Ligue-se a nós

Israel

O governo Biden vai doar 99 milhões de dólares à Agência da ONU para a Palestina

Publicado

no

A UNRWA voltou aos altos níveis de financiamento de que desfrutava durante o governo Obama. Apesar de vários escândalos de extremismo islâmico, anti-semitismo e anti-cristianismo, Biden já enviou 150 milhões de dólares, e agora outros 99 milhões.

O governo Joe Biden deu uma reviravolta total em sua política de financiamento para o conflito israelense-palestino. Depois de bloquear a venda de mísseis ao governo israelense no Congresso, o governo democrata se concentrou em aumentar as doações “humanitárias” aos palestinos.

Após uma doação de US $ 150 milhões em abril do ano passado do governo dos EUA, a UNRWA (Organizações das Nações Unidas para Refugiados da Palestina) receberá agora mais 99 milhões.

A decisão anunciada na semana passada pelo Bureau de População, Refugiados e Migração do Departamento de Estado dos EUA visa “fornecer educação, saúde e apoio emergencial a centenas de milhares de crianças palestinas e suas famílias durante um momento de necessidade “.

No entanto, nos últimos tempos, a agência esteve envolvida em mais notícias por escândalos do que por bons resultados, já que casos de professores de escolas palestinas da UNRWA foram encontrados com postagens em redes sociais incitando o jihadismo e o extremismo islâmico e convocando ataques contra cristãos e judeus no Oeste, com a Europa como principal alvo.

Não apenas professores e funcionários da UNRWA foram descobertos promovendo a violência, como também livros antijudaicos que distribuem para alunos e estudantes, e que promovem o terrorismo.

Capa do “Envenenamento de Crianças Palestinas”. UN WATCH Relatório investigativo de fevereiro de 2017 provando incitação ao terrorismo jihadista e anti-semitismo por professores palestinos da UNRWA.

A ajuda à UNRWA foi congelada em 2018 pelo ex-presidente Donald Trump, que teve o apoio total do então primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, para cortar a ajuda “humanitária” à Palestina, depois que vários relatórios mostraram que esse dinheiro acabou nas mãos de terroristas grupos.

Em abril de 2020, quando Biden decidiu voltar a fazer doações para a UNRWA, Netanyahu ainda estava no poder e criticou duramente a decisão, tentando bloqueá-la, mas sem sucesso.

Agora, sob o governo de Naftali Bennett, que apesar de ser uma direita sionista está em coalizão com partidos de esquerda, nenhuma autoridade israelense criticou o movimento de Biden e curvou a cabeça contra o perigoso movimento dos EUA.

Israel

Nova onda de atentados em Israel: terroristas muçulmanos fizeram três ataques em apenas 7 dias

Publicado

no

O jihadismo não dá trégua. Após os ataques brutais durante o Ramadã, grupos terroristas palestinos lançam uma nova onda de atentados contra civis israelenses.

Após a onda de atentados em abril devido ao Ramadã, que deixou 15 israelenses mortos, as autoridades governamentais esperavam um período de paz, mas o jihadismo islâmico continua mais brutal e sangrento do que nunca.

Nos últimos 7 dias, 3 ataques de terroristas palestinos voltaram a colocar o país no limite, enquanto o governo Naftali Bennett, que está prestes a entrar em colapso e convocar eleições antecipadas, vive um momento de crise.

A primeira desta última semana ocorreu em Elad, no centro de Israel, em 5 de maio. O ataque deixou três cidadãos israelenses mortos e quatro feridos, e testemunhas na cena do crime nesta cidade de maioria judia ultraortodoxa viram pelo menos dois assaltantes, um com uma arma de fogo e outro com um grande machado ou faca.

O ataque coincidiu com a celebração  do Dia da Independência de Israel. As autoridades pediram aos habitantes de Elad que permaneçam em suas casas enquanto a situação volta ao normal.

Três dias depois, em 8 de maio, um palestino começou a atacar transeuntes em Jerusalém com uma faca até ser morto a tiros pelas forças de segurança. Apenas uma pessoa ficou gravemente ferida, um policial de fronteira de 24 anos.

O ataque ocorreu perto do Portão de Damasco, na Cidade Velha. O terrorista, identificado como morador de Ramallah e de apenas 19 anos, foi atingido por 5 balas e foi evacuado para o Hadassah Mount Scopus Medical Center.

Por último, na noite do último domingo, um terrorista árabe foi morto pela polícia de fronteira enquanto tentava se infiltrar na cidade de Tekoa, na área de Gush Etzion, ao sul de Jerusalém.

O terrorista estava escalando uma cerca do lado de fora da casa de um membro da equipe de resposta rápida da cidade. O morador viu o terrorista e ordenou que parasse. Depois que o terrorista o ignorou, o morador abriu fogo, matando o terrorista.

As forças de segurança israelenses foram enviadas para Tekoa e lançaram uma varredura de segurança na área circundante, procurando quaisquer outros terroristas potencialmente envolvidos na infiltração abortada.

