivindicações, pede-se ao governo federal que elimine o passe sanitário, já que este elimina os direitos civis dos cidadãos caso não sejam vacinados e os discrimina com base em sua saúde. Além disso, alega-se a eliminação do uso obrigatório de máscaras e desmantelamento do sistema de centros de isolamento, que está perigosamente próximo de uma ditadura.

O primeiro-ministro conservador, Scott Morrison, surpreendeu com sua reação à grande manifestação, pois pela primeira vez não se opôs a um protesto contra as restrições sanitárias.

Em entrevista esta manhã, ele garantiu que “os manifestantes estão protestando pelas coisas que os preocupam” e pediu à polícia que não reprima o ato de hoje.

A Austrália é um país livre e eles têm o direito de protestar. Eu pediria que fizessem isso de forma pacífica e respeitosa, nada mais“, disse ele a repórteres.

O que sim, ele esclareceu aos manifestantes que “o governo federal só apoiou o passe sanitário para cuidadores de deficientes e idosos, bem como para trabalhadores da saúde”.

Todos os outros mandatos relacionados a vacinas foram impostos unilateralmente pelos governos estaduais, não por nós”, concluiu.

No entanto, ele não mencionou nada sobre o uso de máscara, quarentenas intermitentes, lotação e distanciamento social, que recentemente assinou para estender todas essas medidas sanitárias até pelo menos 17 de abril, usando como desculpa a onda de casos de COVID-19 no país.

Continuar Lendo

Trending