Ligue-se a nós

Economia

Guzmán, sobre la deuda: descartó una devaluación y pidió terminar con la dependencia del FMI

Publicado

no

El ministro de Economía aseguró que se está trabajando para llegar a un acuerdo de reestructuración del crédito por US$ 45.000 millones.

El ministro de Economía, Martín Guzmán, habló sobre aseguró el crédito por US$ 45.000 millones que el gobierno conducido por Mauricio Macri selló con Fondo Monetario Internacional (FMI). El funcionario considero que “que esté el FMI en la Argentina es un gran problema”. Además dijo que “acabar con la dependencia del FMI es un acto de soberanía”, y que se está trabajando para llegar a un acuerdo de reestructuración en el cual el principio de soberanía económica sea “absolutamente innegociable”.

Al respecto, recordó que el exdirector por Estados Unidos en el FMI (Mauricio Clave Carone) en aquel entonces reconoció públicamente que aquel programa fue un “apoyo político” a su campaña electoral y que es “ahora el pueblo argentinos el que lo está pagando”.

“Nosotros estamos tratando de refinanciar esa deuda en cuotas, de modo que que no impida el desarrollo de las oportunidades de nuestro pueblo”, apuntó Guzmán este domingo sobre las negociaciones que se están llevando con el organismo, en el marco de un panel titulado “Cómo salir de la trampa de la deuda eterna” del que participaron el exministro de Finanzas de Grecia, Yanis Varoufakis, y el economista y exministro de Conocimiento y Talento Humano del Ecuador, Andrés Arauz.

Guzmán: «Acabar con la dependencia del FMI es un acto de soberanía» |  Diario Primera Linea

“Acabar con la dependencia del FMI es un acto de soberanía. Que esté el FMI en la Argentina es un gran problema desde la construcción de la política económica desde la soberanía. Por eso negociamos una solución de una forma que ese principio sea absolutamente innegociable”, señaló el funcionario.

Guzmán recordó las dificultades que debió atravesar el Gobierno actual para alcanzar un acuerdo de reestructuración de deuda con lo acreedores privados en 2020, dado que “cuando uno negocia con Wall Street está negociando con los acreedores más poderosos del mundo”.

“Hay un campo muy complicado donde lo que abunda es el lobby y se ve todo el tiempo en al comunicación pública. Todo el mundo está empujando al acuerdo rápido a cualquier valor, que busca asustar y que contribuye a que los acuerdos no sean buenos”, afirmó.

En ese sentido, dijo que gracias a resistir las presiones se pudo alcanzar un acuerdo “sano” para el país que le permitió ahorrar unos US$ 35.000 millones en el plazo de 10 años, además de un recorte de capital de casi el 2%.

De cara a lo que se está negociando con el organismo internacional, Guzmán aseveró que “el problema de la balanza de pagos hoy es el FMI y lo trajo Macri” y que, para saldar ese problema, “estamos buscando un acuerdo sobre nuestra programación económica”.

“Buscamos un acuerdo que a la larga sea sostenible. Ahora, es tan grande la deuda que va a llevar distintos pasos poder ir resolviendo este problema”, destacó.

Y se preguntó: “¿Se puede patear el tablero? ¿Decir la deuda se acabó, fuera el FMI? Hay que entender que el rival también juega y estamos hablando de una relación entre un Estado nación y el resto de los estados nación del mundo, de la integración de la Argentina al mundo, que favorezca las oportunidades de desarrollo de nuestra economía real”.

“Un mal acuerdo, que socave las posibilidades del pueblo argentino y que le generen un problema de credibilidad al Estado sería lo que le pasó al gobierno de Juntos por el Cambio. Hubo tanto optimismo en 2016 en parte del mundo que después, con el colapso del modelo económico, la decepción fue proporcional al daño que le provocó al pueblo argentino”, dijo Guzmán.

Sobre el cierre de su exposición, Guzmán recordó que “el Gobierno conduce pero es importante que los distintos sectores del poder económico acepten la premisa de nuestro gobierno de buscar un acuerdo que funcione, no cualquier acuerdo”.

Economia

Políticas ecológicas geram um colapso da economia do Sri Lanka: escassez, crise energética e default

Publicado

no

O país vive a pior crise desde sua independência em 1948. O governo socialista levou ao desastre econômico depois de forçar a agricultura orgânica, que deixou o país sem alimentos e sem importações.

O presidente socialista Gotabaya Rajapaksa levou o Sri Lanka a um desastre econômico e social sem precedentes, e o país está em sua pior crise desde a independência do Reino Unido em 1948.