Autoridades locais pediram aos moradores que fiquem em casa até que as forças de segurança verifiquem que a ameaça foi removida. Após os ataques, Israel permanece em estado de alarme e estima que os ataques não pararão no curto prazo.

Continuar Lendo

Israel

Turquia deporta terroristas palestinos do Hamas para Israel, em nova reaproximação com o Estado judeu

Publicado

no

Erdogan parece determinado a consertar as relações com Israel e, após a visita do presidente Isaac Herzog à Turquia, ordenou a extradição de vários terroristas palestinos para Tel Aviv.

O presidente Recep Tayyip Erdogan parece querer reviver as relações amistosas com Israel e ordenou a deportação de mais de uma dúzia de terroristas palestinos ligados ao Hamas para o país judeu, algo que o governo israelense há muito pede.

Segundo fontes palestinas, a Turquia recebeu uma lista de todos os prisioneiros do Hamas que Israel quer processar em seu próprio território. Obviamente, antes do julgamento eles querem extrair informações cruciais para a segurança do Estado de Israel.

Nas últimas semanas, Erdogan e o governo israelense mostraram sinais de reconstrução da relação amistosa que mantinham nos primeiros anos do mandato do histórico líder turco que governa seu país desde 2003. Essa relação, que chegou a ser considerada uma aliança, durou até 2009, quando uma série de acontecimentos desencadeou fortes tensões entre os dois países.

Em 1949, a Turquia tornou-se o primeiro país muçulmano a reconhecer Israel, e a nação turca nunca se juntou às múltiplas guerras que o mundo árabe lançou contra o nascente Estado judeu. No entanto, em 1987, durante o governo de fato de Kenan Evren, a Turquia reconheceu o Estado da Palestina e as relações começaram a azedar. Em 2004, o presidente Ahmet Necdet Sezer declarou o governo israelense na Faixa de Gaza como “terrorismo de Estado” e as relações foram cortadas.

Erdogan, que era primeiro-ministro na época, tentou consertar as relações, mas em 2009, depois que nove ativistas de origem turca foram mortos na Frota da Liberdade de Gaza em confrontos entre palestinos e tropas israelenses, a situação atingiu um ponto de ebulição.

Seis anos de isolamento total se passariam, quando em 2015 foi tentada uma reaproximação entre Netanyahu e Erdogan, e os países voltaram a enviar embaixadores aos seus homólogos, até 2018, quando Trump decidiu transferir a embaixada dos EUA para Jerusalém. Erdogan passava por um momento difícil politicamente e aproveitou a situação para marcar pontos com os grupos islâmicos turcos. Ele retirou o embaixador israelense e cortou relações novamente.

Agora, parece que voltou a colocar o rabo entre as pernas. Há apenas um mês, o novo presidente israelense Isaac Herzog visitou Erdogan, na primeira visita do Estado israelense à Turquia desde 2008. O presidente turco assegurou que “esta visita histórica será um ponto de viragem nas relações entre a Turquia e Israel. O fortalecimento das relações com o Estado de Israel é de grande valor para o nosso país”, e ordenou a Cavusoglu, o ministro das Relações Exteriores da Turquia, que visite Tel Aviv no próximo mês e renove o embaixador.

Continuar Lendo

Israel

Novo ataque terrorista jihadista em Israel deixa 3 mortos

Publicado

no

Nesta quinta-feira houve um novo ataque terrorista em Israel que deixou 3 mortos e mais de uma dúzia de feridos. Em apenas 3 semanas, quase 15 cidadãos israelenses morreram nas mãos de terroristas islâmicos.

Nesta quinta-feira, 6 de abril, Israel foi vítima de mais um ataque terrorista, que faz parte da recente onda de ataques cometidos por muçulmanos radicais, geralmente palestinos, e simpatizantes do ISIS, Fatah ou Hamas. No ataque, cometido com arma de fogo, 3 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas.

A área do ataque nesta ocasião foi uma área popular de bares em Tel Aviv, que é frequentemente frequentada por jovens. 2 vítimas eram amigos de infância que moravam juntos como companheiros de quarto, que foram tomar uma cerveja depois do trabalho. O terceiro falecido é pai de família, com 3 filhos, que soube representar Israel na disciplina de Kayak nos Jogos Olímpicos de Pequim 2008 e Londres 2012.

O agressor é Raed Hazem, um palestino de 28 anos que vive na Judéia e Samaria. Hazem foi morto horas depois. Presume-se que Hazem tenha sido um apoiador do Fatah, o partido político que atualmente governa a Autoridade Nacional Palestina, que governa a Judéia e Samaria. No entanto, o Hamas, que controla a Faixa de Gaza, também aplaudiu o assassinato de civis judeus.

Após os fortes acontecimentos, nesta sexta-feira o 8º primeiro-ministro Naftali Bennett declarou que estava dando às forças de segurança “total liberdade de ação para derrotar o terror”.

Desde 22 de março, data do primeiro ataque terrorista desta nova onda sangrenta desencadeada por muçulmanos radicais, 14 cidadãos israelenses morreram, além dos 9 agressores.

Continuar Lendo

Trending