Ligue-se a nós

Rússia

O Parlamento russo aprovou o pedido de Putin para usar as Forças Armadas russas na Ucrânia

Publicado

no

Esta tarde, o Senado russo legitimou a invasão russa das regiões orientais da Ucrânia, iniciada por Putin na noite de segunda-feira.

Câmara Alta do Parlamento da Rússia, chamada de Conselho da Federação, que funciona como um Senado, votou por unanimidade para atender ao pedido de Vladimir Putin de usar as Forças Armadas fora do país, o passo preliminar necessário exigido por um presidente russo para invadir outro país.

Em 22 de fevereiro, Putin enviou uma carta ao Conselho pedindo a formalização de um destacamento militar nas regiões orientais da Ucrânia para ajudar a “manter a paz” nas regiões onde os separatistas apoiados pela Rússia querem estabelecer duas “repúblicas independentes”.

Na carta, Putin estabeleceu condições que, segundo ele, acabariam com a crise que ameaçou mergulhar a Europa na guerra. Isso inclui a Ucrânia desistindo de sua ambição de se juntar à OTAN e as nações ocidentais interrompendo os envios de armas para o país.

Ele também disse que o acordo de paz com a Ucrânia, conhecido como acordo de Minsk, que visa encerrar o conflito no leste da Ucrânia em 2014 “não existe mais” e culpou Kiev por encerrá-lo.

O apoio do Parlamento vem apenas um dia depois que Putin ignorou as advertências ocidentais e disse que reconheceria as propostas de independência de separatistas apoiados por Moscou que controlam partes das regiões de Donetsk e Lugansk, no leste da Ucrânia.

Segundo Putin, os guerrilheiros separatistas não podem defender civis de etnia russa dos “ataques” do Exército ucraniano, por isso é necessário o envio de “forças de paz”.

Atualmente, os militares ucranianos controlam cerca de dois terços do território do lado de uma linha de contato, incluindo o importante porto de Mariupol, no Mar de Azov. Os separatistas controlam o outro terço, incluindo as duas capitais provinciais, Donetsk e Lugansk.

Da Casa Branca, eles já marcaram oficialmente o envio de tropas russas no leste da Ucrânia como uma “invasão”, indicando que foi ultrapassada uma linha vermelha que levaria os Estados Unidos a impor severas sanções contra Moscou.

Achamos que isso é, sim, o início de uma invasão, a mais recente invasão russa da Ucrânia”, disse Jon Finer, vice-assessor de segurança nacional sênior. “Uma invasão é uma invasão e é isso que está acontecendo”.

Crise na Ucrânia: Rússia ordena tropas em regiões controladas por rebeldes - BBC News

Rússia

Rússia apreende a usina nuclear de Zaporiji: o ministro Marat Jusnulin se ofereceu para vender energia para a Ucrânia

Publicado

no

A fábrica está localizada em território ucraniano, mas está sob domínio russo. Autoridades de Kiev denunciaram que Moscou está preparando um referendo na região.

O vice-primeiro-ministro russo, Marat Khusnulin, disse na quarta-feira (18) que a usina nuclear de Zaporizhia – em território ucraniano, mas sob domínio russo – está pronta para fornecer energia à Ucrânia, desde que Kiev esteja disposta a recebê-la e pagar por ela.

“A usina nuclear começará a funcionar. Temos uma vasta experiência trabalhando com usinas nucleares. Se a Ucrânia estiver pronta para receber e pagar, a fábrica funcionará para eles. Se eles não aceitarem, vou trabalhar para a Rússia”, disse.

Sobre a  produção de energia em Zaporizhia, Jusnulin disse que a energia nuclear é uma das mais baratas ao mesmo tempo em que destacou que “não há dúvida” onde pode ser vendida, segundo a agência de notícias russa TASS .

O vice-primeiro-ministro russo deslocou-se esta quarta-feira à cidade de Melitopol, perto da central nuclear de Zaporizhia, de onde comentou que esta zona está destinada a trabalhar “em família” com a Rússia.

“É por isso que vim aqui, para dar o máximo de assistência e uma oportunidade de reintegração“, disse o vice-primeiro-ministro, que já visitou alguns pontos da região de Kherson na terça-feira  para discutir a recuperação econômica após confrontos entre tropas ucranianas e russas.

Na semana passada, o conselheiro do Ministério do Interior ucraniano,  Vadym Deniseko, denunciou que os ocupantes russos receberam ordens do Kremlin para preparar um referendo nas regiões de Kherson e Zaporizhia nos próximos meses.

Por sua vez, o presidente da administração militar regional de Kherson,  Gennady Laguta, informou que os ocupantes estão coletando dados pessoais dos moradores para as eleições e expressou sua crença de que os habitantes de Kherson apoiam a Ucrânia e não irão ao referendo.

A agência Unian lembrou que os russos planejam realizar um “censo” da população na região de Kherson, assim como fizeram na península ucraniana da Crimeia, anexada pela Rússia em 2014.

Continuar Lendo

Rússia

Rússia dobra receita de combustíveis fósseis desde o início da invasão da Ucrânia

Publicado

no

Enquanto a União Europeia pede o corte do comércio com Moscou, a economia russa está se fortalecendo, dobrando sua receita com as exportações de energia em dois meses.

A Rússia dobrou sua receita com a venda de combustíveis fósseis para a União Europeia durante a guerra de dois meses na Ucrânia, beneficiando-se do aumento dos preços mesmo com volumes baixos.

