Ligue-se a nós

Perú

Sem o chapéu e com a faixa presidencial, Pedro Castillo foi ao Congresso implorar para não ser ‘impeachmado’

Publicado

no

O Presidente Castillo compareceu perante o plenário do Poder Legislativo para negar ter cometido os múltiplos atos de corrupção de que é acusado e lhe valeram uma moção de vacância.

O presidente comunista Pedro Castillo foi convocado para o plenário do Congresso em uma sessão especial onde teve a oportunidade de expor sua posição sobre o processo de impeachment que as forças legislativas iniciaram na segunda-feira.

Ele apareceu no Congresso sem o chapéu, sua marca registrada, pela segunda vez desde que iniciou o mandato. A primeira foi quando empossou seu atual chefe de gabinete, Aníbal Torres. 

Em seu discurso, que fez com a faixa presidencial, reconheceu o que chamou de “erros e equívocos” que incorreu em seu governo e disse que está “no espírito de emenda e correção“.

Castillo enfrenta uma moção de vacância por várias causas de corrupção, incluindo a declaração da lobista Karelim López, que testemunhou que comprou influência em seu governo e que Castillo lidera uma organização criminosa para tornar o Estado nacional peruano um local de detenção para militantes e para cobrar por favores.

O presidente aproveitou a sala para qualificar como “mentiras” as versões sobre seus encontros e ligações com Karelim López. No entanto, há vídeos dela entrando em sua residência particular em Breña, junto com o ministro da Defesa, Juan Carrasco Millones. Até agora, nem Castillo, nem Millones conseguiram explicar por que esse lobista que ganhou licitações sem ter o melhor preço se encontrou no meio da noite em um endereço privado com o presidente.

Erros de gestão são uma coisa e os alegados crimes em que pretendo estar envolvido por motivos políticos são outra“, disse, embora não tenha explicado que diferença haveria entre “erros de gestão” e os atos de corrupção pelos quais ele é acusado.

Reafirmo categoricamente que não cometi nenhum ato de corrupção, muito menos participei em qualquer situação que tenha procurado favorecer interesses privados”, disse o chefe de Estado, e afirmou que “nunca” na sua vida esteve envolvido em questões de corrupção , “muito menos agora na minha qualidade de Presidente da República“.

Outra das razões pelas quais ele está sendo “impeachmado” se deve à inconstitucionalidade de suas declarações quando disse em entrevista à CNN que quer ceder parte do território peruano à Bolívia para que tenham saída para o mar.

Em seu discurso, negou ter pedido que a Bolívia tivesse acesso ao mar e disse que “também nunca faria isso“, lembrando que existe o acordo Bolívia Mar. Ele deve desconhecer que existe o YouTube.

Em 28 de fevereiro, a Subcomissão de Acusações Constitucionais (SAC) declarou admissível a denúncia contra Pedro Castillo pela  violação dos artigos 32, 54, 110 e 118 da Constituição do Peru. Reclamação iniciada por seus comentários nesta entrevista.

Perú

O empresário Zamir Villaverde testemunhou que Pedro Castillo chegou ao poder por meio de fraude eleitoral

Publicado

no

O lobista do presidente foi preso por crime de corrupção e, no primeiro depoimento, traiu Pedro Castillo e afirmou que chegou ao poder roubando a eleição de Keiko Fujimori.

Em declarações à Comissão de Fiscalização, o empresário que trabalhou como lobista do Peru Libre, Zamir Villaverde, declarou que Pedro Castillo trapaceou para se tornar presidente, em conluio com o Júri Nacional Eleitoral.

Villaverde foi detido esta segunda-feira pela adjudicação irregular da obra Puente Tarata III, um dos muitos crimes que compõem o caso de suborno, uma suposta máfia que Pedro Castillo estabeleceu no Ministério dos Transportes e Comunicações para entregar obras em troca de subornos milionários.

O empresário, que soube ser o elo entre o partido comunista Peru Libre e as empresas durante a campanha de 2021, seria o cabeça dessa máfia, e a justiça deu a ele 24 meses em prisão preventiva.

Karelim López, outra das empresárias detidas por esta causa, identificou Villaverde como o responsável por obter o apoio de várias empresas importantes, prometendo-lhes que realizariam este esquema de corrupção e que se apoiassem Castillo em vez de Keiko Fujimori, seriam as primeiras a receberem este tratamento preferencial.