Após a sua vitória nas urnas em 2019, o atual Governo prometeu realizar uma transição “ecológica” pouco convencional a uma “agricultura orgânica” dentro de 10 anos, contudo, nos primeiros 3 anos destas medidas, toda a economia já colapsou.

A economia do Sri Lanka é especializada na produção de matérias-primas, bem como na fabricação de produtos têxteis e vestuário, com forte dependência de seus próprios recursos primários. A transição para a agricultura orgânica com critérios pseudocientíficos e métodos pré-industriais causou uma violenta crise econômica, que desencadeou uma crise energética e forçou o governo a dar calote na dívida pública por esgotar as reservas.

Uma política “verde” que desmoronou o país em tempo recorde

Por volta do mês de maio de 2021, o governo socialista decretou a proibição total da importação e uso de fertilizantes sintéticos, além de pesticidas naturais. O fundamentalismo ecológico chegou ao extremo e tentou forçar a transição por meio de uma proibição estatal, em vez de incentivos, como a remoção de impostos sobre pesticidas naturais.

Essa mudança marcou uma ruptura extrema com o modelo que, até 2021, era aplicado no Sri Lanka. Os governos antecessores aderiram a um vasto programa de subsídios econômicos para fertilizantes, que chegou a representar mais de 50% de todos os gastos governamentais com agricultura durante o ano de 2020. Em apenas alguns meses e de forma abrupta, foi revertido de uma política de subsídios econômicos para incentivar o uso de um produto a uma proibição total desse bem.

Além disso, e seguindo a retórica socialista, o Governo promoveu ativamente a abertura de hortas orgânicas em pequenas casas, como uma suposta medida para aliviar a fome e a pobreza alimentar no país.

O impacto na agricultura foi catastrófico, afetando cerca de 25% da população do Sri Lanka que se dedica inteiramente a este setor. A produtividade caiu a níveis ridículos, a produção agrícola praticamente caiu a zero e gerou-se uma profunda depressão econômica que se espalhou por todo o sistema.

A recessão econômica destruiu o saldo exportável do país, de modo que as importações não podiam mais ser pagas com a entrada de divisas das exportações.

Esse fato foi a gênese da crise energética que o país atravessa hoje. Em pouco mais de 2 anos, o Sri Lanka ficou sem alimentos, sem produção de grãos, sem produtos importados e consequentemente, sem energia.

O próprio Governo reconhece que o país já não tem divisas suficientes para lidar com a importação de combustíveis, e as forças de segurança começaram a abrir fogo contra manifestantes que estão nas ruas há semanas exigindo uma mudança de rumo.

Somente na semana passada, até 300 mortes já foram registradas devido à repressão aos protestos contra o governo. Infelizmente, o povo do Sri Lanka teve que aprender da maneira mais difícil sobre a perversidade do socialismo.

Continuar Lendo

China

A passos de uma recessão global : a indústria na China caiu 7% em abril e as vendas no varejo caíram 0,7%

Publicado

no

As medidas sanitárias extremistas do regime comunista, juntamente com uma crise imobiliária e energética, ameaçam derrubar a economia do gigante asiático e gerar uma nova recessão mundial.

Os principais indicadores técnicos da economia chinesa mostram resultados cada vez mais decepcionantes, e antecipam uma possível recessão como não se via desde 2020. O Índice de Produção Industrial caiu violentamente para 7,08% no mês de abril, em relação ao mês anterior.

Esta é a segunda maior queda na China nas últimas duas décadas, atrás apenas da queda em janeiro de 2020 devido ao início da pandemia. Somente com a queda em abril a indústria voltou ao patamar agregado que tinha em outubro de 2020, segundo a série sem sazonalidade.

Perto de 37,5% do PIB chinês é explicado pela atividade industrial, e também tem a proporção mais importante da oferta da demanda mundial. O efeito recessivo sobre a atividade manufatureira é um choque na oferta para o mundo.

A queda de 0,69% foi registrada no Índice de Vendas no Varejo em abril, o segundo dado recessivo após ter registrado outra queda mensal de 2% em março. Os serviços representam quase 60% da economia chinesa e, neste caso, o efeito recessivo tem um impacto mais direto na economia local do que a nível internacional.

Ajustando pelo efeito da inflação, o gasto agregado do consumidor permaneceu praticamente estagnado desde janeiro de 2021 em termos reais. Este número é extremamente pessimista tendo em conta que, até 2019, o consumo privado crescia a uma taxa de 5% ao ano.