As exportações de petróleo, gás e carvão significaram receitas de 62 bilhões de euros desde 24 de fevereiro, segundo um relatório do Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo (CREA).

Os países da União Européia compraram nos últimos dois meses 71% dos combustíveis fósseis exportados pelas empresas russas. No total, os europeus compraram gás e petróleo por 44 bilhões de euros. Em comparação, nos últimos anos, a média mensal das exportações para a União Europeia tinha sido de 12 bilhões de euros por mês.

Na União Européia, a Alemanha tem sido o maior importador, cobrindo 42% de sua geração de eletricidade com gás russo, e praticamente cobrindo todas as despesas da Rússia na guerra.

Putin conseguiu continuar a se beneficiar de seu domínio sobre o fornecimento de energia da Europa, mesmo quando os governos tentaram freneticamente impedir o Kremlin de usar petróleo e gás como arma de chantagem.

Por serem capazes de exigir preços mais altos por seus hidrocarbonetos, sua renda aumentou mesmo com as sanções e restrições à exportação em vigor. Putin efetivamente prendeu os europeus em uma armadilha em que quanto mais restrições, mais altos serão os preços da energia.

O gráfico a seguir ordena os importadores do maior para o menor em bilhões de euros (bilhões) cobrindo o período de 24 de fevereiro a 24 de abril de 2022. A cor vermelha corresponde às importações de gás e a amarela às importações de petróleo.

Para colocar em magnitude a armadilha que a Alemanha caiu, o país pagou mais de 8 bilhões de euros por importações desde o início da guerra. Por sua vez, Itália e Holanda também foram grandes importadores, com cerca de € 6,9 bilhões e € 5,6 bilhões, respectivamente, mas como esses países operam grandes portos, as importações provavelmente acabaram sendo comercializadas em outros lugares. 

O caso mais grave é o do país alemão, que ao invés de tomar decisões estratégicas para depender menos dos recursos russos, como fez a Polônia com a construção do Canal do Báltico, por exemplo, não teve melhor ideia do que fechar suas últimas centrais nucleares e avançar com a construção e apresentação do Nord Stream 2

A independência energética é essencial para evitar chantagens de qualquer país. Situação semelhante esta passando entre a Espanha e a Argélia, que ameaçou cortar o fornecimento de gás se o governo Sánchez o desviar para Marrocos.

Aqueles governos que buscam ser soberanos devem tomar as decisões políticas estratégicas apropriadas, caso contrário continuarão de joelhos diante dos países que possuem hidrocarbonetos

Continuar Lendo

Rússia

Rússia suspende entrega de gás para a Polônia por sua ajuda à Ucrânia: o país europeu pode enfrentar graves apagões

Publicado

no

Autoridades da Polônia e da Bulgária dizem que a Rússia suspenderá as entregas de gás natural a seus países a partir de quarta-feira, por se recusar a pagar o gás em rublos e por continuar a enviar armas para a Ucrânia.

Autoridades na Polônia garantiram que a Gazprom, gigante de energia dependente do Estado da Rússia, suspenderá as entregas de gás natural a partir desta quarta-feira.

Apesar de ameaçar muitas vezes desde o início da invasão da Ucrânia, é a primeira vez que o presidente russo, Vladimir Putin, aprova a suspensão do serviço a “compradores estrangeiros hostis”, como chamou os países que ajudam no esforço de defesa ucraniano.

A Polônia, como grande parte da Europa, importa grandes quantidades de gás natural russo para aquecer residências, gerar eletricidade e indústria de combustível. As importações continuaram apesar da guerra na Ucrânia e dezenas de sanções impostas à Rússia.

Em 2020, mais de 66% da matriz energética polonesa dependia das importações de gás, petróleo e carvão russos. Embora a Polônia esteja construindo desde o ano passado o Tubo do Báltico, para acessar o gás norueguês a um preço competitivo, ainda obtém 46% de seu gás, 64% de seu petróleo e 15% de seu carvão da Rússia, segundo o Forum. Energii.

De acordo com a Gazprom, as entregas de gás serão cortadas porque a Polônia se recusou a pagar em rublos, uma condição que Putin decretou em março. Mas está claro que a verdadeira razão é porque a Polônia tem sido um dos maiores defensores da Ucrânia, fornecendo-lhe armas, tanques, veículos blindados, suprimentos e até aviões de guerra.

A empresa estatal de gás da Polônia PGNiG disse que foi notificada pela Gazprom na terça-feira que as entregas pelo gasoduto Yamal-Europe seriam interrompidas na quarta-feira. O gasoduto Yamal transporta gás natural da Rússia para a Polônia e Alemanha, via Bielorrússia, embora os embarques para a Alemanha não seriam interrompidos, de acordo com o Kremlin.

A Rússia também suspenderá os embarques para a Bulgária, através do gasoduto TurkStream. O governo búlgaro também ajudou a Ucrânia e se recusou a pagar em rublos, garantindo que os contratos atuais são em dólares.

A “proposta russa de um procedimento de pagamento em duas etapas viola o contrato atual e traz riscos consideráveis ​​para a Bulgária, incluindo fazer pagamentos sem receber entregas de gás da Rússia”, disse o governo búlgaro.

A Bulgária e a Polônia disseram que estão trabalhando com empresas de gás de outros países para encontrar fontes alternativas para substituir “imediatamente” os suprimentos que recebem da Rússia. Ambos os países terão apagões severos a partir desta quarta-feira, até obterem gás de outros lugares.

Continuar Lendo

Trending