Villaverde foi levado a depor o mais rápido possível para testemunhar sobre seu papel neste esquema. Mas o lobista surpreendeu a todos ao revelar informações muito mais sensíveis: garantiu ter provas de como Pedro Castillo roubou a eleição de 11 de abril do ano passado.

“Informo que tenho toda a predisposição para dizer a verdade no esclarecimento de sua investigação, além de testemunhar perante o Ministério Público, através da promotora Karla Zecenarro sobre como o senhor Pedro Castillo conseguiu vencer as eleições presidenciais, que liderou, coordenou e planejou esse trabalho ao mais alto nível com o Júri Nacional Eleitoral, minando a democracia, prejudicando Rafael López Aliaga e Keiko Sofía Fujimori, manipulando a vontade popular”, confessou.

Por muito tempo fui ameaçado pelo serviço de inteligência e por altos funcionários do governo“, reconheceu. “Há pessoas próximas ao presidente da república que querem me silenciar.”

“Por esta razão, estou preocupado com minha vida, esperando que o promotor Zecenarro tome minha declaração, através deste poder do Estado venho fazer uma denúncia pública, na minha qualidade de empresário, contra o presidente Pedro Castillo Terrones, que o apoiei em seu momento, mas hoje digo-lhe que não tenho medo dele e que o considero responsável por qualquer atentado à minha vida“, acrescentou.

Imediatamente após essas declarações, os deputados membros da Comissão de Supervisão decidiram ir à prisão de Ancón, onde Villaverde está detido, para tomar seu depoimento pessoalmente e sem câmeras.

Villaverde é dono da empresa de segurança Vigarza, mas pouco se sabe sobre seu passado. Não se sabe como ele se tornou um confidente do atual presidente.

O empresário era membro da Força Aérea Peruana (FAP), mas foi expulso da instituição quando se descobriu que ele havia cometido atos criminosos junto com outros suboficiais durante seus dias livres. Ele foi até mesmo rebaixado em uma cerimônia oficial em 1999.

Apesar disso e de já ter sido preso várias vezes por crimes graves, Villaverde apareceu em atos protocolares de alto comando da Polícia Nacional do Peru (PNP) acompanhando o presidente Pedro Castillo.

Além disso, desde que Castillo chegou ao poder, sua empresa conseguiu ganhar o concurso para dirigir a segurança de Videna e da Seleção Nacional para um contrato com a Federação Peruana de Futebol (FPF).

Villaverde seria o organizador da suposta máfia no Ministério dos Transportes e Comunicações (MTC), segundo as declarações de seu colaborador, Karelim López.

Sobre as obras do CTM, o lobista disse que foi oferecido um percentual do orçamento. “Era 5% quando eram superiores a 30 milhões de soles. E em que havia menos de 30 milhões, 10% foi dado”

Além disso, Villaverde foi o encarregado de distribuir o dinheiro aos líderes do partido centrista Ação Popular para que apoiem Pedro Castillo no Congresso.

Continuar Lendo

Perú

O comunista Castillo enviará uma lei ao Congresso para poder convocar um referendo sobre a nova Constituição

Publicado

no

Copiando da esquerda chilena, o presidente peruano garantiu que pedirá permissão ao Congresso para alterar o texto fundador do país, que atualmente tem forte cunho liberal.

Seguindo os passos dos comunistas no Chile, o presidente do Peru,  Pedro Castillo, anunciou que apresentará um  projeto de lei para que seja realizado um referendo nas eleições regionais e municipais deste 2022 para determinar se há avanços na elaboração de uma nova Constituição.

Conforme noticiado pelo El Comercio, o líder comunista afirmou que irá “enviar um projeto de lei ao Congresso da República, seguindo o curso constitucional, para que nestas próximas eleições municipais e regionais (…) se pergunte ao povo peruano se concorda ou não com uma nova Constituição“.

Na realidade, Castillo inicialmente queria convocar diretamente um referendo constitucional, mas o Júri Nacional Eleitoral (JNE) especificou que as convocações destinadas a reformar a Carta Magna não poderiam ser realizadas diretamente se não que têm que ser aprovadas pelo Congresso, com maioria absoluta do número legal de seus membros, ou seja, dois terços.

