Ligue-se a nós

Ucrânia

Ucrânia impõe limitações bancárias após o ataque russo

Publicado

no

O Banco Nacional da Ucrânia anunciou severas limitações à retirada de dinheiro dos bancos, a fim de evitar um colapso financeiro. Além disso, a retirada de moeda estrangeira está suspensa no âmbito de uma desvalorização histórica do hryvnia.

Após o ataque russo e a desestabilização geral da economia ucraniana, as autoridades do NBU (Banco Nacional da Ucrânia) decidiram impor limitações diárias.

De acordo com as disposições de Kyrylo Shevchenko, chefe da autoridade monetária ucraniana, os saques em dinheiro dos bancos não podem exceder 100.000 hryvnias (cerca de US$ 3.000), e o limite é diário.

Esta medida não inclui salários ou saques em dinheiro para benefícios sociais, bem como todas as operações financeiras realizadas por empresas ligadas à mobilização militar realizada pelo Governo.

Todas as demais transações não contempladas nestas exceções serão afetadas. Os pagamentos que não sejam feitos em dinheiro, através do uso de cartões de débito ou crédito, não serão limitados. No entanto, todas as recargas em carteiras eletrônicas foram suspensas.

Essas medidas foram tomadas como parte do plano de contenção do sistema financeiro e após a decretação da Lei Marcial. Após o ataque russo, o governo de Volodimir Zelensky decidiu evitar um colapso do sistema bancário que poderia colocar em sérias dificuldades não apenas a economia ucraniana, mas também os recursos das Forças Armadas para se defender. A instrumentação dessa medidas buscam conter, de forma improvisada, o colapso bancário do país.

Ao mesmo tempo, o governo ucraniano lançou um aperto monetário profundo que suspende a retirada de moeda estrangeira dos bancos e a compra de moeda estrangeira no mercado interbancário. Todas as transações com moedas vinculadas à Rússia, bem como todos os tipos de transações monetárias transfronteiriças, foram estritamente suspensas.

Ainda assim, o Governo determinou a criação de uma conta especial na qual se possa transferir moeda estrangeira ou moeda local, de forma a consolidar um fundo especial de apoio às Forças Armadas da Ucrânia. Essa iniciativa também busca servir como canal de ajuda financeira internacional.

Além disso, o Regulador do Estado do mercado de ações ucraniano decidiu suspender temporariamente a negociação de títulos no país, com exceção do banco central e do Ministério das Finanças da Ucrânia.

As regulamentações impostas pela Ucrânia são típicas de uma “economia de guerra” na qual os recursos, e principalmente a moeda estrangeira, são racionados e canalizados para suprir todas as necessidades exigidas pelo conflito de guerra.

Rússia

Rússia antecipa que quer conectar Donbass com a Transnístria e Zelensky adverte: “A Ucrânia é apenas o começo”

Publicado

no

O Comando Militar Russo deixou claro suas intenções de conquistar todo o sul da Ucrânia, e a guerra poderia chegar até o leste da Moldávia.

Este fim de semana, o vice-comandante do Distrito Militar Central da Rússia, Rustam Minekayev, informou que o objetivo militar de Moscou é conquistar todo o sul da Ucrânia, unindo a região de Donbas com a região separatista da Moldávia, na Transnístria.

Diante desta notícia, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, alertou que a ofensiva do Kremlin contra seu país “é apenas o começo” e que Putin planeja ocupar outros países, referindo-se principalmente à Moldávia.

Todos os países que, como nós, acreditam na vitória da vida sobre a morte têm que lutar conosco. Eles têm que nos ajudar, porque estamos na linha de frente. Quem será o próximo?“, questionou Zelensky em uma mensagem compartilhada em suas redes sociais.

A região de Donbass contém a autoproclamada República Popular de Donetsk e a República Popular de Lugansk, que a Rússia reconhece como independente, e a Transnístria é uma região autoproclamada independente e desde 1992 foi ocupada por uma “força de manutenção da paz” russas que foi embora.

Esse território que se separaria da Ucrânia poderia ser completamente anexado pela Rússia, ou poderia se tornar uma zona de buffer entre os países aliados da OTAN e a própria Rússia.

A rota descrita pelo comandante russo se assemelharia a desenhar um U no mapa da Ucrânia, do leste ao sul e ao sudoeste. Se bem-sucedida, a presença militar russa impediria os ucranianos de chegar ao mar.