A previsão de crescimento para a China é de 4,4% segundo o Fundo Monetário Internacional, embora as previsões privadas projetem apenas 4% ao ano. Mas esses números mostram apenas um arrasto estatístico em relação a 2021, e praticamente o crescimento efetivo para 2022 seria o mais modesto desde a década de 1980. Todas as projeções de crescimento estão longe da meta proposta pelo Partido Comunista, em torno de 5,5% ao ano até 2022.

Há três razões fundamentais para explicar a recessão incipiente na China: as políticas de “Covid zero” promovidas pelo ditador Xi Jinping, a crise imobiliária e, finalmente, a crise energética. Juntos, esses elementos formam uma espécie de tempestade perfeita.

As novas medidas sanitárias da ditadura comunista incluem o regresso dos confinamentos massivos e rigorosos, embora com um âmbito geográfico substancialmente inferior ao realizado em 2020.

Por outro lado, a crise no setor imobiliário (que representa 29% do PIB chinês) continua fora do controle das autoridades. Após o colapso da gigante empresa Evergrande, o “efeito contágio” no sistema financeiro arrastou pelo menos 10 incorporadoras chinesas do mercado imobiliário.

O caso mais recente de inadimplência foi ajuizado pela Sunac, uma incorporadora imobiliária que não podia arcar com pagamentos de 742 milhões de dólares com credores internacionais.

Em terceiro lugar, a crise energética responde ao sistema de preços deficiente que prevalece nas tarifas dos serviços públicos. Ao contrário de outros países, a China regula fortemente o preço das tarifas de energia e o choque internacional causado pela guerra na Ucrânia não poderia ser totalmente compensado por um “efeito preço” percebido pelos consumidores, e em vez disso a correção é feita nas quantidades (escassez).

A economia chinesa também é substancialmente mais sensível diante das mudanças na oferta mundial de energia, não apenas devido à rigidez no sistema de preços, mas também por ser o principal país consumidor de energia do mundo.  

Continuar Lendo

Argentina

A inflação interanual atingiu 58% em abril, e a inflação “núcleo” já ultrapassa os 60%

Publicado

no

 A inflação argentina manteve-se elevada em abril, apesar da ligeira desaceleração para 6% no mês. Só neste ano os preços acumulam alta de 23%.

Conforme antecipado pela média das consultoras privadas, o Instituto Nacional de Estatística e Censos (INDEC) anunciou que o Índice de Preços ao Consumidor aumentou 6% em abril em relação a março. Os aumentos mensais mostraram uma desaceleração muito pequena em relação a março, quando os preços subiram até 6,7% e foi registrada a maior inflação mensal desde 1991.

A inflação interanual atingiu 58% no último mês de abril, 2,9 pontos percentuais acima da variação registrada em março passado, sendo o valor mais elevado desde janeiro de 1992. Sob o governo de Alberto Fernández, a inflação anual superou o pico de 57,2% registrado em maio de 2019 durante o governo de Mauricio Macri. Até agora, durante o governo Kirchner, a inflação subiu de 52,1% em novembro de 2019 para os atuais 58%.

De acordo com as estatísticas do INDEC, apenas nos primeiros 4 meses de 2022 os preços acumularam um aumento de 23,1%. A meta de inflação para o final do ano foi completamente obliterada pela realidade.

Vestuário e calçados aumentaram quase 10% somente em abril, os preços em hotéis e restaurantes aumentaram 7,3%, a saúde aumentou 6,4% e os alimentos e bebidas não alcoólicas aumentaram 5,9%. Esses itens registraram os maiores aumentos em abril.

A inflação interanual dividia nestes setores nos permite ver o verdadeiro impacto no poder de compra do cidadão comum fora do valor geral. Alimentos subiram 62% em relação a abril de 2021saúde 58%, hotéis e restaurantes mais de 73%, e vestuário e calçados acumularam alta de 73,4%.

O FMI projetava um limite superior de 48% interanual para dezembro de 2022, mas o Governo admite que este valor não será alcançado e que a inflação poderá fechar o ano acima dos 60%.

O chamado “núcleo de inflação”, que desconsidera a variação de preços voláteis como energia e alimentos, atingiu 6,7% em abril. Houve aumento mesmo em relação à variação de março, quando havia sido registrada alta de 6,4%. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o núcleo da inflação atingiu 60,5%.

Esses últimos números foram especialmente relevantes porque permitem negar a história apresentada por Alberto Fernández, culpando a guerra na Ucrânia e o aumento dos preços da energia pela inflação abrupta. Os dados do INDEC confirmam que, sem energia e alimentos, a aceleração inflacionária é ainda pior, contrariando assim as afirmações do partido no poder. 

Continuar Lendo

Trending