Essa alta exigência foi pensada como uma trava que o ex-presidente Alberto Fujimori colocou ao redigir a Constituição liberal de 1993, de modo que seria muito difícil mudá-la.

Por enquanto, espera-se que o Governo do Peru avance nos trabalhos pré-legislativos para poder enviar o projeto de lei, que deverá ser analisado pela entidade parlamentar, antes das eleições de outubro de 2022.

Assim como Boric promoveu no Chile, Castillo quer destruir a Constituição de Fujimori e criar um novo documento que identifique o Peru como um “estado plurinacional“, que reconheça a expropriação de empresas e que garanta sistemas gratuitos de saúde e educação.

Este é um mecanismo clássico da extrema esquerda não só para chegar ao poder, mas também para mudar o Estado do país como é conhecidoHugo Chávez fez isso em seu primeiro ano no governo, colocando a Venezuela em uma espiral de declínio, tirania e horror.

Os comunistas chilenos foram os mais rápidos e, mesmo faltando meses para as eleições, convenceram Sebastián Piñera e o Congresso a convocar um referendo constituinte.

De qualquer forma, a situação peruana é diferente. Não está previsto na Constituição Fujimori que a Carta Magna seja eliminada e uma nova seja redigida, então apenas são permitidas emendas ao texto fundador, algo que o ex-presidente copiou da Constituição dos Estados Unidos.

Portanto, Castillo deve obter uma maioria de dois terços no Congresso para convocar um referendo que, se vencer, lhe permitirá propor uma série de mudanças, que devem ser ratificadas uma a uma com dois terços dos votos positivos no plenário parlamentar.

Essa difícil tarefa dá aos peruanos a esperança de que não seguirão os passos dos venezuelanos e chilenos por causa de um comunista na casa do governo, e que o bom senso prevalecerá.

Continuar Lendo

Perú

Na tentativa de recuperar a credibilidade, Castillo vai suspender os impostos sobre alimentos e combustíveis para baixar a inflação

Publicado

no

Combustíveis, frango, ovos, farinha, macarrão, entre outros produtos da cesta básica familiar estarão isentos de impostos sobre vendas.

O Peru enfrenta níveis de inflação nunca vistos nos últimos 30 anos. Somado aos explosivos gastos públicos autorizados pelo ex-presidente Martín Vizcarra (financiados por emissão monetária) soma-se a enorme instabilidade política resultante do desastroso governo do comunista Pedro Castillo.

No entanto, a extrema esquerda no Peru entendeu que uma das formas de combater a inflação no curto prazo é reduzir os impostos. Uma diferença abismal com, por exemplo, Alberto Fernández na Argentina, que aumenta os impostos e, em vez disso, quer combater a inflação congelando os preços à força.

O ministro da Economia de Castillo, Óscar Graham, anunciou que enviará um projeto de lei para isentar o Imposto Geral sobre Vendas (IGV) dos principais produtos da Cesta Básica Familiar.

Durante uma conferência de imprensa do Conselho de Ministros, Graham informou que frango, ovos, farinha, macarrão, entre outros, deixarão de ter esse imposto para reduzir seus preços no mercado, o que também é uma resposta aos protestos massivos em Lima e outras áreas do país devido ao colapso da economia.

“Há uma medida adicional que estamos a aprovar esta semana no Conselho de Ministros, que é a isenção temporária de IVA para os principais produtos alimentares que fazem parte da cesta básica. Estamos isentando do IVA o frango, ovos, macarrão, farinha e carne, isso será apresentado ao Congresso para aprovação rápida”, disse o chefe da Economia.

O ministro ratifica assim o que anunciou durante a mesa de diálogo convocada em Huancayo, onde foram atendidos os pedidos dos sindicatos de transportadores e agricultores, que estão desempregados há uma semana.

Além dos alimentos da Cesta Básica, e isso por decreto, o governo de Castillo suspendeu até 30 de junho a cobrança do Imposto de Consumo Seletivo (ISC) sobre combustíveis como a gasolina de 84 e 90 octanas.

Isso gerará forte pressão baixista sobre os preços não apenas dos combustíveis, mas de toda a cadeia produtiva, pois reduz custos em praticamente qualquer etapa da produção e distribuição.

Continuar Lendo

Trending