Se este é o objetivo final da Rússia nesta guerra, ainda há um longo caminho a percorrer. A região de Donbas ainda não está completamente nas mãos dos russos: precisa avançar além da cidade de Donetsk, ao norte, e assumir o controle total da cidade portuária de Mariupol, ao sul.

Além disso, após completar a conquista de Kherson, as tropas russas terão que ir para Odessa, cidade que até agora não teve grandes incursões, e depois subir para a Transnístria para se conectar com o enclave em território moldavo.

Deve-se esclarecer que a Moldávia também não faz parte da OTAN e uma invasão deste país não confirmaria um avanço na aliança atlântica, por isso é uma presa fácil para o Kremlin.

Com este novo objetivo, a Rússia desistiu de seus ataques a Kiev e outras cidades localizadas no norte do país. Com isso, Zelensky usou suas redes sociais para transmitir uma mensagem positiva sobre o “retorno à normalidade” em algumas partes do país.

Tudo indica que muitas atividades começarão a ser retomadas na capital, como escolas, comércios essenciais, clínicas e outros. No entanto, os esforços de Kiev, conforme confirmado pelo próprio governo, visam evacuar completamente a cidade de Mariupol, completamente sitiada pelas tropas russas.

A vice-primeira-ministra da Ucrânia, Irina Vereshchuk, anunciou que “se tudo correr conforme o planejado”, esta evacuação em massa poderá ocorrer nesta segunda-feira.“ Hoje vamos tentar novamente evacuar mulheres, crianças e idosos”, explicou.

O prefeito de Mariupol, Vadim Boichenko, que segundo a Rússia não tem mais poder para exercer seu cargo executivo, fez o anúncio de uma ” evacuação total ” da cidade do sudeste, que é praticamente tomada pelos russos e onde o único ucraniano resistência está na siderúrgica Azovstal. Nessa fábrica também há pelo menos 1.000 civis, segundo as autoridades ucranianas.

Continuar Lendo

Ucrânia

Ucrânia afirma ter afundado o navio russo Moskva no Mar Negro com um míssil

Publicado

no

O comando russo admitiu que o navio foi afundado, mas garantiu que foi devido a um defeito interno, e não porque foi atingido pelo míssil Neptune ucraniano.

Ministério da Defesa russo admitiu na quarta-feira que o navio de combate Moskva, o carro-chefe de sua frota do Mar Negro, havia afundado. Sua versão da história é que houve uma explosão de um acidente de munição a bordo e que depois afundou em uma tempestade.

“Durante o reboque do navio Moskva para o porto de destino, o navio perdeu a estabilidade devido aos danos no casco causados ​​pelo incêndio após a explosão das munições. Em condições de mar agitado, o navio afundou“, disse o ministério, citado pela agência estatal TASS .

No entanto, antes que a Rússia admitisse que o navio havia sido danificado, a Ucrânia alegou que o navio havia sido atingido por um míssil ucraniano. O porta-voz militar de Odessa, Sergey Bratchuk, disse que o Moskva foi danificado por “mísseis de cruzeiro domésticos Neptune” lançados pelas forças ucranianas.

O Neptune é um míssil antinavio ucraniano recém-desenvolvido baseado em um antigo projeto soviético. Os lançadores são montados em caminhões estacionados perto da costa, com mísseis que podem atingir alvos a até 280 quilômetros de distância.

O cruzador Moskva no Mar Negro.

A perda de Moskva foi um grande golpe à Rússia. O navio funcionava como uma plataforma para defesa aérea e bombardeio de mísseis de alvos terrestres.

O russo Srmada lançou mísseis na Ucrânia e suas atividades no Mar Negro são essenciais para apoiar as operações terrestres no sul do país, onde luta para obter o controle total do porto de Mariupol.

A Moskva também viu um dos primeiros combates da guerra, quando a Rússia invadiu a Ilha da Cobra e fez prisioneiros os guardas de fronteira ucranianos do pequeno promontório no Mar Negro.

Sua desativação é um dos ataques mais audaciosos da história naval moderna, e é um feito enorme que a Ucrânia tenha conseguido afundar o navio com um míssil Netuno. Ambas as versões são provavelmente verdadeiras, e o Moskva estava passando por uma tempestade com danos internos quando foi atingido pelo projétil ucraniano, e por isso foi afundado.

É a maior perda naval em uma guerra desde o naufrágio do navio argentino General Belgrano, atacado por forças britânicas em1982 durante a Guerra das Malvinas.

