Ligue-se a nós

Vaticano

Papa Francisco convoca uma cúpula de cardeais e cancela todas as suas viagens: está chegando a sua renúncia?

Publicado

no

Mesmo com a saúde física debilitada, Francisco adia a sua possível demissão até ter certeza de que seu legado reformista permaneça intacto.

Os rumores que até uma semana atrás pareciam teorias da conspiração sem fundamento estão começando a se concretizar. O papa Francisco cancelou sua viagem à África e o resto de suas viagens ao exterior e convocou uma cúpula incomum de cardeais no Vaticano.

Fontes próximas ao Sumo Pontífice asseguram que seu corpo não responde mais, especialmente um joelho que praticamente já não consegue usá-lo. A portas fechadas, Bergoglio e os cardeais se perguntam se um papa que não pode se mover ou viajar pelo mundo tem alguma utilidade para a Igreja.

Assim, aos 85 anos, Francisco convocou um consistório para nomear novos cardeais em agosto, um mês de férias no Vaticano, e especula-se que sua renúncia possa ser anunciada logo depois.

O Vaticano disse que a única viagem que Francisco não suspendeu foi sua visita à cidade italiana de L’Aquila, onde visitará o túmulo de Celestino V, uma mensagem clara sobre seu futuro, já que ele é o primeiro papa a renunciar voluntariamente do papado, no século XIII.

Santo Celestino V, nome de nascimento Pietro del Morrone, renunciou ao cargo no mesmo ano de sua eleição, em 1294. O religioso tinha sido um eremita até sua nomeação como Sumo Pontífice, e se viu com um Vaticano dividido e em guerra interna, situação semelhante à que levou à renúncia de Bento XVI, o único outro Papa que até hoje renunciou voluntariamente em a posição máxima.

Se renunciasse, Francisco seria o terceiro a fazê-lo, mas o primeiro a fazê-lo por motivos reais de saúde. Em seu ambiente, garantem que Bergoglio permanece “100%”, mas que sua situação física está muito deteriorada.

consistório extraordinário acontecerá em 27 de agosto para criar 21 novos cardeais, 16 dos quais terão menos de 80 anos, para que tenham o voto para eleger o sucessor de Francisco em um futuro conclave.

Com isso, Francisco garante a si mesmo uma boa chance de que seu sucessor seja reformista como ele, e garante que suas reformas permaneçam intactas. Desde que se tornou papa em 2013, o argentino nomeou 83 cardeais, muitas vezes pressionando os titulares a se afastarem e não lutarem por sua substituição.

Seu objetivo no Vaticano sempre foi neutralizar a influência historicamente dominante das igrejas européias, que tendem a ter valores mais conservadores. Pelo contrário, Francisco procurou dar preponderância às igrejas latino-americanas.

Com este anúncio, o Papa espera aumentar para 133 o número de cardeais eleitores. Atualmente esse número é especialmente baixo, em 117, quando tradicionalmente sempre se tentava ser pelo menos 120.

Entre os novos cardeais que poderão escolher o sucessor de Francisco estão Leonardo Ulrich Steiner, arcebispo de Manaus; Paulo Cezar Costa, Arcebispo de Brasília; o paraguaio Adalberto Martínez Flores, arcebispo de Assunção, e o colombiano Jorge Enrique Carvajal, arcebispo emérito de Cartagena, todos reformistas como ele.

Em 2014, um ano depois de ser eleito, Francisco disse a repórteres que, se sua saúde o impedisse de desempenhar suas funções, ele também consideraria renunciar. Bento XVI “abriu uma porta, a porta aos papas aposentados”,  disse o pontífice argentino.

No entanto, a mentalidade reformista de Bergoglio o impede de renunciar neste momento, pois seu legado pode ser jogado fora se ele não agir de acordo com um plano meticuloso para impedir que os conservadores retornem ao poder.

A situação é complexa, e mesmo um grupo de canonistas conservadores argumenta que, dada a estranha metodologia usada por Bento XVI para renunciar, ele poderia solicitar a anulação de seu pontificado, ou seja, declarar nulas todas as suas encíclicas, documentos e nomeações cardeais.

Francisco sabe disso e é por isso que não quer se demitir inesperadamente, embora de acordo com suas próprias palavras deveria. O papa argentino é rigoroso em suas ações e não deixará o cargo até que seu legado seja protegido por várias gerações.

Vaticano

O Vaticano irá suspender os funcionários que não foram vacinados com as três doses

Publicado

no

O certificado de vacinação será necessário para todos os trabalhadores e pessoas que visitam o Vaticano. Quem não o tiver “não terá acesso ao emprego e será considerado ausente e a remuneração ficará suspensa enquanto durar a ausência”.

O Vaticano anunciou nesta quinta-feira que a partir desta sexta-feira, véspera de Natal, começará a exigir que todos os seus funcionários sejam vacinados com três doses para continuar trabalhando na instituição.

De acordo com o comunicado, o salário de quem não completou o esquema de vacinação contra a Covid-19 será suspenso e, a partir de janeiro, caso o funcionário ainda não tenha cumprido com a exigência, ele será demitido.

Desde meados do ano, o Vaticano já exige a apresentação de um teste negativo com validade de 48 horas para substituir o certificado de vacinação. Porém, pelo que se lê no decreto que entrará em vigor hoje, somente a vacina permitirá que eles mantenham o emprego.

Além disso, a partir desta sexta-feira, todos os que visitarem o Vaticano ou quiserem participar das missas devem apresentar um esquema de vacinação completo, que até agora inclui duas doses, mas que a partir do próximo ano também exigirá a dose de reforço.

A partir do dia 31 de janeiro, os trabalhadores do Vaticano que tiverem contato com o público também terão que possuir a dose de reforço, que está sendo avaliada se será a 3ª ou a 4ª dose.

Longe ficou a Santa Sé que não discriminava os enfermos , inclusive promovendo a inclusão de leprosos ou outros doentes terminais marginalizados da sociedade.

Hoje, o Vaticano não duvida na hora de discriminar as pessoas por causa da sua situação de saúde, excluindo até aqueles que podem estar perfeitamente saudáveis ​​sem a vacina.

Continuar Lendo

Trending