O Moskva entrou em serviço na era soviética em 1983 e participou da intervenção russa na Síria a partir de 2015. Estava armado com 16 mísseis de cruzeiro anti-navio Vulkan com um alcance de pelo menos 700 km.

O que aconteceu com o navio russo Moskva e por que é importante para a Rússia e a Ucrânia
Imagem de satélite mostra o navio Moskva no porto de Sevastopol, na Crimeia, em 7 de abril de 2022. (©2022 Maxar Technologies via AP)

Hoje marca 50 dias de guerra com a Ucrânia, quando a projeção inicial do Kremlin era de uma guerra entre 5 e 10 dias.

A Rússia já desistiu de ocupar Kiev (se é que alguma vez teve esse objetivo) e agora os relatórios indicam que as Forças Armadas russas estão se preparando para um ataque final na região leste de Donbas, o que pode marcar o fim do conflito.

Putin sempre sustentou que o objetivo da guerra era fazer com que o governo ucraniano reconhecesse a independência das repúblicas de Donetsk e Lugansk, bem como a soberania russa sobre a península da Crimeia, e prometesse não aderir à OTAN. Para isso, a Rússia deve remover completamente o exército ucraniano de Donbas e do sul do país.

Foto de arquivo do navio russo Moskva no porto ucraniano de Sebastopol (REUTERS/Stringer)
O navio russo Moskva no porto ucraniano de Sebastopol.

Continuar Lendo

Ucrânia

Zelénski caminha pelas ruas de Kiev com líderes do G7 e começa a se declarar vencedor da guerra

Publicado

no

Embora a Rússia ainda tenha uma clara vantagem na guerra, teve que levantar o bloqueio em Kiev e nesta semana o presidente ucraniano recebeu seus homólogos do Reino Unido e da União Européia.

O presidente Volodimir Zelensky talvez esteja no melhor momento desde o início da guerra na Ucrânia. Após quase um mês de cerco russo à capital, Kievo exército russo recuou e a cidade não está mais cercada.

Isso permitiu que líderes do G7, como Boris Johnson (Reino Unido) ou Ursula Von der Leyen (União Europeia), viajassem para Kiev, andassem pelas ruas e fizessem uma demonstração de força contra Putin.

Não se sabe por que Putin reduziu a intensidade do cerco. As Forças Armadas russas estão longe de sua capacidade máxima na invasão, e desde as primeiras manobras registradas parecia que a Rússia queria ocupar a cidade de Kiev.

Os objetivos de Putin são claros: ele quer a anexação da região de Donbas, que poderia declarar hoje mesmo de acordo com o atual teatro da guerra, mas também quer forçar a Ucrânia a assinar um compromisso de não aderir à OTAN ou à União Europeia.

Na sexta-feira, Zelensky recebeu Von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, em Kiev, e juntos viajaram para a cidade de Bucha, junto com um grupo de investigadores forenses que foram determinar se a Rússia cometeu ou não um crime de guerra lá.

A cidade perto de Kiev foi uma das cenas mais sangrentas desde o início da guerra e, após intensos combates nas ruas, a Rússia bombardeou a cidade e retirou suas tropas.

Zelensky mostrou-lhe as casas e estradas completamente destruídas pelo cerco. Von der Leyen gritou (um pouco forçado na câmera) quando quatro corpos foram exumados de uma vala comum, onde as autoridades ucranianas dizem que as forças russas deixaram para trás centenas de civis depois de matá-los a sangue frio.

No sábado, Zelensky recebeu Boris Johnson na capital, uma enorme demonstração de força contra a Rússia. Durante a visita, percorreram as ruas de Kiev, onde o presidente ucraniano lhes mostrou alguns dos setores onde resistiram ao cerco russo.

Logo após, em uma conferência, o primeiro-ministro britânico prometeu que enviaria veículos blindados e mísseis antinavio para a Ucrânia, naquela que será a maior transferência de armas militares na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

“Graças à liderança determinada do presidente Zelensky e ao heroísmo e coragem invencíveis do povo ucraniano, os planos monstruosos do presidente russo Vladimir Putin foram frustrados”, disse Boris, cantando a vitória, saudando a resistência ucraniana contra a invasão russa como “o maior feito do século 21”.

O conselheiro presidencial ucraniano Andriy Sybiha sublinhou que “o Reino Unido é o líder no apoio à defesa da Ucrânia” e elogiou Boris como “o líder da coligação anti-guerra, o líder das sanções contra o agressor russo”, um comentário que não foi bem recebido na Casa Branca.

Continuar Lendo

Trending